domingo, 18 de maio de 2008

A morte do púlpito

A igreja evangélica brasileira vive uma tragédia: a morte do púlpito. Nunca na história do protestantismo houve tanto desprezo pela pregação cristocêntrica, preparada com esmero e preocupada com a correta interpretação das Escrituras. O púlpito tem sido substituído pelo altar dos “levitas” ou para os ”sacrifícios” em dinheiro dos mercenários mercantilistas. A “pregação” da Palavra é, hoje, conceituada como qualquer um que sobe na plataforma e começa a falar ou gritar.
Talvez você, lendo esse texto, pense: - “Na minha igreja a pregação é sempre um espaço grande e recebemos visitas de diversos pregadores”. Esse artigo quer alertar que não basta um tempo grande para a pregação e nem que a plataforma esteja cheia de homens engravatados; antes é necessária a avaliação da qualidade dessa pregação. A pregação precisa ser avaliada, assim como fazia os cristãos bereanos, que por sua nobreza, comparam as homilias de Paulo com as Sagradas Escrituras.
Quais são as causas da “morte do púlpito” no evangelicalismo moderno?

A) Espiritualidade em baixa é igual à pregação sem qualidade.

A pobreza das pregações é evidente nesses últimos dias, pois isso é conseqüência direta da pobreza na vida cristã, pois como dizia Arthur Skevington Wood: “Leva-se uma vida inteira para preparar um sermão, porque é necessária uma vida inteira
para preparar um homem de Deus”. Enquanto a espiritualidade da Igreja estiver em baixa, a pregação, por mais espiritual que ela pareça ser, não passará de palavras jogada ao vento. Não basta uma pregação erudita, mas a erudição deve ser acompanhada de contrição, humildade e oração, pois bem escreveu E. M. Bounds: “Dedique-se ao estudo da santidade de vida universal. Sua utilidade depende disso. Seus sermões duram não mais do que uma ou duas horas; sua vida prega a semana inteira.”
Hoje existem muitas igrejas que oram “bastante”, são campanhas atrás de campanhas, mas essas orações não passam de busca “dos próprios deleites” ou de “determinações” de bênçãos. Ora, a oração sem a busca da face de Deus é uma característica do evangelicalismo contemporâneo. Uma igreja que ora errado, logo terá pregadores pobres.

B) A falta de preparo para pregar.

Erudição, esmero e homilética não são inimigos da espiritualidade. Um mito vigente na igreja brasileira é que quem se prepara muito para pregar, terá uma pregação “não ungida”. Isso é mera desculpa de pregador preguiçoso. Você, leitor, já deve ter visto alguém dizer: - “Quando cheguei aqui não sabia o que ia pregar, mas assim que subi nesse altar o Espírito Santo me revelou outra Palavra” ou “Eu não preparo pregação, o Espírito de Deus me revela”... São frases irresponsáveis e brincam com o Espírito Santo, atribuindo a Ele sua preguiça de passar várias horas em estudo e oração para pregar a Palavra.
Hoje, pregar com esboço em papel é quase um pecado em muitas igrejas; alguns olham com “cara feia” para os que levam algo escrito em sua homilia. Será que não sabem que um dos sermões mais impactantes da história, foi literalmente lido pelo pregador. Esse sermão era “Pecadores na mão de um Deus irado”, que Jonathan Edwards pregou em 08 de Julho de 1741 na capela de Enfield. O biógrafo de Edwards, J. Wilbur Chapman , relatou:

Edwards segurava o manuscrito tão perto dos olhos, que os ouvintes não podiam ver-lhe o rosto. Porém, com a continuação da leitura, o grande audi­tório ficou abalado. Um homem correu para a frente, cla­mando: Sr. Edwards, tenha compaixão! Outros se agarra­ram aos bancos, pensando que iam cair no Inferno. Vi as colunas que eles abraçaram para se firmarem, pensando que o Juízo Final havia chegado.[
1]

C) Ter uma visão pragmática sobre a pregação.

