sábado, 11 de abril de 2009

Pentecostalismo Místico

Há duas místicas no pentecostalismo, sendo uma positiva e outra negativa. O misticismo é uma daquelas expressões que dependem do contexto, podendo soar como pejorativa ou agradável. Portanto, necessário se faz a distinção dessas duas místicas no contexto das igrejas pentecostais.

 Mística negativa

Ora, muitos pentecostais ultra-valorizam o espiritual. Costumam espiritualizar a materialidade, classificando, por exemplo, doenças e obras da carne como demônios.  Enxergam tudo sob um viés transcendente, onde acidentes, trabalho ou namoro acabam tendo explicações supostamente do Espírito. Capazes são de promoverem profecias para comprar de um carro, ou até mesmo negam-se a cirurgias esperando uma cura divina.

Muitos pentecostais comportam-se como religiosos fanáticos, tornando-se cegos e acríticos. Confundem essas atitudes como piedade, mas se enganam, pois estão seguindo o mesmo caminho dos xiitas e sunitas que promovem o divórcio da razão e a fé. Demonizam a razão e espiritualizam o ilógico. Caminho muito perigoso, que fez de alguns radicais dispostos a quebrar imagens de escultura em templos umbandistas, dizendo que estavam cumprindo uma missão divina. Será que agora a baderna faz parte da Grande Comissão?

O místico pentecostal não está conformado com a leitura devocional das Escrituras e a simples oração. Ele quer mais. Sua fome está em ouvir a voz de Deus literalmente. Então, essas pessoas correm para montes, buscam supostos arrebatamentos, sonhos, visões, profeciais e acabam ludibriadas por falsos profetas. Querem porque querem ter um contato material com Deus, como se estivem em um patamar superior de espiritualidade. Não demoram muito para cair na arrogância e na vaidade pessoal.

O pentecostal místico costuma sempre destacar um tal “sentir”. Querem sempre “sentir” alguma coisa e costumam perguntar para as congregações: “Quem está sentindo está noite?”. Ora, os mórmons costumam dizer que “sentem um ardor no peito” quando estão recebendo uma suposta “verdade”. Quer dizer então, que muitos evangélicos estão se comportando com os sectários? A resposta parece positiva! O famoso “sentir” significa o quê? Alguém poderia explicar? Qual o sentido do sentir e as bases escriturísticas de tal ênfase?

É claro que a incredulidade é condenável, mas a credulidade é igualmente detestável (I Jo 4.1). O crédulo engole tudo o que aparenta piedade, engasgando-se com heresias e irracionalidades. O crédulo acredita em verdades e também em muitas mentiras, ou nas famosas meias-verdades, que não passam de inteiros enganos.

Mística positiva

Ora, se o pentecostal acredita que pode louvar a Deus com suas emoções e sentimentos, de forma equilibrada e bíblica (I Co 14), então ele está usando do sentido positivo de mística. Se o pentecostal tem uma intensa fé e uma devoção sincera, a sua espiritualidade será sadia a partir das Escrituras. Portanto, essa conceituação do místico é aceitável.

Conclusão

Entenda que o uso das expressões “mística positiva” e “mística negativa” não se trata de um dualismo entre o bem e o mal, como se existisse dois deuses de força equivalente, mas sim uma simples diferenciação conceitual. Embora o misticismo signifique na maioria das vezes uma fé cega, pode significar em outros conceitos uma fome equilibrada pelo transcendente, que é o Senhor.

5 comentários:

Anônimo disse...

Soldado o link do ariovaldo ramos esta desativado tem outro ?


claudio pimenta

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Gutierrez!
A Paz do Senhor!

Perfeita sua abordagem.
Nosso desafio é ter discernimento espiritual e equilíbrio mental para não nos embaraçarmos com a mística ruim.
Lembra do colesterolcbom e do ruim?
É mais ou menos por aí!
Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Wilsius Norte disse...

Paz do Senhor.

Tens uma escrita crítica muito bela meu caro. O discernimento bem exposto e pronto para o deguste, para os que tem fome e sede realmente de maturidade.

Abraços.

Wilsius Norte.

Gutierres Siqueira disse...

Claudio Pimenta,

Agora o site do Ariovaldo Ramos está hospedado no site irmaos.com

Abraços!

Gutierres Siqueira disse...

Pr. Carlos e Wilsius,

Obrigado pelas palavras de apóio. Abraços!