domingo, 24 de agosto de 2008

Evangélicos e política Parte 01

Mas se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor lhe seria amarrar uma pedra de moinho no pescoço e se afogar nas profundezas do mar”? Jesus em Mateus 18.6.

O que os “anões do orçamento”, “mensalão” e os “sanguessugas” têm em comum? Em primeiro lugar, eram escândalos de corrupção envolvendo os nobres deputados desse país. Em segundo lugar, em todos esses casos havia políticos evangélicos envolvidos. Os evangélicos e a política construíram um casamento conturbado, que demorou sair e quando saiu... Corrupção, escândalos, denúncias até de assassinatos; muitas foram e ainda são as denúncias envolvendo o prefeito-pastor, o deputado-bispo, o vereador-apóstolo etc. Então, qual deve ser a relação dos cristãos com a política?

Os apolíticos e seus equívocos

Em um passado recente, os evangélicos, principalmente os pentecostais, apresentavam uma forte aversão pela política; eram apolíticos, pois segundo o equivocado maniqueísmo, política era coisa do diabo e seus demônios. Poucos evangélicos se atreviam a se envolver em política, sendo que esse quadro só veio a mudar em meados da década de 1980. O cientista político e bispo anglicano-evangelical Robinson Cavalcanti, assim define os apolíticos:

O termo “apolítico” pode ser traduzido como: apartidário, não engajado, alienado. Ser “apolítico” não é deixar de tomar posição. Ser “apolítico” já é uma posição em si. Uma posição para fora. A omissão é um voto, permanente e reiterado, em favor ou contrário a medidas, governantes, partidos ou regimes. O voto por omissão é tão responsável, tão culpado quanto o voto consciente. [1]

A posição apolítica, sendo indiferente quanto às medidas governamentais para o país não é uma posição saudável para os evangélicos. Poucas são as igrejas que mantém tal posição, sendo o problema superado pelo avanço na maioria das denominações. Os equívocos e escândalos pelos políticos ditos evangélicos não devem levar a comunidade cristã para o retrocesso dessa posição.

Políticos cristãos e o triunfalismo messiânico

Passada a fase apolítica dos evangélicos brasileiros, os mesmos entraram em outro extremo: o triunfalismo messiânico. Junto com chavões “O Brasil é do Senhor Jesus”, os evangélicos começaram a pregar que tendo crentes nos cargos políticos o Brasil seria transformado. Ledo engano! Essa posição talvez tenha trazido mais prejuízos do que os apolíticos.
Uma frase que saia dos púlpitos por pastores politiqueiros era “irmão vota em irmão”. Nesse período, muitas pessoas despreparadas entraram na política com apoio de igrejas e ganharam as eleições para não fazer nada.
Um grande problema nos políticos evangélicos é a falta da construção de uma cosmovisão cristã aplicada à política. Muitos são motivados para o engajamento político pela mesma motivação dos demais candidatos: dinheiro, poder e honra pessoal. Não fazem a diferença, envolvem-se nos mesmos processos sujos da bancada. Quais e quantos evangélicos tiveram na frente de denunciar corrupção e presidir alguma CPI? Pouquíssimos!

Ativismo político não é tudo

A cultura não é reflexo da política, mas o contrário. O nepotismo é uma prática antiética, mas está enraizada na cultura brasileira. Ora, os políticos são reflexos das imperfeições e virtudes culturais. Nesse estado, a primeira preocupação dos cristãos deve ser de restaurar a cultura e, nesse caso, o processo político é coadjuvante.
Se as igrejas estão realmente interessadas em transformar a sociedade, não devem apelar diretamente ou somente para a política, pois as demais áreas com educação, artes, música popular etc., necessitam de representação cristã. A moralidade do país não será transformada pela ocupação das cadeiras do congresso por líderes religiosos. Nancy Pearcey observa:

O trabalho mais eficaz... é feito por cristãos comuns, cumprindo o chamado de Deus para reformar a cultura em suas esferas locais de influência – famílias, igrejas, escolas, bairros, lugares de trabalho, organizações profissionais e instituições cívicas. Para efetuar mudanças duradouras... precisamos desenvolver uma cosmovisão cristã. [2]

Portanto, a política partidária não é tudo e nem o mais importante papel que os cristãos podem exercer na sociedade, principalmente no Brasil, onde os políticos não gozam de nenhuma credibilidade.

