domingo, 28 de dezembro de 2008

Formalismo, mero formalismo!

Um pastor piauiense prega de terno e gravata, em um calor nada menos do que de quarenta graus. Um culto com crianças cujo dirigente é um velho diácono da igreja, em lugar da jovem responsável pelo departamento infantil. Vários homens sentados na plataforma do templo, enquanto alguns visitantes estão procurando lugares para se acomodarem. Um culto de casamento onde o grupo musical canta religiosamente três hinos do hinário oficial. Ofertas que são tiradas até em cultos exclusivamente evangelísticos. Uma congregação que se recusa a fazer a Escola Dominical no colégio vizinho da igreja, pois não podem sair do templo! Eis alguns exemplos corriqueiros em igrejas tradicionalistas do sufocante formalismo.
Formalismo pode ser definido como a valorização excessiva de forma em detrimento da essência. As cerimônias, liturgias e formas de culto destacam valores para a vida, mas o formalista não enxerga os valores e sim as formas. No ambiente formalista, os preceitos são mais valorizados do que os princípios, as leis mais aclamadas do que o espírito da lei, o culto mais apreciado do que a razão do culto. Formalismo é o legalismo litúrgico, é o legalismo institucionalizado!

Pentecostais de fervor mecânico!

As igrejas pentecostais exaltam o seu lado espontâneo, mas muitas vezes até a sua “espontaneidade” é corriqueira e repetida, ou seja, muito pentecostais vivem no paradoxo da “espontaneidade mecanizada”. Igrejas cujo “poder” sempre cai em determinado momento do culto e onde “manifestações” espirituais estão atreladas a visitas de pregadores “avivalistas”. Igrejas cujos cultos “dirigidos pelo Espírito Santo” são tão previsíveis como uma bula litúrgica. Há até aquelas igrejas que marcam o dia da “cura divina”, pois em suas placas estão inseridos dizeres como “sexta-feira da libertação”, “quinta-feira da vitória”, ou ainda, “sábado da cura”!
Por mais contraditório que seja, o reteté é uma espécie de formalismo! Sim, formalismo puro! Os cultos do reteté são tão previsíveis, que você verá as mesmas manifestações bizarras em Manaus ou Porto Alegre. Nesses “cultos” você ouvirá os mesmo clichês, as mesmas formas de pregação, os mesmos temas e até a mesma indumentária dos pregadores. É um imitando o outro, pessoas que negam sua personalidade.
É comum na literatura pentecostal apostilas e livros com o título Como receber o Batismo no Espírito Santo[1]. Ora, como ousam usar uma linguagem totalmente de tecnólogos (como fazer) para uma atividade do Espírito. É certo que nas Escrituras se encontraram princípios para uma vida plena no Espírito, mas não em processos semelhantes a montar uma geladeira. Você não encontrará dicas do que fazer ou deixar de fazer!


“Aqui você não prega SEM gravata. Aqui você não prega COM gravata”

Não é que a comunidade cristã deve ser um lugar sem ordem, sem liturgias, sem planejamento; longe disso, a igreja necessita de uma ordem bem estabelecida. O que nunca deve acontecer é que regras de ordem para culto tornem-se absolutas, intransponíveis e sacralizadas. É preciso lembrar que muitas igrejas que primam por uma liberdade são também formalistas. Há casos de igrejas onde é proibido pregar sem gravata, assim também como igrejas onde é proibido pregar com gravata. Uma diz que é questão de costumes denominacional, a outra insiste em dizer que tem liberdade no Espírito, mas ambas são formalistas.

Conclusão

Formalismo é sufocante e desnecessário. Cria problemas em lugar de soluções. Fere as Sagradas Escrituras quando pensa que a honra. Massacra o humano em lugar de construir a Eclésia. Combater o formalismo não deve ser lugar para anarquias espiritualizadas, mas sim jogar fora um legalismo enrustido.

Notas:

[1] No Brasil há uma obra do teólogo Donald Gee cujo título é Como Receber o Batismo no Espírito Santo, distribuída pela Casa Publicadora das Assembléias de Deus (CPAD). É bom observar que o título da obra original em inglês, lançada em 1932, era Pentecost. As primeiras edições do livro no Brasil, em 1987, eram intituladas Pentecoste, sendo uma tradução literal do inglês, mas por algum motivo a editora mudou o título inadequadamente no ano 2000. Outro título famoso no Brasil é o livro Como Receber o Batismo no Espírito Santo de Gordon Lindsay, lançado pela Graça Editorial.

