quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Espiritualidade Pentecostal: O que é ser espiritual? Parte 2

Continuando o estudo sobre espiritualidade, suas implicações e as distorções referentes ao tema. Leia a primeira parte abaixo.


a) A espiritualidade não pode ser confundida com ultra-valorização de milagres.


Milagres, dons espirituais e outras manifestações extraordinárias sempre foram pregadas corretamente na história da Igreja, seja em Atos dos Apóstolos ou na patrística e até ao atual movimento pentecostal. Porém, hoje há uma super valorização de bênção e milagres, sendo que muitos medem a sua espiritualidade pela quantidade de fatos extraordinários que acontecem em seu ministério.

Milagres não são sinais de espiritualidade (Êx 7.11,22; 8.7; Mt 7.22; 24.24 II Ts 2.9, 10; Ap 13.13; 16.14; 19.20). Os milagres têm como propósito mostrar o grande poder de Deus, mas não servem como medidor de espiritualidade. Com muita propriedade escreveu o teólogo pentecostal Claudionor Corrêa de Andrade:


A ocorrência de milagres não denota, necessariamente, avivamento; a característica principal deste é o amor a Cristo que nunca deixa de ser primeiro. Amamos a Jesus não pelos sinais e maravilhas que opera; amamo-lo pelo sacrifício do Calvário que ousou por todos nós.[1]


Hoje há muitos que dizem ter uma missão de pregar milagres. São pessoas que estão saindo da essência do evangelho, que é “Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus” ( I Co 1.24). O poder de Deus é para o Seu serviço, mas a espiritualidade guiada pelo Espírito Santo quer moldar caráter do cristão, e não criar um bando de pregadores arrogantes, que atribuem milagres “a santidade de seus ministérios”.


b) a espiritualidade é sempre coletiva em comunhão e nunca individualista em egocentrismo.


A Igreja hodierna valoriza excessivamente o individualismo, até mesmo diante das “manifestações divinas”. A espiritualidade cristã sempre buscará a edificação do próximo como um ato de amor e comunhão. O desenvolvimento de uma fé individualista, além de egoísta e excêntrica, certamente não fará parte dos que são cheios do Espírito Santo.

A apatia e falta de disposição para o serviço é sinal de falta de espiritualidade. Muitos caminham de congresso em congressos em busca de “avivamentos”, mas nunca prestam assistência a sua comunidade eclesiástica.


c) a espiritualidade cristã é sempre cristocêntrica.


Pode parecer redundância, mas há muitos que acreditam em espiritualidade cristã sem Cristo no centro, mesmo que essa crença seja subjetiva. Hoje em dia, com o culto ao homem tão difundido, muitas igrejas deixaram de pregar uma espiritualidade cristocêntrica para pregar uma “espiritualidade” antropocêntrica, humanista e mundana.

São várias reuniões centralizadas em auto-ajuda, linguagem de marketing, chavões empresariais e clichês de efeitos pragmáticos. O deus funcional e o servos utilitaristas, enchem reuniões que funcionam em ritmo de congresso esotérico misturado com palestra motivacional de quinta categoria. A “Bíblia” desses mercantilistas só pode ser o best-seller “O Segredo”, pois sem Cristo é preciso ter muito pensamento positivo.

O teólogo presbiteriano Augustus Nicodemus faz uma importante observação:


Quaisquer que sejam as manifestações que acompanhem a plenitude do Espírito, uma coisa é essencial, e não ficará de fora- se é o Espírito Santo de Deus quem está de fato agindo, Cristo Jesus será o alvo, o centro e o conteúdo da experiência.[2]

O alvo da oração cristocêntrica é a adoração a Jesus e um meio de comunhão com o Altíssimo, assim como todos os dons do Espírito. Nenhum desses “recursos” espirituais servem para entretenimento ou mercantilização.


Conclusão:


É preciso compreender a natureza bíblica da verdadeira espiritualidade, para que cada cristão viva andando no Espírito e praticando continuamente e progressivamente o Fruto do Espírito, sendo este a essência da espiritualidade bíblica, cristã, pentecostal e ortodoxa.


Referências Bibliográficas:


1- ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Fundamentos Bíblicos de um Autêntico Avivamento. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004. p. 119.


2- LOPES, Augustus Nicodemus. Cheios do Espírito. São Paulo: Editora Vida, 2007. p. 19.

8 comentários:

Ednaldo disse...

Olá Gutierres, a Paz do Senhor.

