segunda-feira, 9 de março de 2009

Cristandade Esquerdista Parte 01

Pentecostais, neopentecostais, católicos progressistas, espiritualidades pós-moderna e o esquerdismo. Tudo em comum!

Muitos afirmam que o debate entre direita e esquerda desabou com a queda do muro de Berlim. Grande engano! Quem estuda em qualquer faculdade de ciências humanas percebe que esse debate continua intenso e gerando as mais fortes emoções. Talvez, muitos afirmam que o debate está morto pelo grande número de esquerdistas (conscientes ou não) e também pela inércia dos direitistas. As universidades brasileiras estão permeadas de uma cosmovisão esquerdista. É preciso lembrar que a esquerda não está restrita a aspectos políticos e econômicos, mas também afeta as questões relacionadas à moralidade, individualidade, papel do Estado etc.

O dicionário Houaiss define a esquerda como:

Conjunto dos indivíduos de uma nação, ou mesmo de uma comunidade supranacional, que acreditam na superioridade dos regimes socialistas ou comunistas sobre outras formas de organização econômico-políticas, especialmente o capitalismo, com sua fé no mercado como regulador de tudo, atribuindo, portanto, ao Estado o dever de intervir na economia, e que advogam o dever do Estado em prover o bem-estar dos cidadãos, tendo ainda como uma de suas principais metas acabar com as desigualdades sociais inerentes ao regime capitalista.

O poeta e jornalista Nelson Ascher, tachado como direitista, resumiu em um verso o pensamento esquerdista:

A esquerda clássica propunha o sacrifício da liberdade, da fraternidade e da prosperidade em nome de uma igualdade nivelada por baixo, mas que nem por isso se estendia à liderança revolucionária. A esquerda atual não passa de uma torcida (mal) organizada, a Mancha Vermelha, que espera, por meio da macumba, derrotar a seleção que desclassificou seu time. [1]

O filósofo e jornalista direitista Olavo de Carvalho classifica a esquerda como "toda corrente que legitima suas pretensões ambiciosas em nome de um futuro hipotético" [2] Ainda outras definições poderiam ser dadas, mas geralmente são recheadas de polêmicas que são desnecessárias nesse texto. O fato é que todo esquerdista nega que seja antidemocrático e autoritário, mas empiricamente é o que vemos nos governos "humanistas" de pessoas como Fidel Castro, responsável por cem mil mortes em Cuba, um verdadeiro assassino, que é celebrado por intelectuais medíocres no Brasil e na Europa. Hugo Chávez, Evo Morales, Rafael Corrêa e outros presidentes latinos tentam a cada dia aumentar seus poderes por meio de revisões nas constituições de seus países.

Esquerda nos Estados Unidos e os evangélicos

Nos Estados Unidos da América a esquerda não está relacionada necessariamente ao marxismo, mas não deixa de pregar um papel mais intenso do Estado. Agora, é importante lembrar que existe marxismo real na América. Os esquerdistas norte-americanos, a semelhança do Brasil, são defensores de políticas "liberais" (o melhor termo seria libertinas para que não fosse confundido com o liberalismo político) como defesa do "casamento" homossexual, aborto, eutanásia, células-tronco embrionárias etc. Representados principalmente pelo Partido Democrata, do presidente Barack Obama.

Esquerda no Brasil e os evangélicos

PT, PSOL, PCO, PSTU, PCO e outros partidos, apesar da diferenças, podem ser classificados com esquerdistas. Em todos esses partidos há inúmeros pentecostais e neopentecostais afiliados. No Brasil não existe uma separação clara entre evangelicais e o esquerdismo, mas pelo contrário, parece que a relação é intensa e constante!
O pastor Silas Malafaia, que pertence a CGABD, fez parte do Conselho Político Social e Econômico do presidente Lula, juntamente com o pastor batista Nilson Fanini e tendo como suplente o pastor Jabes Alencar, um assembleiano não vinculado às duas maiores convenções. Malafaia apoiou Lula em 2002, juntamente com o pastor Hidekazu Takayama (CGADB), Robson Rodovalho (Sara Nossa Terra), Robinson Cavalcante (Igreja Anglicana) e até Guilhermino Cunha (Igreja Presbiteriana do Brasil). A CONAMAD (Convenção Nacional das Assembléias de Deus no Brasil - Ministério Madureira) tem como presidente o bispo e deputado federal Manoel Ferreira (PTB-RJ). Ferreira faz parte da base de apoio do presidente Lula e fez campanha para o petista em 2006[1].
Além desses influentes pastores tendenciosos aos partidos de esquerda, vários líderes políticos, que são evangélicos, também apoiaram Lula ou ainda fazem parte de seu governo. A senadora assembleiana Marina Silva (PT-AC), ex-ministra do Meio Ambiente é um grande exemplo dessa relação, assim como o senador batista Magno Malta (PR - ES), a ex-governadora presbiteriana Benedita da Silva (PT-RJ).

Continua...

Notas:

[1] Folha de São Paulo, sábado, 23 de setembro de 2006 - Caderno Ilustrada!

[2] Folha de São Paulo, domingo, 23 de fevereiro de 2003 - Caderno MAIS!

[3] Leia a notícia da época, na Folha Online:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u82741.shtml

7 comentários:

Luis disse...

Que maravilha.
Você escreve e argumenta muito bem.

Antoniel Gomes Da Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Hoje o PT e outros partidos políticos de "esquerda" são partidos com características "social-democrata", como temos na Europa. Uma vez no poder, são mais neoliberais do que partidos conservadores ("direita, tipo união cristã) da França ou Alemanha.
No Brasil não há ideologia, tanto que muda-se de partido quando pode se obter uma vantagem. Os políticos em geral são ignorantes (quem viu o jornalismo sarcástico e crítico do CQC na BAND no dia 9.3terá a confirmação disto). Políticos nem sabem o que é "esquerdista" ou "conservador". Quando muito, os da plataforma ultraesquerdista usam os chavões de Fidel e del compañero Che. A maioria nem sabe que Karl Marx existiu e muito menos leu "o capital"....
Quanto ao apoio dos pastores a este ou aquele partido... francamente... isto não tem nada a ver com ideologia política: é puro oportunismo de líderes ignorantes sem nenhum interesse de fazer teologia holística, muito menos preocupados com a miséria do povo.
Quanto a Bendita da Silva e Magno Malta: são gente boa... por enquanto!
Abraço
Matias

Anônimo disse...

Excelente compreensão da realidade. Um garoto como você escreve melhor do que a maioria dos jornalistas da grande mídia.

Hamilton

Anônimo disse...

Você esqueceu de citar o Ariovaldo Ramos, que foi contra a cassação do Zé Dirceu, e entregou pessoalmente uma carta de apoio ao Hugo Chavez.

Antoniel Gomes Da Silva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mayalu disse...

Muito bom, seu texto. Parabéns. Uma observação: a Benedita da Silva não é da Assembleia de Deus?