16 comentários:

Anônimo disse...

Nossos cultos são muitas vezes o reflexo de uma alienação cultural. Fico triste quando vejo mulheres sendo submetidas ao legalismo de não poder cortar cabelo e não poder usar maquiagem, ou crianças, tendo que usar terno e gravata enquanto seus coleguinhas estão brincando de bermuda e camiseta.
E o pastor que usa um terno já fedendo de tanto suar e desbotado de tanto uso... Não fica bem! Melhor seria usar uma camiseta.
Outra coisa que o artigo aborda bem é o cristianismo de métodos. O exemplo "Como ser batizado com o Espirtio Santo" é apenas um caso. Muitos manuais de discipulado apenas transmitem métodos, como se Deus fosse uma máquina que devidamente acionada conforme manual (métodos), vai produzir o resultado esperado.
Jesus é o caminho! Devemos trilhar diariamente no caminho e não em métodos. Devemos andar o caminho de Jesus seja de terno e gravata, seja de bermudas!
Abraço,
Matias

Anônimo disse...

É, são bem interessantes e até plausíveis suas críticas.

Porém, enquanto eu lia seu artigo fiquei pensando o quanto nós brasileiros conseguimos enxergar o erro dos outros. Como somos ágeis em apontar: Está errado isso! Aquilo! E aquilo outro! ... .

Mas, o que fazemos “além do apontar o erro”?

Será quem está mais errado nessa história toda: aqueles que, mesmo cometendo alguns equívocos, tentam de alguma forma mudar a situação ou aqueles que se acham tão sábios e com todas as respostas teóricas a todos os erros apontados, porém, não movem uma palha a fim de fazer o que pensa ser o certo?

Nosso discurso às vezes beira o legalismo farisaico.

Será quem agrada mais ao Senhor: aqueles que tropeçam em alguns erros na tentativa de atender ao “ide” de Jesus ou aqueles que simplesmente os critica em suas falhas, evidenciando com tal atitude um desejo de autopromoção, a sei lá o quê?

Talvez, já esteja passando da hora de colocarmos em prática tudo aquilo que pensamos ser o correto em muitas situações e ocasiões.

Talvez, a negligência dos sábios esteja criando espaço para os ditos “ignorantes da fé”.

Enquanto isso, os filhos das trevas, continuam na expectativa da manifestação dos verdadeiros filhos da luz.

Edgar.

Gutierres Siqueira disse...

Matias, a paz!

Isso mesmo. O legalismo desumaniza as pessoas. Uma mulher não pode vivenciar sua feminilidade, pois para muitos ela estará pecando. É simplesmente lamentável.
Sobre o "cristianismo de métodos", como você bem expressou, é um verdadeiro perigo, pois tenta mecanizar a atividade do Espírito, o Vento que sopra para onde quer! Uma mecanização comum no meio evangélico é o famoso apelo evangelístico. Muitos imaginação que se nasce de novo ao se ajoelhar na plataforma da igreja. Ora, isso não é regeneração...

Gutierres Siqueira disse...

Edgar, a paz!

Já se tornou lugar comum achar que quem aponta um determinado erro da comunidade evangélica, não faz nada para melhorá-la. Ora, o mesmo que escreve nesse blog, também exerce funções em sua igreja local, portanto, está sujeito a erros e tenta consertar aquilo que é de sua ossada. Não se pode presumir que os que militam na causa das letras, não saibam na prática o que estão falando.
.

Vitor Hugo da Silva - Joinville, SC disse...

Gutierres!

O formalismo, sem dúvida alguma, é um veneno que corre na veia das igrejas denominadas tradicionais. Engraçado é que os mesmos irmãos, por vezes criticam a forma de culto dos católicos, chamando-os de formais, frios, e calculistas. Porém, para muitos destes, se não tocarem o hino da harpa durante o culto, o culto já não é mais culto. Se não houver línguas estranhas, o clima está pesado, e assim vai.

Só descordo de uma colocação sua a respeito das manifestações - talvez eu tenha entendido errado. Você chama estas manifestações de "bizarras". Sinceramente, pessoalmente eu tenho muito cuidado em classificar desta maneira estas manifestações, pois com certeza em alguns casos, é Deus quem está agindo nas pessoas.