Para muitos, uma pregação só é válida se houver resultados. As pessoas não querem saber se o conteúdo da pregação é biblico ou herético, mas preferem esperar pelos resultados propagados pelo pregador. A primeira motivação dos pragmáticos é buscar a praticidade, portanto o pragmatismo é casado com o imediatismo, onde tudo tem quer ser aqui e agora.
O conceito de pregação “ungida” é bem pragmática, pois para boa parte da comunidade evangélica, a boa pregação tem que envolver o emocional, nesse contexto nasce frases do tipo “crente que não faz barulho está com defeito de fabricação”. Se não houver choro, gritos, pulos ou outras manifestações “espirituais”, a pregação perde o seu valor para aos cristãos atuais.
Pregadores pragmáticos gostam de ver seus ouvintes interagindo exageradamente no culto. É constante dos pregadores mandarem as pessoas glorificarem e até falar em línguas. Nesses cultos a justificativa para essas ordens é que “quando a glória da Igreja sobe, a glória do céu desce”. Não há respaldo bíblico para esse tipo de pensamento que é passado como algo bíblico. A emoção e as experiências fazem parte da vida cristã, mas não devem normatizar a liturgia ou direcionar os crentes, pois os verdadeiros cristãos tem a Palavra de Deus, e somente Ela, como regra de fé e prática.

D) Pastor-professor X pregador-ator

Eis o dilema existente no evangelicalismo moderno. O pastor-mestre foi substituído pelo pregador-carismático-ator. O mestre que orientava a sua congregação nas Sagradas Letras, sendo um homem de estudos e contemplativo, era característico de piedosos servos de Deus, como Charles Spurgeon, Jonathan Edwards, D. L. Moody etc.
O púlpito tem sido morto pelo estrelismo de pastores-atores, que confundem a plataforma da igreja com um palco para entretenimento, são pessoas que pregam o que a congregação quer ouvir e fazem de seus carismas uma imposição de sua pessoa. Quem estuda a história da igreja, verá que os piedosos servos de Deus, da Reforma as Grande Despertamento do século 18, eram homens de grande interesse pela pregação expositiva, onde o texto fala por si só. A partir do século 19, os sermões são cada vez mais temáticos e os pregadores mais articulados no estrelismo.
O Movimento Pentecostal peca, e gravemente, em não valorizar os sermões bem preparados e articulados, ungidos pelo Espírito Santo, para edificação da congregação. Em uma piedade aparente, muito exaltam a ignorância como virtude, justificando os sermões artificiais, sem profundidade e recheados de chicles, modismos e até heresias.

Referência Bibliográfica:


1. BOYER, Orlando. Heróis da Fé. 15 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, p. 03.

Leia mais:

Pregue a Palavra
http://teologiapentecostal.blogspot.com/2007/10/pregue-palavra.html

Cuidado com os animadores de auditório!http://teologiapentecostal.blogspot.com/2008/01/cuidado-com-os-animadores-de-auditrio.html

26 comentários:

Zwinglio Rodrigues disse...

Gutierres, por incrível que pareça, mais uma vez concordamos -rsrrs-.

Agora, me diga uma coisa:

Qual diferença entre pregar e ensinar?!!

Abraços!!!

Daladier Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rodrigo de Aquino disse...

Carta de John Wesley a John Trembath (17/08/1760)
"O que tem prejudicado a sua vida no passado e lamento dizer, até hoje, é a sua negligência quanto à leitura. Negligência tal que por sua vez chega a prejudicar até o próprio desejo de ler.
Dificilmente me recordo de um pregador que leia tão pouco. Eis a razão porque seu talento em pregar não aumenta. Você continua pregando como pregava há sete anos; com emoção, porém sem profundidade. Falta variedade e conteúdo. A leitura poderá preencher estas lacunas com meditação e oração diária. Você prejudica a si mesmo em omitir tal prática. Desprezo à leitura impede alguém de ser um pregador maduro. Até para ser um cristão íntegro é mister a leitura adequada. Oxalá que começasse logo!
Separe uma parte do dia para este exercício. Assim adquirirá o sabor por aquilo que faltava; o que parece monótono no início se tornará com o tempo um prazer.
Com ou sem disposição leia e ore diariamente. É para a sua própria vida; não existe outro caminho.
Faltando isso será para sempre um pregador superficial.
(http://www.ltprogram.com/cartawesley.pdf)

Não posso afirmar se foi realmente Wesley que redigiu essa carta, no momento isso não importa. O fato é que estamos diante de uma verdade. Meu professor Euler Westphal sempre dizia: "Vocês tem que ler, querem aprender leiam sempre e com sabedoria, pois não existe outro jeito"
Acredito que não preciso escrever muito, "Wesley" já disse tudo!