O caciquismo e as manobras políticas

O conglomerado de denominações pentecostais dominadas por líderes carismáticos incontestáveis e com grande concentração de poder criou verdadeiros “caciques”. O sociólogo, pertencente à Assembléia de Deus Betesda, Gedeon Alencar, assim escreve sobre o caciquismo na principal denominação pentecostal do país:

Na Assembléia de Deus, foi o “purismo” de Emílio Conde e o “nacionalismo” de Macalão que impediram-na de ter atuação política e estabelecer uma estrutura eclesiástica nacional, possibilitando o surgimento do “caciquismo”, ocasionando o seu esfacelamento nos chamados “Ministérios”[3].

Os caciques normalmente estabelecem aos seus pastores subordinados o apoio irrestrito a um candidato. Os caciques são intolerantes, pois se seus subordinados não apoiarem seus candidatos, logo são taxados com rebeldes e desobedientes. A prática política do caciquismo é tipicamente arbitrária, desastrada e prejudicial para a saúde local das igrejas. Em muitas congregações é possível ver fotos de candidatos ou até distribuição de santinhos durante o culto (pasmem, mas o autor desse texto viu tal cena há poucos dias).
O caciquismo é a típica influência maléfica da cultura brasileira sobre o pentecostalismo autóctone, sendo um mundanismo puro!

Continua...


Referências Bibliográficas:

01. CAVALCANTI, Robinson. Cristianismo e Política. Viçosa: Ultimato, 2002, p. 20.
02. PEARCEY, Nancy. Verdade Absoluta. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 21.
03. ALENCAR, Gedeon. Protestantismo Tupiniquim. São Paulo: Arte Editorial, 2005, p. 95.

20 comentários:

Talita Cristina M.Santos disse...

Muuuuuuuuuuito bom o texto acho que fui a primeira pessoa a ler, acho realmente importante ressaltar a questão de politicagem na igreja, já sofremas promessas não cumpridas por um tal canditado chamado Adilson Rossi em que houve uma situação muito errada, onde o voto foi vendido por uma promessa e como sempre a promessa não foi cumprida, acho também que deve ter uma conscientização politica e instrução para os amados irmaos da igreja, contra os caçiques e os apoliticos mas a favor da informação consciente!!!
paz amado

Junior disse...

Bela explanação Gutierres!

Abordagem clara e sucinta sobre os principais temas que permeiam a política brasileira.
Aguardarei ansioso as seguintes partes deste post.

No amor de Cristo
Junior

Marcus A. Barbosa disse...

Caro Gutierres,

Faz algum tempo que não deixo comentário aqui! É importande sua explanação reflexiva sobre a política. Acredito em uma igreja politizada e não política.

Parabéns!

Se possível dê uma passada lá no blog: marcusbarbosa.blogspot.com e vote na enquete sobre pstores e a política!

Graça e paz, da parte de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo!

celebraii disse...

Olá Adicionei o seu blo na minha lista, se lhe interessar me adicione!
PAZ!

Marcos Vieira disse...

Gutierres,

Parabéns pelo post e pelo tema. Há alguns anos, a extinta Associação Evangélica Brasileira, elaborou o "Decálogo do Voto Ético".(É só pesquisar na Net que vc o encontra) Nele estava escrito, dentre outras coisas, que os líderes evangélicos NÃO têm o direito de manipular o voto de seus fiéis. Isso causou furor nos "coronéis" evangélicos da época e inicou o processo de implosão da referida associação. Mas o documento resistiu ao tempo e é tão válido hoje como o era há 10 anos passados. Abs.

Anchieta Campos disse...

Caro irmão e amigo Gutierres, a paz do Senhor.

Ótima produção, como sempre em seus escritos.