Um dos problemas são os convertidos de outras religiões que trazem um pacote de pressupostos errados acerca do que é espiritualidade e querem aplicar isso no cristianismo. Outro problema são alguns pastores e pregadores que também tem um visão deturpada do que seja espiritualidade e passam adiante.

O que necessitamos é de pastores que compreendam o que é espiritualidade e ensinem suas ovelhas de forma correta.

Ednaldo.

Victor Leonardo Barbosa disse...

Falta discipulado bíblico para os novos convertidos, como bem afirmou nosso irmão ednaldo Gutierres, mas também, dentro deste discipulado, é necessário que despertemos as mentes deles na aplicação da doutrina, talvez o termo não seja preciso, mas creio quew "inteligência espiritual", ao contrário de "néscio".
exemplo: mesmo o apóstolo Paulo ter mostrado claramente a doutrina da justificação pela fé aos gálatas, ainda assim eles estam, caindo em heresias, por esse motivo o apóstolo os chama de néscios.
Obiamnete esse processo é um pouco demorado, mas pela graça de Deus, conseguimos sucesso. O teologia Pentecostal é uma ferramente importante neste processo.
Deus o abençoe irmão e parabéns pelo artigo!!!

Paulo Silvano disse...

Caro Gutierres,

Acessei o seu blog "Pentecostalismo" e li o post "A Igreja Pentecostal". Valeu!
Tomar conhecimento de um elogio como esse, vindo de fora da nossa seara, faz bem para o coração; principalmente quando vem de um pastor com a "estatura" do Osmar Ludovico. Muito bom.
Desculpe-me, tentei, mas não consegui postar esse comentário no "Pentecostalismo".

Um abraço,
pr Paulo Silvano

Pastor Geremias do Couto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pastor Geremias do Couto disse...

Caro Gutierres:

Foi uma enorme alegria conhecê-lo pessoalmente, quando estive pregando em Santo Amaro, SP, na última sexta-feira. No momento em que lhe vi ao pé do púlpito, logo lhe reconheci, em razão dos nossos frëqüentes contatos através dos nossos blogs.

Como estamos próximos um do outro, convido-lhe para conhecer o escritório nacional do projeto Minha Esperança, onde dou expediente todos os dias. Fica na Av. Adolfo Pinheiro, 2360, junto à estátua do Borba Gato, em Santo Amaro.

Quando puder, venha tomar um café conosco. Anote por favor o telefone: (11) 3429-5100.

Abraços

Lucimauro*Assembléia de Deus disse...

A paz do senhor!
Na verdade gutierres,o que também está acontecendo é que o povo tem confundido pentecostalismo clássico com neo-pentecostalismo,um problema que tem muito invadido nossas igrejas.
Daquele que ama a assembléia de Deus e seus orgãos históricos.

Gutierres Siqueira, 19 anos disse...

A paz do Senhor a todos os irmãos.

Ednaldo,
Concordo, pois os conceitos mundanos são repassados adiante nos púlpitos desse país por pessoas que não se livraram de uma cosmovisão errante. A conversão é volitiva, emotiva e racional, ou seja, é mudança de vida e crença, portanto precisamos de genuínas conversões.

Victor Leonardo Barbosa,
Realmente, a falta de discipulado é um mal na igreja hodierna. Já se disse que a “igreja é uma ótima maternidade, mas uma péssima pediatria”. O grande problema é falta de genuínos pediatras.

Pastor Paulo Silvano,
Graças a Deus que o pastor Osmar Ludovico viu um pentecostalismo autêntico, que ainda existe nesse mundo de modismos, heresias e apostasia. Isso é muito bom!

Pastor Geremias do Couto
A minha alegria foi muito grande quando cheguei à Assembléia de Deus em Santo Amaro e soube que o amado irmão seria o pregador do evento. Certamente quero conhecer o escritório nacional do projeto “Minha Esperança”.

Lucimauro,
Infelizmente essa confusão e mistura é uma verdadeira distorção do pentecostalismo clássico, que como uma vertente do protestantismo reformado, tem a Bíblia como única regra de fé e práxis.

Dani disse...

Tantas palavras e referências bibliográficas para quê?!

Depois de tanto ler fiquei sem saber o que TU pensas ou como tu sentes que é ser espiritual!...

Para mim eer espiritual não é acreditar em Deus ou ser religioso... é simplesmente acreditar na força da Vida que é AMOR, que é o que nós todos somos! É ser quem eu realmente sou, verdadeira comigo própria e com os outros, fiel à minha essência, sem medos nem máscaras.

E para ti, o que é ser espiritual?