domingo, 27 de abril de 2008

Qual o futuro do Pentecostalismo Clássico?

Qual o futuro do Pentecostalismo Clássico?Essa foi a pergunta feita para os internautas que frequentam o Blog Teologia Pentecostal. A enquete apresentou quatro possíveis quadros que o pentecostalismo pode correr, sendo uma apresentação limitada pela própria natureza da enquete. As respostas mais votadas estão nessa ordem:

a) A erudição com valorização da espiritualidade pentecostal. (43% dos votos)
b) Volta à teologia reformada, com ênfase na soteriologia e escatologia dos protestantes históricos.
(22 % dos votos)
c) O legalismo, o antiintelectualismo e a fé baseada no emocionalismo. (19 % dos votos)
d) A neopentecostalização mística, pragmática e empirista. (13 % dos votos)

Pelos votos é possível ver que os internautas acreditam, em sua maioria, numa ênfase diferenciada para o Pentecostalismo Clássico no futuro. A erudição com valorização da espiritualidade pentecostal foi o quadro mais votado pelos internautas e de modo surpreendente, em último lugar, ficou o quadro sobre a neopentecostalização mística, pragmática e empirista do Pentecostalismo Clássico.
Falar do futuro é falar de algo incerto, portanto é difícil definir qual será o futuro do Movimento Pentecostal. Os fatos contemporâneos apresentam dicas de como será o futuro, mas não pode determiná-lo de modo simplório. Outro fato complicado na pergunta é que ela pode apresentar mais de uma resposta, pois o Pentecostalismo é heterogêneo em sua natureza. Hoje, não se pode falar em pentecostalismo, mas em pentecostalismos, pois as diversas correntes no Movimento Pentecostal são, muitas vezes, distantes uma das outras em questões doutrinárias e modus vivendi.
Um fato certo do futuro é que o pentecostalismo, como qualquer movimento histórico, não ficará estático ou igual ao que era no início do século XX. Mudanças são inevitáveis, sejam elas para melhor ou pior. Mudanças podem ocorrer nas superfícies ou nas estruturas, mas jamais um movimento histórico ficará preso a uma “identidade” imóvel, pois a própria estrutura do pentecostalismo é o dinamismo. Isso não significa que a essência será mudada.
Antes, o pentecostalismo era bem definido por uma ênfase na salvação dos ímpios, nos carismas, na cura divina, na escatologia dispensacionalista, na espiritualidade piedosa, na evangelização eficaz; além do negativismo apresentado por meio do sectarismo, antiintelectualismo e legalismo.
Hoje o quadro é variado e confuso, pois é possível encontra uma igreja pentecostal onde o pastor apresenta uma sólida formação acadêmica enquanto outro pastor, na mesma denominação, prega que “a letra mata”. Andando por duas igrejas pentecostais, você ainda verá uma com costumes parecidos com as vestes muçulmanas enquanto outras vivem como ocidentais normais. Nessa viagem, é possível encontrar um pastor pentecostal que derruba todos no culto com um paletó “ungido” ao som de um corinho de forró, enquanto em outra igreja o culto é tão organizado como os melhores tradicionais. Além disso, você encontrará um pentecostal que gosta e prega como os eruditos puritanos, enquanto outros preferem um literatura “ungida” por tele-evangelistas norte-americanos. Hoje não há consenso, não há um único método, mas será que existirá no futuro? Eis a questão!
Apesar da heterogeneidade do pentecostalismo, uma dessas quatros correntes será maior e predominante no futuro. Escreva sua opinião e aponte o quadro mais provável.

14 comentários:

sandre disse...

Bem colocada sua ênfase, na heterogeneidade do futuro do pentecostalismo,mas acho que para se manter, principalmente na era na informação simultânea, as igrejas pentecostais clássicas, principalmente nossa denominação Assembléia de Deus, deve tender para o caminho da erudição com espiritualidade pentecostal, devido ao fato, que hoje, o acesso a informações, o questionamento ateísta da mídia e da ciência, são muito maiores nos dias de hoje, então para manter uma membresia sóbria aos ataques quotidianos, a valorização da erudição será de grande valor.
Ainda que as igreja dos grandes centros já vivem uma realidade assim mais aparente, ficando o legalismo para regiões mais pobres.
Vivo esta realidade bem clara, onde minha congregação tem mais de 100 membros e apenas 2( sendo eu e mais um) pessoas com formação acadêmica.