Sou testemunha viva e ocular dos males que ocorrem quando um líder (pastor) entra de corpo e alma no meio político. O meu pastor é vice-prefeito da minha cidade e não entregou a liderança da igreja (creio que fato raro nas Assembléias de Deus no Brasil); vieram escândalos e mais escândalos motivados por condutas nada éticas da parte dele, onde somos obrigados a escutar verdades de pessoas ímpias e de outras denominações, o que independe da orientação política. Muitos, mas muitos prejuízos mesmo ocorreram e estão ocorrendo em nosso meio. É lamentável! Como diria Paulo aos crentes de Corinto em relação a certo tipo de fornicação que nem no mundo havia (1 Co 5): está de 1 a 0 para o mundo! Triste mesmo!

Depois deste meu relato, só me resta repetir que concordo com todos os pensamentos explanados neste artigo, onde se apresenta, como nos demais artigos de sua autoria, a moderação bíblica. Parabéns!

Abraços fraternos!

Anchieta Campos

Jefferson disse...

A política é sem dúvida um meio MUITO corrompido no Brasil, mas precisamos de homens de Deus em quase todos os setores desse mundo...afinal, somos a luz que incomoda as trevas e temos que fazer tudo que é o possível para o Reino de Deus.

O Problema são os "homens de Deus" que conseguem se eleger e não fazem diferença nenhuma lá...As vezes até que o sujeito eleito é bem intencionado, só que não entende nada de politica, não sabe o que fazer e ainda esquece que Deus que fez a boca do homem e se amedronta diante dos gigantes.

Gostei bastante da matéria, é um assunto importante e que merece reflexões!

(-V-) disse...

Paz Gutierres.

Ótimo texto. Mas sinceramente eu penso que se estivéssemos mais ocupados em buscar a Deus em oração, jejum e leitura bíblica e alcançar o perdido e menos com coisas secundárias, íamos saber o que significa avivamento.

Como Ravenhill diz:
"Esse mundo lá fora não está esperando uma nova definição de Cristianismo, está esperando uma nova demonstração de Cristianismo.”

“A Igreja costumava ser um barco resgatando os que perecem. Agora, ela é um cruzeiro recrutando o promissor.”

"Você pode ter todas as suas doutrinas de forma correta, muito embora ainda não tenha a presença de Deus.”

Falta pagarmos o preço. Algo que confesso que ainda me falta.

No Amor e na Verdade que nos une,
Vini
http://br.youtube.com/7vini
http://7vini.blogspot.com

Rodrigo de Aquino disse...

Caro irmão,

boa reflexão, estava pensando em escrever algo a respeito, mas aguardo a segunda parte de sua explanação!

Na minha opinião, não existe pastor-prefeito, pastor-vereador, pastor-qq coisa política! Como fica o chamado que um dia esse pastor disse que um dia teve para cuidar das ovelhas do Senhor? cade aquela chama de ser instrumento de Deus no meio da congregação? pq querer ser político? ser pastor não basta? não é o suficiente para ser relevante no reino de Deus?

Creio que a igreja deve ter sim representantes em Brasília, não para arrumar as "kakas" que fazemos ou nos colocar na frente da fila, mas para ser sal e luz, simplesmente isso!

Mas não é o que temos visto!
o assunto nao para...

paz

rodrigo

Ednaldo disse...

A Paz Gutierres,

"Isso é intriga da oposição", certamente este post é parte de um conto ficticio não é? Politicos e politicagem evangélica? Como diria padre Quevedo "Isso no ecziste, é una projecion mental"

Brincadeiras a parte, muito bom artigo, e em tempo habil para as proximas eleições.

Em Cristo,

Ednaldo.

urgente gospel disse...

OLá Gutierres,parabéns pelo assunto abordado.Na verdade o meio evangélico, vem sofrendo o que o povo do sertão sofria na época dos coronéis:o famoso "voto de cabresto".Muitos pastores querem obrigar, os crentes votar nos candidadtos da igreja. Apelam para passagens Biblicas isoladas"porás um dos teus irmãos" é o lema.´MAs é bom lembrar que existem falsos irmãos.Alem do mais,não é rebeldia votar em descrentes embora alguns queram dizer que seja.Abração amigo fica na paz de cristo.