Rodrigo
Copiazinhas nojentas de si mesmo, leia em: www.ocioteologico.blogspot.com

james disse...

Realmente é isto que está acontecendo na grande maioria do púlpitos ASSEMBLEIANOS, cheios de sepulcros caiados, a sabedoria humana está matando os púlpitos, não há lugar para humilde...

esta 'morte' vem principalmente, com posição como a do profeta (??????????) Daladier, que defende as pastoras, as presbiteras, as bispas, as diaconas...

a situação dos púlpitos assembleianos é caótica, e querem piorar ainda mais...

João Paulo Mendes disse...

Amado irmão Gutierres,

É triste ter que concordadar com essa verdade, o carisma de muitos pastores os levam a ter uma certa intimidade com a igreja e em muitos momentos se perderem dentro do sermão fazendo gracejos para o povo, passam algum tempo contando "causos' para animar a platéia.Os crentes que prezam pela Palavra são tidos como os que se acham mais santos, que criticam tudo e tal,isso no meio onde não se da o devido valor à Palavra. Infelizmente ouvi na última semana, novamente, aquela alegoria que se faz em torno dos três dias que Jesus passou "morto", a igreja se empolgava ao ouvir sobre a festa no inferno, os passos retumbantes de Jesus, a tomada das chaves da mão do diabo...
Realmente são poucos os crentes nobres na atualidade, pois o que nos torna nobres não é a grande bagagem teológica ou uma "elevada" espiritualidade, o que nos torna é obsevar em todo tempo, independente do pregador ou ensinador, o que está registrado na Palavra Deus e confrontarmos o que ouvimos com Ela.
"Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim." At 17.11

Em Cristo
www.joaopaulo-mendes.blogspot.com

Pedro Negret disse...

A Paz do Senhor Gutierres!
Estou sumido, mas a poucos dias me atualizei aqui nos post do blog!
Continua muito bom! Você está de parabéns!
Que tal uma abordagem sobre o movimento de Batalha Espiritual?!
Fica ai a sugestão!
Grande Abraço!

Pedro Negret

Victor Leonardo Barbosa disse...

Olá Gutierres, aproveito para dar, além dos parabéns, uma sugestão)ssim comoo Pedo Negret) de você falar sobre a literatura que os pentecostais têem lido ultimamente. Fica registrada minha sugestão...
Abraços...

Thais Barrinha disse...

Meu comentário tem três fins:
1º- Parabenizar-lhe, Profº Gutierres, por mais um post excelente, onde, com grande tristeza, concordo em tudo, deixando claro o anseio de ver esse quandro revertido (ou pelo menos, revertendo-se);
2º-Reforçar o pedido do irmão Victor Leonardo, que lhe dá a idéia de postar um texto quanto a atual leitura dos pentecostais, sua qualidade e procedência (junto a forma com que os mesmos tem recebido as informações contidas nos livros)... creio que isso exigiria pesquisas! Mas seria interessante!
3º e último fim: questionar a finalidade aqui do "Cantinho dos Comentários" (Z.L.J), pois, ao invés de encontrar somente comentários sobre os textos e sua qualidade, tenho notado uma certa hostilidade entre os leitores do BTP, o que me deixa até assustada! Debater sim! Mas, dabatamos de modo saldável (e até edificante), em paz! Saber usar a democracia é uma virtude!

Abraços!
Fique(m) na Santa Paz!

Daladier Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daladier Lima disse...

Prezada Thaís, quem não sabe debater idéias ataca pessoas. Comportamentos assim não me assustam, pois podem vir de pessoas destacadas no cenário nacional, como aconteceu num blog recentemente.

Infelizmente, tais pessoas são incapazes de responder adequadamente quando contraditadas. É o caso do artigo em pauta. Acredite, há pastores que discordam, mesmo dando palha seca para seus ouvintes, ou apenas "declarando" bençãos sobre suas congregações.

Quando estudava na ESTEADEB em Recife/PE, eu afirmava que os púlpitos estariam vazios da Palavra de Deus e cheios de conjecturas, é o que vemos em boa parte das igrejas.