Tenho a opinião de que é melhor para igreja ter esta heterogeneidade, pois um unico pensamento gera manipulação de valores.

Elessandre/São Paulo
http://sandre-escritos.blogspot.com/

Eduardo Neves disse...

“Procurando o Deus desconhecido.”

http://panoramateologico.blogspot.com

Lucimauro*Assembléia de Deus disse...

A paz do Senhor,gutierres.
fico com o irmão sandre,o melhor caminho para o pentecostalismo clássico nos dias atuais é a erudição com espiritualidade pentecostal,mas sem é claro na minha opinião,deixar de lado os nossos bons usos e costumes que na minha opinião nos caracteriza.
Continue visitando o blog Lucimauro*Assembléia de Deus.
Daquele que ama a Assembléia de Deus e seus orgãos históricos.

james disse...

Graça e Paz seja convosco.

Movimento vai, movimento vem, movimento é criado, movimento é esquecido, mas, a Palavra de Deus subsiste para sempre, “Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão.” (Marcos 13.31).

Assim disse Jesus: “... e não sejas incrédulo, mas CRENTE.” (João 20.27)

A nossa alegria deve ser em crer em Jesus, e crer que COMO no dia de Pentecoste (Atos 2.1-4), o Senhor ainda derrama seu Espírito, “... derramarei o meu Espírito sobre toda a carne,...” (Joel 2.28), dando-nos ousadia no falar, alegria em levar as boas novas, e não confusão do que irá acontecer no futuro, por que o Senhor já nos deu a conhecer o futuro. Alguém ainda tem dúvida???

James.
www.jesusmaioramor.blogspot.com

Edson Dorna disse...

A paz do Senhor!

Com todas as suas palavras, e pela forma que foi expressada, estava análisando o seguinte... Hoje em dia existe varios costumes como nosso irmão citou, mesmo nas roupas,como na forma de dirigir-se um culto, ou mesmo um pastor formado ou outro não.

Levando essa questão para bíblia, estava pensando, que alguém nessa história toda, tá errado, pois me lembro do nosso irmão Paulo que disse que Cristo é a cabeça, e nós (a igreja) somos seus membros (corpo). Vejo que há muita gente errada atualmente, o que tem feito o evangelho ser prejudicado, pois se Crito é a única cabeça da igreja, e lembramos, que a cabeça, nos faz refletir mente, pensamento... como pode haver essas confusões todas, pois creio que cristo tem um jeito de pensar, e nós temos vários pensamentos...

Que Deus continue abençoando o seu blog...

Edson Dorna
www.santodosantos.blogspot.com

Ciro Sanches Zibordi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ciro Sanches Zibordi disse...

Não haverá, como não há hoje, um consenso. Lembra-se das sete igrejas da Ásia? Cada igreja era o que o seu pastor era, com algumas exceções, pois em Sardo havia alguns que não haviam contaminado os seus vestidos (Ap 3.4). Havia homens compromissados com o Senhor, e outros que diziam "Rico sou e estou enriquecido".

O futuro do pentecostalismo depende de nós. Se respeitarmos a Palavra de Deus e andarmos segundo os seus princípios, usufruiremos das verdadeiras bênçãos pentecostais.

Mas gosto da primeira opção apresentada, a qual relaciona-se com o que as Escrituras salientam em 2 Pedro 3.18. Quem quiser crescer só na graça cairá no fanatismo. E quem desejar apenas o crescimento intelectual, qual um anão, cujo crescimento da cabeça é maior, cairá no formalismo.

Parabéns pelo blog e pelo post.

Em Cristo,

Ciro Sanches Zibordi

Paulo Silvano disse...