Anônimo disse...

boa tarde irmão Gutierres
paz do senhor. vejo que seu blog está tratando de um assunto excelente que bom, mais queria deixar meu ponto de vista aqui. sobre a igreja assembléia de DEUS
campo de igarapava.
por aqui estão fazendo conchavo ate com adulteros. donos de prostibulos. para ganharem fundos para a igreja e construção. e outra eles tem preferencia por candidatos do lado do prefeito. e o prefeito
concedeu alguns beneficios a familia presbiterial. da igreja ou seja do diregente que tem nome de pastor mais ainda falta muito para ser pastor.
inclusive na atitude de homem.
pegaram no pé, de um rapaz que era candidato fizeram ele abandonar a candidatura,ele tinha chance de ser eleito,ele largou a candidatura para apoiar um dono de casa de prostituição,a mando do dirigente a fim de ganhar uma grana e alguns favorzinho do prefeito.
uma coisa que me espanta é que o campo de igarapava é dirigido por uma familia. só que manda e desmanda. no campo e estraga a obra
e fico eu pensando será que não a uma convenção para tratar deste nepotismo. familiar de igreja?
gente vivendo igual rei na custa dos outros, membros da igreja.
e ninguem vem aqui supervisionar nada. AONDE VAMOS PARAR?
e nesta epoca de campanha eleitoral a coisa corre solta
vale tudo só para quem tem dinheiro. alguem ai socorre a assemblÉIA DE DEUS campo de igarapava sp
PRESIDIDA PELA FAMILIA MOREIRA.

QUE DEUS NÓS AJUDE

IRMÃO JEREMIAS ituverava sp
ex membro do campo em buisca de um lugar melhor para servir a cristoe a cauisa do evangelho
por favor se tiver algum irmão pastor lider de conveção de uma passadinha por aqui. ituverava sp. a sede do ministerio fica em igarapava. tá uma vergonha

jeremias

Paulo Adriano Rocha disse...

Paz, chefe, tudo bem?

Rapaz, política já é um caso muito complicado, imagina política evangélica? É um caso sério, pois não se vê esse povo fazendo nada. Só se ouve falar em político evangélico na época das eleições e quando há algum escândalo. Fora isso, ninguém sabe o que esse povo faz além de receber seus altos salários no final do mês.
Como você falou, há outras áreas em que o evangelho deveria ser mais bem representado e é com essas que eu me preocupo, sabe? Especialmente a área de Educação. Quem são os formadores de professores hoje? Temos que Procurar saber, sabe? Nenhum profissional exerce tanta influência hoje quanto o professor e ninguém está se preocupando com isso.
Aqui em PE, até que o Pastor foi legal: não deu apoio a ninguém e deu algumas diretrizes a serem observadas. O ruim é que o restante do ministério (que gosta de ser obedecido pelos membros) tá cheio de desobedientes. Só Deus pra tomar conta desse povo, viu? Oremos pelo nosso País.

Fagnds disse...

Concordo com todo o texto, excelente abordagem> Não basta um homem que se diz de Deus estar preparado paraatuar politicamente. Tem que em primeiro esta preparado espiritualmente. Ele pode quebrar a lainça com os homens, mas terá que responder se quebrar a aliança com Deus..

Daladier Lima disse...

Sugiro a leitura do livro Os votos de Deus: Evangélicos, política e eleições no Brasil, editora Massangana. É um clássico da fisiologia evangélico-partidária e abre os horizontes de como as igrejas foram manipuladas (não há outra palavra mais adequada) para votar e eleger pessoas no Brasil.
Outrossim, resta clara que a intenção principal de tais apoios é o amor ao dinheiro. Essa história de defender a Igreja é conversa para boi dormir. Perdem todos, ganha Satanás.

Eduardo Neves disse...

Convido aos irmãos p/ lerem ao Testemunho: "Mulher, onde estão aqueles teus acusadores?"

Deus os abençoe!
Parabéns pelo belo texto ir. Gutierres!

Eduardo Neves disse...

Graça e Paz;

Solicito orações a irmã em Cristo Ana da Luz; ela se encontra enferma em um leito hospitalar.

Att.
Eduardo Neves

Gutierres Siqueira, 19 anos disse...

