sábado, 14 de março de 2009

O espaço do testemunho no culto cristão

Conta as bênçãos, conta quantas são.

Recebidas da divina mão.

Uma a uma, dize-as de uma vez,

Hás de ver surpreso quanto Deus já fez.

Quão maravilhosa é a oportunidade de contar as bênçãos de Deus em nossas vidas para toda a congregação. Quão maravilhosa experiência de expressar a bondade e misericórdia de Deus para com os seus filhos. Ora, isso tudo é muitíssimo bom e edificante. Todos se alegram com os belos testemunhos, todos se contagiam com as ricas histórias cujo ator principal é Deus com sua providência.  

Agora, nem tudo são flores. A rica experiência do testemunho também tem sido distorcida na igreja evangélica brasileira. Esse fato advém de duas posições erradas: a) Uns ensinam que uma bênção não contada é um pecado contra Deus, privando a pessoa de receber outras bênçãos; b) outros exageram na dose, e transformam os cultos em simples testemunhais.

A lógica dos que dizem pecar aqueles que não proclamam publicamente para toda a congregação suas bênçãos, é no mínimo ridícula e sem nenhuma base nas Sagradas Escrituras. Associar a bênção de Deus com outras bênçãos já contadas soa como mais uma besteira proclamada nãos púlpitos evangélicos.

Indústria dos testemunhos

Muitos líderes evangélicos transformaram os cultos em testemunhais. São filas e filas de pessoas para falar das maravilharas. É bom testemunhar, mais esse espaço não é mais importante do que a proclamação das Escrituras. Quantos pregadores passam todo o tempo contando “causus”, mas não falam nada da Bíblia?!

Agora líderes evangélicos descobriram a indústria do testemunho, sabendo eles que esse tipo de prática dá audiência para suas respectivas igrejas. Não usam os testemunhos para glorificar a Deus, mas sim para exaltar seus ministérios e denominações. Alguns dizem: “Onde você foi curada, irmã?”, então a mesma responde: “Aqui nessa igreja XXX”! Pura estratégia de propaganda indireta.

Conclusão

Sim, conte, canta e conta perante o Senhor as maravilhas que ele tem feito. Assim como o hino descrito acima. Se você tiver oportunidade, encoraje os irmãos que hoje estão sofrendo com o seu testemunho. Essa é uma rica oportunidade que não pode ser distorcida por líderes evangélicos que estão longe do Evangelho.

Nota:

[1] Hino de Johonson Oatman Jr, inserido no Cantor Cristão e na Harpa Cristã.

4 comentários:

Weverton disse...

Olá. Bom Dia, a Paz do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo! Gostaríamos de contar com seu apoio na divulgação de nosso trabalho.

http://evangelismobrasil.blogspot.com

Caso aceite nossa proposta nos comunique que faremos o mesmo quanto à recomendação do blog/site de sua autoria. Desde já agradecemos e desejamos um ótimo domingo na graça do nosso Deus e que Ele continue te abençoando hoje e sempre. Abraço

CONTATO: blogevangelismobrasil@hotmail.com

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Gutierrez!
Graça e Paz!

Parabéns pela abordagem!

Não devemos subestimar a necessidade dos testemunhos, nem superestimar os mesmos, tonando-os como peças de marketing do nosso ministério coletivo ou individual.
Isso é tirar a glória que é únicamente do Senhor.
Parabéns!
Umm grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Marcos Serafim disse...

Graça e paz Gutierrez;
Suas postagens sempre são muito boas, parabéns...
Os testemunhos na igreja são importantes, mas não deve tomar todo espaço do culto,o grande problema talvez não esteja no testemunho mas sim naqueles que fazem markenting do mesmo , basta acompanhar isso pela TV , o apresentador sempre faz coro, propagandas e muitos fazem especie de show mesmo.
O apostolo Paulo aos 1 Corintios 14.40 diz : "Mas faça-se tudo decentemente e com ordem".
Em tempos como os nossos temos que primar pela palavra.

Em Cristo Sola Gratia et File Marcos

Pastor Geremias Couto disse...

Gosto dos testemunhos, não da forma como hoje é apresentado em alguns segmentos, parecendo mais um show, como você mesmo descreve.

Mas vejo como extremamente salutar para a fé que haja, em cada culto, espaço para dois, três ou quatro testemunhos, como se fazia antigamente, em que as pessoas, livremente, sem qualquer manipulação, em poucos minutos, contam o que receberam de Deus, sem que haja a intenção de "glorificar" o instrumento, mas quem interveio para abençoar: o Altíssimo.

Em casos assim, a fé dos demais é fortalecida e também favorece a exposição da Palavra.

Abraços