Quanto ao ministério feminino, escrevi um texto que sugiro lerem. Se uma pessoa não for capaz de entender aquela paródia, então...

james disse...

Ah! Desculpem, achei que este espaço era democrático, aliás, o que é democracia????

Todos têm o direito de expressar sua opinião...

Se este espaço é só para elogiar o Gutierres, 19 anos, elogiaremos o que??????? Realmente, deve-se postar comentários edificantes, então o primeiro a fazer isto deve ser o dono do blog, o professor, 19 anos!

Ao profeta (??????) Daladier, continuo fazendo-lhe a mesma pergunta (até então sem resposta) sobre sua defesa ao ministério feminino:

Qual o seu entendimento sobre os versículos – 1Timóteo 3.1-2 “Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado,... seja irrepreensível, MARIDO DE UMA MULHER,...” e Tito 1.5-6 “... estabelecesses presbíteros,... irrepreensível, MARIDO DE UMA MULHER,...”????

Tenho certeza que para a obra de Deus não existe paródias, mas sim, VERDADES...

Gutierres Siqueira, 19 anos disse...

A paz do Senhor a todos...

Pastor Zwinglio,
É bom ver que concordamos em algumas coisas, rs rs rs. Há diferença entre pregar e ensinar? Sim, há diferenças, mas essas diferenças estão na metodologia, pois o ensino exige-se práticas pedagógicas mais rígidas, para o melhor proveito do ouvinte, que não é um receptor meramente passivo. O melhor é que as pregações se aproximem a cada dia do ensinar, pois assim era a pregação de Jesus.

Daladier Lima,
Infelizmente a sua “profecia” está se cumprindo a cada dia. O desprezo pela Palavra de Deus nos púlpitos passa despercebido por aqueles que acham legal as “pregações” dos animadores de auditório. Continue participando.


Rodrigo Aquino,
Essa carta de John Wesley deveria ser lida em nossas convenções, pois o desprezo pela leitura é uma das causas da “morte do púlpito”. Os pregadores de hoje lêem pouco e quando lêem é aquela tropa de carismáticos norte-americanos recheados dos modismos mercantilistas.
Continue participando irmão Aquino e parabéns pelo Blog.

James,
Você tem liberdade de expressão nesse espaço, mas não a liberdade de ofender alguém (como fez com o irmão Daladier). Esse espaço não foi feito para me elogiar, pois quem conhece esse blog, sabe que já li muitas críticas. Use esse espaço para comentários sábios e edificantes, mesmo que seja uma crítica. Lembrando que o assunto em questão é a “morte do púlpito”, o desprezo da genuína pregação e não se mulher pode ou não poder ser ordenada ao ministério pastoral.

João Paulo Mendes,
Infelizmente o que você ouviu se tornou lugar comum. É grande a capacidade dos pregadores contemporâneos reproduzirem clichês que ouvem dos seus ídolos. A igreja da Beréia era mui nobre pelo seu cuidado com que ouvia, mas hoje a nobreza é cada vez mais rara. Continue participando.

Pedro Negret,
Estavas sumido, mas obrigado por mais uma participação. Sua sugestão é bem-vinda e estarei escrevendo sobre esse assunto em breve.

Victor Leonardo Barbosa,
Outra sugestão muito boa, um assunto interessante para ser aqui tratada. Em breve vou postar um texto sobre as características e qualidades da leitura dos pentecostais.

Thais Barrinha,
Obrigado por sua participação. Lembrando que esse espaço aceita opiniões contrárias das expostas nesse blog, mas normalmente essas opiniões vêm recheadas de ódio e incoerência com o que expõem. Lembrando que todos podem opinar, mas respeitando a opinião alheia.
Espero, como você, que esse quadro seja revertido, mas enquanto as próprias lideranças de nossas igrejas não tomarem conta da gravidade da homilia que temos ouvido, isso nos levará para o caos.

EBQRECIFE disse...