Caros,

Agradeço a participação de todos. Fico demasiadamente triste pelos fatos contatos por alguns irmãos nesses comentários... Isso só mostra a necessidade de aprofundarmos no assunto. A contribuição de cada um é muito importante. Convido para que leiam a segunda e última parte e comente. Obrigado!
Obs: Reforço o pedido de oração pela nossa irmã Ana, não a conhecemos, mas sabemos que a mesma necessita do cuidado do SENHOR!

OLHO VIVO disse...

ELEIÇÕES 2010
SUCUPIRA VEM AÍ, E OS ODORICOS TAMBÉM...

Em 2010 os brasileiros irão às urnas para escolherem os políticos que irão ocupar os cargos públicos escolhidos através do voto. São milhares de vagas em disputa entre Governadores, Deputados e Senadores, e a briga promete ser acirrada, afinal todo mundo está de olho na oportunidade de encanar a perna e engordar a conta bancária com um lugarzinho na vida publica. Tá todo mundo de olho na “TETA” para garantir o leite da vaca “POLÍTICA”. Poucos se preocupam com a sua linhagem e mal sabem que sua avó materna é a “PROPINA” e o avô materno o “SUBORNO”, a mãe é a “CORRUPÇÃO” e o seu pai o “NEGÓCIOS ILICITOS”, e que ambos são da linhagem genéticas da “IMORALIDADE”. Também não se preocupam com o local onde irão morar se eleitos, na ”PODRIDÃO” e na “SUJEIRA”; Que se alimentarão do “ESCÂNDALO”, do “NEPOTISMO” e da “IMPUNIDADE”. A única coisa que os atrai são os “LEILÕES DAS NEGOCIATAS”, que como todos sabem, domina o mercado além de serem lucrativos e rentáveis.

Há alguns anos atrás a televisão mostrou um dos maiores sucessos de audiência, uma telenovela que retratava com fidelidade os acontecimentos no meio político. “O BEM AMADO” era um humorístico sustentado na história de ODORICO PARAGUAÇU, um Prefeito prá lã de corrupto, homem que fazia qualquer negócio para se sustentar e manter-se no cargo de uma cidade chamada de SUCUPIRA. O objetivo único e prioritário em sua administração era a inauguração do cemitério local. De um lado, é bajulado pelo secretário gago, Dirceu Borboleta, profundo conhecedor das mariposas; e conta com o apoio incondicional das irmãs Cajazeiras, suas correligionárias e defensoras fervorosas: Dorotéia, Dulcinéia e Judicéia. O titulo de “CORRUPTO” não lhe caia bem, ele estava mil anos á frente daquilo que se pode denominar jogo sujo, era populista e maquiavelicamente o prefeito armava tramas para que alguém morresse para inaugurar o cemitério, sendo sempre mal sucedido.

Com a aproximação das eleições é impossível não lembrarmos desta telenovela, basta uma voltinha pelas ruas e nos deparamos com pessoas com discursos oportunistas que superam em muito aqueles feito pelo famoso ODORICO PARAGUAÇU. São caçadores de cargos públicos que não medem esforços para antecipadamente, com uma verborréia planejada, tentarem iludir a boa fé do povo tentando conquistar o voto dos menos avisados. Até ai tudo bem, afinal política tem as suas baixarias o que não é nenhuma surpresa, mas o que me chama a atenção é o numero cada vez maior de PSEUDO-EVANGÉLICOS que estão em nossas igrejas - leia-se SUCUPIRAS - todos concorrendo ao cargo de ODORICO PARAGUAÇU. A coisa fica mais suja ainda quando para piorar encontramos uma quantidade de Pastores(?) e evangélicos que advogam a causa de que receberam um CHAMADO ESPECIAL DE DEUS para a Governança, Senadança ou Deputança. É uma coisa absurda e imoral, algo que merece um estudo e uma atenção mais aprofundada de toda a sociedade evangélica espalhada por este Brasil. Alguns possuem a cara-de-pau de afirmar que o Todo-Poderoso os convocou a uma missão especial, um ministério especifico na fileiras da vida pública. Afirmam, sem medo de errar, que somente eles conseguirão viabilizar o projeto Divino a eles confiado. Ora, os discursos protagonizados por ODORICO eram caracterizados pela quantidade absurda de promessas, onde o famoso Prefeito, com intuito de impressionar os moradores de Sucupira, abusava na invenção de frases e palavras. Pois é, os nossos políticos evangélicos conseguem superar o Coronel, isto porque, seus discursos estão repletos de chavões e de frases prontas, onde o que importa afinal é a institucionalização e a consolidação do gueto, principalmente o religioso. Em nome de Deus os irmãozinhos prometem mundos e fundos, inclusive a moralização da política! Com certeza vão deixar a vida publica e se transformarão em “MÁGICOS”...