Um abraço!

Vitor Hugo.

manifestações bizarras

Anônimo disse...

Entendo o Edgar. Parece que aquele que aponta erros tem prazer em faze-lo e não vê os próprios erros.
E muitas vezes é assim. Conheço líderes que agressivamente criticam tudo e todos, mas quando são confrontados com a sua própria conduta, ficam na defensiva e são intratáveis.
Quando ao propósito deste blog e conhecendo seu autor, creio que há uma sincera preocupação em ver o cristianismo bíblico restaurado e denunciar práticas mercantilistas e heréticas no meio evangélico. Sem dúvida, erramos tambêm, mas não devemos nos calar diante dos abusos que existem no meio evangélico. O profeta bíblico tem esta missão: denunciar a falsa religião. Veja os exemplos na Bíblia (Isaias, Ezequiel)
O problema na igreja brasileira é que muitos vêem os erros, mas se calam, pois tem medo de serem amaldiçoados. E uma vez abrindo a boca, de fato serão amaldiçoados por muitos que se denominam pastores, apóstolos etc. Ã "maldição" é a arma de defesa dos que são denunciados! Fiquemos tranquilos, maldição de pastor corrupto não pega!
Os profetas bíblicos eram perseguidos pelos religiosos de seu tempo. Infelizmente a maioria dos que se entendem por profetas hoje, confundem o dom de profecia com "adivinhação" ou "prever futuro". Mas onde estão os verdadeiros profetas do Senhor!
No dia que os crentes verdadeiros terem coragem de:
1.analisar criticamente as praticas dos movimentos e lideres evangélicos
2. denunciar práticas antibíblicas
3. protestar contra a falsa religião (somos "protestantes")
4. ter coragem de confrontar "modismos" com a Bíblia

a igreja terá uma base forte, falsos líderes e pastores perderão seu poder, líderes segundo o coração de Deus, pastores de ovelhas (e não lobos ladrões), estarão a frente da igreja, a igreja será sal e luz! O Brasil será impactado!

Mas enquanto apoiarmos o legalismo, a disputa de poder eclesiastico, o materialismo, o despotismo, conformismo, imoralidade, ganancia, roubo, adulterio encoberto em nossa igreja, esta não tem nenhum impacto sobre a sociedade. E pior: Deus já não está no meio desta igreja.

Abraço,
Matias

Gutierres Siqueira disse...

Vitor Hugo, a paz!

Obrigado pela participação. O seu exemplo mostra muito bem como o formalismo é incoerente.
Sobre "manifestações bizarras" me refiro a práticas como "unção de animais", "unção disso e daquilo". Isso é pura bizarrice. O Espírito de Deus não expõe ninguém ao ridículo e nem desumaniza um ser pessoal.

Um abraço!

Gutierres Siqueira disse...

Matias, a paz!

Obrigado por mais uma participação. Reitero o que você disse: Não podemos nos calar diante do erro!

Gutierres Siqueira disse...

Complemento:

Um exemplo de puro (e até cruel) formalismo.
Hoje ouvi no rádio que um pastor tem impedido um jovem com cancêr de tomar a Ceia do Senhor! A causa: o uso de boné!!!
É cada uma!!!

Clébio Lima de Freitas disse...

Irmão Gutierres,

Concordo com você em tudo neste artigo. O formalismo deve ser combatido na igreja em todos os sentidos, porém acredito que, apesar de o batismo com o Espírito Santo ser uma operação divina na vida do crente, há também uma participação humana do crente já que precisamos crer e buscar essa dádiva senão o crente nunca receberá essa benção. É preciso santificar-se e orar com persistência como o próprio Jesus Cristo falou (Lc 11.13)! Você é uma bênção, meu irmão, continue assim!

Att,

Clébio Lima de Freitas
clebiolima.blogspot.com

Anônimo disse...

concordo em genero e grau

Ednaldo disse...

Feliz 2009, Gutierres!!!

Que Deus em Cristo, continue te abençoando neste ano que se inicia.

Em Cristo,

Ednaldo.

Clóvis disse...

Em 2008 tive o privilégio de contar com suas visitas, comentários, críticas e sugestões ao Cinco Solas. Sou grato a Deus por isso e queria que você soubesse disso.