Olá Gutierres, Paz!
Parabéns por sua postagem, bastante relevante para nós.
Lembro que Isaltino Gomes, como outros, já nos alertava sobre a pobreza dos púlpitos brasileiros na Vox Scripturae em 1994 (Reflexões Sobre o Púlpito Brasileiro, Vol IV, Nº 1). Naquela época constatava: “Surpreende-nos a preguiça.”
É duro saber que muitos cristãos dependem dos sermões dos pregadores de suas comunidades e saber que encontramos tais problemas. Somos impactados pelos “papagaios teológicos” (Jésus Gonçalves, em O Púlpito Criativo)

Permita-me fazer algumas observações:

A) Quanto à espiritualidade, lembremos do perigo que ela (a pseudoespiritualidade) pode trazer. Muitos alegando certa espiritualidade não podem ver seus Sermões questionados (o questionamento que traz crescimento). Por terem tal comunhão com Deus suas palavras não podem ser criticadas, elas são palavras do próprio Deus(?). Decorrente desse estado de “ligação direta com Deus”, também não são adeptos da auto-avaliação, pois se assim fizerem estarão avaliando o próprio Deus.

B) Quanto ao mito na igreja brasileira, lembremos que ele encontrou solo fértil nas denominações pentecostais. O que tem mudado muito em nossos dias, graças a Deus e a homens que, mesmo sendo alvo de criticas por outros pregadores pentecostais, não abriram mão de um bom preparo anterior à pregação, pois entendem que o momento do sermão é muito importante para ser deixado ao acaso. Vejo aqui até uma questão de inocência lógica: se o Espírito Santo concede uma grande mensagem em alguns minutos anterior à pregação, quão grandiosa será a mensagem concedida com as horas de preparação anterior.

C) Você diz que “Para muitos, uma pregação só é válida se houver resultados”. Para mim, a pregação bíblica precisa ter resultados. Não resultados manipulados pelo pregador. Mas resultado de transformação de vida. A Bíblia de Estudo Pentecostal nos alerta quanto a isso na nota de 1Tm 1.5 “o alvo supremo de toda instrução da Palavra de Deus não é o conhecimento bíblico em si mesmo, mas a transformação [resultado] moral interior da pessoa...” (pg 1864)
Acredito que a própria Bíblia requer uma mudança de atitude (resultado) daquele que a ouve.

D) Realmente não deveremos pregar o que as pessoas querem ouvir. Contudo, concordo com o alerta de Ney Ladeia: “... a preocupação com o ouvinte não tem estado presente na pregação cristã ao longo dos séculos. Mas o clamor pós-moderno pela “satisfação do cliente” tem sido útil ao chamar a atenção para aquele que recebe a mensagem, como alguém não apenas necessário ao processo, mas como alvo último do trabalho do pregador.” (Pregação e Hermenêutica: uma mensagem antiga em um mundo pós-moderno, Colóquio no Seminário Teológico Batista do Norte do Brasil. Não lembro o ano. Tenho o impresso).
Vejo esse ponto como corolário do anterior. A mensagem bíblica deve trazer mudança na vida das pessoas, para que essa necessidade seja perceptível ao ouvinte, ela tem que ser relevante para SEU mundo atual.

Acredito que as observações não são correções (não é meu alvo e não tenho autoridade para tal). Pelo exposto no seu texto, compreendo que você também possa concordar com elas.

Celson Coêlho
http://www.ebqrecife.blogspot.com/

james disse...

Uma coisa é muito interessante neste blog: DIZER A VERDADE OFENDE!

Não escrevo para ofender ninguém, existe a liberdade de expressão através da legislação brasileira, é lei... e se você abre este espaço...

E se há a morte do púlpito, tenho certeza que ela vem através de aberturas como a que o Daladier está pregando, que é o ministério feminino, e isto, Gutierres, com certeza está relacionado com o
tema aqui proposto: MORTE DO PÚLPITO, pois, onde uma pastora do Daladier irá subir, se não em um púlpito???

Aliás, mostre-me a ofensa!!!!!

Zwinglio Rodrigues disse...

Thaís,

Preciso dizer-lhe que prefiro a discordância porque ela causa desequílibrios que proporcionam -dependendo dos interlocutores, é claro - convergências.

Ademais, é feio chamar as pessoas por Z. L. J., viu T?

Ou, desculpe-me!!! Viu Thaís?!!!

Daladier Lima disse...