OLHO VIVO disse...

O grande problema é que as nossas igrejas - SUCUPIRAS - estão se transformando em currais eleitorais onde o “VOTO CABRESTO” é praticado livremente, o alvo são os “IRMÃOS” de fé que são conquistados com tapinhas nas costas e apertos fervorosos de mão em todas as reuniões. O NEPOTISMO RELIGIOSO é o argumento mais empregado como poder de convencimento, as promessas de TRABALHAR PELOS EVANGÉLICOS não podem ficar de fora e servem como moeda de troca entre os postulantes dos cargos na vida publica.

Não creio e não encontro nas Escrituras qualquer texto que possa fortalecer ou sustentar este expediente imoral adotado por oportunistas, que aproveitando a popularidade dos evangélicos, popularidade esta conseguida com uma relação promiscua com os prazeres do mundo, lançam suas candidaturas invocando o já manjado e vergonhoso ditado: “IRMÃO VOTA EM IRMÃO”. Lamentavelmente é assim que os crentes estão vivendo, com oportunistas infiltrados nas comunidades religiosas com um propósito único, arranjarem um lugar ao sol vida publica. O VANDALISMO RELIGIOSO interesseiro me impressiona e me causa um mal estar incomum! É impressionante ver eles, os candidatos a “ODORICOS”, astutos e ardilosos nos seus argumentos com uma audácia que ultrapassa a imaginação de qualquer pessoa de bem, com uma sagacidade feroz na busca da realização de seus sonhos. É impressionante e ai não pode faltar neste jogo sujo de interesses a famosa “MÁSCARA”, pois é com ela que eles conseguem se transformar diante de qualquer ameaça ou situação duvidosa. A verdade absoluta é que a religião, via igreja, transformou-se na maior porta para que pessoas sem escrúpulos, sem qualquer compromisso real com Cristo, sem qualquer sentimento de valorização da sociedade e sem uma vida espiritual convincente possam levar adiante as suas aventuras políticas, pois elas sabem que voto de irmão é voto garantido. Sabem que com uma boa conversa, e com um discurso decorado fica fácil vencer as resistências e conquistar os rebeldes. Afinal, somos todos irmãos... Grande balela! Puro engodo!

2010 está as portas e quero que você reflita sobre a possibilidade de que se seu voto não for dado com coerência e com compromisso, ele possa estar ajudando a colocar na vida publica os “ODORICOS PARAGUAÇUS” evangélicos. Não sou PROFETA, mas acredito que Deus está dizendo para tomarmos muito cuidado com o CARROSSEL EVANGÉLICO. Ele está dizendo que as atividades não estão levando a igreja ao mundo, pelo contrário, está permitindo que ele se instale sem nenhuma oposição no interior delas. Não seja uma Cajaseira, não dê apoio incondicional a ninguém; Não se deixe seduzir pelo “Licor de Jenipapo” oferecido pelos ODORICOS, também não seja um Dirceu Borboleta, não bajule nenhum candidato, afinal seu “VOTO É UMA ARMA E SE VOCÊ NÃO SOUBER USÁ-LO A VÍTIMA SERÁ VOCÊ”! Digo isto com grande pesar, mas nós evangélicos, temos freqüentemente, nos tornado parte deste mal que assola a nação Brasileira. Infelizmente os crentes ainda não conseguiram perceber que os olhos não podem estar voltados para BAIXO e para CIMA ao mesmo tempo.


Carlos Roberto Marins de Souza
crms2casa@hotmail.com