Caro Gutierres,
Embora a pesquisa provavelmente não atenda a critérios de metodologia científica, que valida a amostragem para fins conclusivos, aponta indício que mostra que fica cada vez mais difícil, inclusive por conta da crescente fragmentação da denominação, fazer uma leitura atualizada do "ethos" assembleiano no Brasil, que permita reponder a enquete sem que antes nos ocupemos da árdua tarefa de melhor conceituar, dentro da ambiência pentecostal, o que seja, por exemplo: erudição, espiritualidade e espiritualidade pentecostal.
Na minha opinião a alternativa “a)” está para a “b)” enquanto a “c)” está para a “d)”. Podemos, para usar os termos que você sugere, reduzir as alternativas propostas para a polarização entre 1) Volta a erudição da teologia reformada e 2) Fé baseada no emocionalismo pragmático-empirista. Penso que daqui para frente, em termos práticos e em proporções diferentes, verificaremos a concretização das duas tendências, com vantagem percentual ampla para a segunda.

Um abraço
Paulo Silvano

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Gutierrez,
A Paz do Senhor!
Considerando sua análise da pesquisa, bem como as colocações dos nobres comentaristas blogueiros, quero aqui concordar plenamente com o pensamento principalmente do Pr. Ciro Zibord, apenas sintetizando em uma só palavra:
EQUILÍBRIO!
Um abraço a todos.

Gutierres Siqueira, 19 anos disse...

Agradeço a opinião de cada um, que aqui expressou sua visão sobre o futuro do pentecostalismo clássico. Em breve vou retornar com esse assunto.

Rodrigo de Aquino disse...

Alguns sociólogos, como Mariano/Freston classificam o pentecostalismo em três ondas, sinteticamente; 1 onda: AD / 2 onda: IEQ / 3 onda: IURD. Cada onda foi fruto do momento social vivido pelo país. se seguirmos essa linha, o futuro do movimento, ou movimentos, dependerá do desenvolvimento social do país.

Na minha opinião, concordo com o que foi postado acima, dependerá de nossa vivência de fé!

www.ocioteológico.blogspot.com

Anchieta Campos disse...

Caro irmão Gutierres, a paz do Senhor.

Seu comentário sobre a enquete foi brilhante. É um fato que hoje a própria AD está mais do que dividida em costumes, práticas e até mesmo doutrinas. A unidade simplesmente pegou as malas e tomou vôo.

Também fico com a primeira opção, a qual foi a que teve o meu voto. Mas creio também que a unidade jamais será alcançada, mesmo em um restrito meio denominacional.

Abraços fraternos.

Anchieta Campos

Cleber disse...

Paulo Silvano (e Gutierres),
discordo que haja essa dicotomia que vc propôs:

1) Volta a erudição da teologia reformada
2) Fé baseada no emocionalismo pragmático-empirista.

Como creio na sólida teologia pentecostal clássica não vejo necessidade de seguir nenhum dos dois caminhos, e sim fortalecer a erudição pentecostal.

Basta um comparativo entre as teologias reformada e pentecotal para ver que os pentecostais tem nas mãos algo muito mais sólido que a teologia reformada.

Durante séculos o Espírito Santo conduziu a igreja de forma progressiva trazendo ao entendimento várias doutrinas perdidas nos tempos pré-reforma. Além dos reformados, tivemos contribuições dos metodistas, quakers e outros grupos culminando na sólida teologia pentecostal.

Recomendo a leitura desses artigos:
http://www.thelinkup.com/Cleber638/Confraria/01_%20Origem_da_Teolo.pdf
http://www.thelinkup.com/Cleber638/Confraria/02_Quadro_Comparati.pdf

Pastor Cleber.
http://confraria-pentecostal.blogspot.com/

Anônimo disse...

TODS errados e iludidos; é claro que não é segredo pra ninguém, que o futuro continuará sendo Católico!!! Essa Igreja é unida em torno de sacramentos e em torno do Papa!!! Virou estado; tem 2000 anos; os evangelicos brigam e se matam entre si, se dividem e se consomem, e eles os Romanos, vão crescendo em várias comunidades que levam os nomems de seus santos, só no meu pequeno bairro tem 6 comuidades Católicas, todas prestam serviço a Roma e estão unidas; estão crescendo, o movimento pentecostal vai staganar, como todos os outros aí virá um declinio,procurem ler se informem. A paz de Cristo a todos.