James, já que você se referiu diretamente a mim, e para redirecionar o debate, as mulheres estão pregando muito bem, tenho visto excelentes expositoras em áreas áridas da Palavra de Deus.

Se você não as vê pregar é porque, talvez, não frequente congressos da CPAD (CAPED e etc), nem franqueie a oportunidade a elas na sua congregação. E isso acontece não por serem melhores do que os homens, mas por uma razão interessante: estão muito mais preocupadas em orar.

Veja só, nós estamos discutindo se elas podem fazer algo que arrogamos para nós, enquanto elas não estão nem aí, estão se colocando à disposição do Senhor? Pois é o que está fazendo neste momento (sexta, 09:30h) minha dirigente do Círculo de Oração, em Abreu e Lima/PE!

james disse...

Atenção senhores...

Gutierres: Fui acusado por você de ofender ao Daladier, qual a ofensa???

Daladier: Mulheres se colocando à disposição do Senhor é no mínimo gratidão à Deus e traz alegria a alma, principalmente a uma dirigente do Círculo de Oração, mas mulheres pastoras dirigentes de congregação é outra coisa...
mas afinal, qual é o seu entendimento sobre os versículos – 1Timóteo 3.1-2 “Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado,... seja irrepreensível, MARIDO DE UMA MULHER,...”
e Tito 1.5-6 “... estabelecesses presbíteros,... irrepreensível, MARIDO DE UMA MULHER,...”????

Daladier Lima disse...

Prezado James, me sinto chateado em abordar este assunto aqui, mas somente para encerrar o debate sobre ministério feminino, cujos aspectos que eu defendo já reafirmei várias vezes em meus posts no meu blog ou em outros blogs. Nas passagens citadas Paulo estava realçando as características do líder ideal, segundo seu modus vivendi. Ou seja, ele se dirigia a homens. Muitos dos quais egressos do rabinato, onde mulheres não tinham vez, sequer eram instruídas na Torá.

Assim como (e eu não sei se você leu este post específico), há várias menções na Bíblia aos levitas como "eternos" líderes do louvor. Eu duvido que você quebre os CDs de mulheres que possua. Além disso, provavelmente há mulheres na sua igreja ensinando música, regendo corais e vocais, liderando, enfim, no lugar dos homens.

Outra analogia: a Bíblia não proíbe cocaína. Por que? Não existia. Assim como maconha, cachaça, e um milhão de outras coisas. Deveríamos fazê-las?

Usando seu próprio "veneno", cumpra três outras ordens paulinas:
1) Cale todas as mulheres da sua igreja (I Co 14:34);
2) Não permite que quaisquer mulher ensine em sua igreja, da EBD á pregação dominical. Isso também é ensino, sabia? (I Tm 2:12);
3) Pratique o ósculo (I Co 16:20).

Daladier Lima disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
james disse...

É Daladier, sua fala nos traz a meditarmos sobre a necessidade de se CONVERTER a Deus e não se CONVENCER, segundo o que Jesus disse a Pedro “... e tu, quando de converteres,...” (Lucas 22.32)...

Não se sinta “chateado”, você quer chamar a atenção para si, aliás, vocês aqui neste espaço gostam de somente ser as suas falas as verdades, gostam que seja comentado somente o que vocês gostam, mas tenho certeza de que quando se aborda sobre Deus, deve-se falar e ouvir o que é de Deus, e não dos homens como aqui muito se lê...

Não estou desviando o assunto “Morte do Púlpito”, pois, se há esta ‘morte' deve-se entender que um dos motivos é a liberação de tal espaço para qualquer um, para qualquer que tenha dinheiro ou canudo acadêmico, bem como, a liberação de mulheres à direção de igrejas...

Você afirma que Paulo REALÇOU as CARACTERÍSTICAS DO LÍDER IDEAL, qual seja, irrepreensível, MARIDO DE UMA MULHER, por quê?? Porque é como Deus assim o quer... não por ele (Paulo) ser machão, tenho certeza que devemos ser racionais na obra de Deus, e, se Deus assim o quer...
a não ser que você é contrário a tudo o que Paulo escreveu e assim quer porque quer colocar mulheres à frente das igrejas...