Eu também tive o privilégio de receber seus emails, interagir com você em fóruns, ler e participar de seu blog e em tudo isso fui grandemente abençoado. Por isso louvo a Deus por sua vida.

Nessa interação, muitas vezes concordamos, outras tanto discordamos e em outras mais discordamos e concordamos. Mas o que resultou para mim não foi apenas o calor da convivência humana, ainda que virtual, mas a luz de novos conhecimentos, novas perspectivas, que moldaram a minha visão de mundo, consolidando às vezes o que eu já pensava ou me levando a revisar meu ponto de vista.

Sendo assim, o que eu posso desejar para mim em 2009? Apenas que pessoas maravilhosas como você continuem comigo nesta curta mas prazerosa jornada para a glória.

Para você, desejo todas as bênçãos de Deus. Que a boa vontade de Deus se cumpra na sua vida e que Sua vida esteja alinhada com a vontade dEle.

Feliz 2009!

Gutierres Siqueira disse...

Clebio, Ednaldo e Clóvis,

Obrigado pelas felicitações. Desejo pra vocês um 2009 debaixo da presença de Deus!

Anônimo disse...

Lembro-me de que li a algum tempo um "artigo" seu que falava sobre o comportamento de alguns pregadores,achei de certa forma proveitoso,gostei,porém agora vejo esse seu ponto de vista aqui descrito,e pra falar a verdade,meu irmão,voce pode confundir a cabeça de muito jovem com isso kara e pra falar a verdade eu não concordo com praticamente nada do q você colocou.
Eu sou maestro de um departamento jovem com cerca de 180 jovens,sou professor de escola dominical,curso matemática na universidade estadual de Alagoas entrtanto gosto de m aprofundar o máximo no q diz respeito as escrituras não tenho curso teológico porém faço varios estudos minunciosos,tenho 22 anos.
Não sou centrado no formalismo a menos que esse vehna a enriquecer minha vida espiritual,pois dentro das escrituras vejo que esse é bem mais importante que a carnal(Jo 6.63).No antigo testamento Deus ao falar com moises no monte Sinai deixou bem claro a respeito das vestimentas e não foi pouco formal em relação a época,e você axa que ele restringio o uso apenas para o inverno?Deus é excelentisso!Quem sobe em um altar sagrado tem que mostrar o máximo de reverencia possivel...Cristo pregaria de camiseta?E nós tendo a mente de Cristo?(1co 2.16).O terno e a gravata é o que temos de mais excelente pra cultuarmos o nosso Deus que é digno do nosso sacrificio!.
Enquanto ao retete dou graças a Deus q de Manaus a Campo Alegre dou graças a Deus por vc ver a mesma coisa,significa que ainda existe crentes que oram 3 vezes ao dia como Daniel,que acordam pela madrugada como Ana,que não estão privado a coisas materiais(Mt 6.33),que jejuam(Mt 17.21).Enquanto aos ensinamentos para a busca do Espírito são nescesários,faceis de se ensinar e dificeis de por em prática,principalmente pro meio jovem e ainda mais quando existem varios meios e pessoas tentando cauterizar a mente deles com muita bobagem,tendo em vista que eles são o futuro da igreja!
Olha não sou nenhum fanático formalista,a doutrina na minha igreja não permite bermuda e não vejo nada de mais em usar bermuda,gosto muito de 4/1,oficina,Fernandinho,como tembém escuto Shirley,Cassiane (exemplos que divergem entre si).E em nome de Jesus nunk vou esquecer que um culto a Deus é Sagrado...Enquanto a mulher cortar cabelo(1Co 11).
A igreja moderna já perdeu muito da sua esencia e é ora de fazermos algo pra isso mudar e não contribuir pra isso,Cristo foi bem claro "se alguem quizer vir após mim,renuncie-se a si mesmo,tome sobre si a sua cruz e sigame"não estamos aqui pra fazer o que queremos não e sim o que Ele nos destina.

David Leandro
E-mail formal:dl.ofthechrist@bol.com.br
E-mail (msn,orkut):david_xolinho@hotmail.com
Fik na paz Deus abençõe!

Estevão Lopes disse...

Talvez o formalismo nas Igrejas evangélicas de hoje estão impedindo que o Espírito Santo atue na vida de seus membros como acontecia no tempo dos apóstolos. A formalidade condiciona as pessoas que as deixam alienadas ao que lhes são ensinadas, e esquecem os princípios bíblicos para santificação.