Ah!! Sobre os CD’s de mulheres, como já lhe afirmei por 2 vezes, NÃO POSSUO CD’S DE MULHERES, por que não gosto de música gospel e de nada que é cantado por aí, vivi fazendo o que não agrada a Deus por 43 anos, agora o que faço é LOUVAR A DEUS, e não é com CD’s que por aí estão que se louva a Deus, é com um coração sincero, com um cântico novo: “Cantai-lhe um cântico novo;...” (Salmos 33.3), pois, o que temos ouvido nestes CD’s que você tanto fala, assim diz o Senhor “Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos; porque não ouvirei as melodias das tuas violas.” (Am 5.23)...

Ainda, com certeza, na igreja que congrego (veja bem, NA IGREJA QUE CONGREGO) e não na ‘minha’, (pois, tenho a certeza que participo da Igreja de Cristo), não há mulheres ensinando música, regendo corais e vocais, liderando, enfim, no lugar dos homens... com certeza isto que você afirma e defende existe nas igrejas onde dão lugar as falas de homens e aos seus conhecimentos...

Finalmente, gostaria de lembrar ao Gutierres que ele me acusou, e eu gostaria de saber qual foi a ofensa???

james disse...

Daladier, já estava esquecendo, você afirmou que usei veneno quando lhe questionei sobre 1Timóteo e Tito, veja bem, isto não é 'veneno' isto é 'antídoto' para o bom entendimento...

tenho certeza em Cristo Jesus que a Palavra de Deus nos cura e não nos envenena...

Dionatan disse...

Olá.. parabens pelos textos.. excelentes

Gostaria de indicar um de meus posts...

http://www.direcao.net/wordpress/?p=283

Um grande abraço

Dionatan
www.direcao.net

Ivan Tadeu Panicio Junior disse...

Paz Gutierres!
Gostei do seu Blog.
E em especial deste post.
Estas verdades precisam ser ditas, para desmascarar estes animadores de platéia.

Já lhe adicionei nos links que recomendo. Ficarei feliz com sua visita.

Até o proximo post

Pb. Ivan Tadeu
www.ivantadeu.blogspot.com

Anônimo disse...

Irmão Gutierres,
Graça e Paz de nosso Senhor
Concordo plenamente com tudo o que tu disseste. Sabe, tu falaste exatamanete o que tenho visto, "altar de levitas e pregadores do 'fogo'" ao invés da tribuna onde se prega fielmente a Palavra de Deus. Bom saber que um pentecostal como eu também pensa assim, e ainda da minha idade!
Deus te abencoe, meu querido irmão, e o ajude nesta tarefa difícil que tu, com coragem, a exerce neste blog! Estaremos orando por ti!
Felipe Costa Xavier

Francivaldo Jacinto disse...

Caro Gutierres,
A paz do Senhor!

É muito lamentável o que vem ocorrendo nos púlpitos das igrejas.
A cada dia surge malabaristas em nosso meio.
Realmente estamos vivendo dias trabalhosos.

francivaldojacinto.blogspot.com

Anônimo disse...

NAO DA PARA ENTENDER AS PALAVRAS DO APOSTOLOS SEM TER O ESPIRIO SANTO, QUE ESTAVA SOBRE OS APOSTOLOS. O ESPIRITUAL DISCERNE BEM TUDO, E ELE DE NINGUEM E DISCERNIDO(1CO:2:15). A LETRA MATA, MAS O ESPIRITO VIVIFICA(2CO:3:6...), TODO MUNDO ARGUMENTA BEM A BIBLIA, OS ADVENTISTAS, AS TESTEMUNHA DE JEOVA... A PONTO DE CONVENCER ALGUEM, EM FIM, DENTRO DE UM RACIOCINIO HUMANO E MATERIAL ESTA CORRETO, MAS E ESPIRITUALMENTE, E AÊ? SOMENTE DEUS PODE DIZER O QUE É CERTO E ERRADO, O ARREBATAMENTO DIRÁ ISSO. ANTES DE VOCE DISCORDA DE QUALQUER COISA ARGUMENTANDO NA BIBLIA, ORE E PERGUNTE PARA DEUS. NAO LEIA A BIBLIA PARA SUA PERDIÇÃO, POIS DEUS SE OCUTA DOS SABIOS E ENTENDIDOS, E REVELA-SE AOS PEQUENINOS (MT:11:25)