segunda-feira, 18 de maio de 2009

As sutilezas do discurso pseudopentecostal

Uma análise atenta dos discursos de alguns pregadores dentro do pentecostalismo, ou melhor, do pseudopentecostalismo contemporâneo, mostra um quadro preocupante. Algumas técnicas usadas nas preleções são distantes do cristianismo historio que adoecem o entendimento correto da kerigma. Vejamos algumas dessas técnicas:

- Entonação emotiva na voz

Esse aspecto é largamente usado. Tais pregadores querem conquistar suas platéias pelo despertar das emoções em detrimento da razão. Não existe nada de errado no exercício da emoção durante um culto, mas o uso excessivo desse aspecto humano esconde muitas irracionalidades propagadas por meio dos microfones.

Para uma boa comunicação é necessário voz melosa e emotiva, ou gritos estridentes? É claro que não. O que é essencial para a comunicação, certamente está na clareza, simplicidade, profundidade e transparência do discurso.

- Uso de propagandas populistas

Muitas vezes dá até nojo ouvir alguns programas evangélicos nas rádios paulistanas. A propaganda em cima “do grande homem de Deus” chega ao ridículo da bajulação barata e idólatra. Algumas expressões são comuns, tais como “apóstolo da fé”, “o homem que Deus ouve suas orações”, “ o grande missionário”, “o maior pregador de cura desse país” , “o pregador das multidões”, “o profeta que Deus atende” etc. Certamente são propagandas de si mesmo, sendo uma total autopromoção.

- Maniqueísmo

Sempre esses pregadores dividem o mundo entre o Bem e o Mal. Eles, como agentes do Bem estão prontos para enfrentar o Mal em qualquer situação, como macumbas, maldições, feitiçarias e se colocam como “libertadores” desses males. Nada mais longe das Escrituras, já que não existe em toda a Bíblia uma batalha equivalente em forças entre Deus e o diabo.

- O uso excessivo de clichês e palavras de ordem

Como parte de um apelo populesco e emotivo, os pregadores usam e abusas de palavras de ordem e clichês. Imagine o tempo desperdiçado com tais coisas, enquanto a exposição das Escrituras fica em quinto ou sexto plano.

É necessário rever essas questões. Pentecostalismo não pode ser confundido com esse discurso tão distante das Escrituras, com uma metodologia no mínimo duvidosa.

5 comentários:

Moyses disse...

O Pior de tudo é que esses "pseudo-avivalistas" são venerados e idolatrados por grande quantidade de irmãos que infelizmente tem valorizado muito mais a experência que esses homens dizem ter com Deus do que a própria Palavra de Deus, as vezes fico completamente atordoado com o que tenho visto nos púlpitos por aí a fora, é evidente que há muita gente divorciada da Palavra fazendo uso da mesma! Creio que somente um grande clamor por parte de quem assim como os de Beréia que não se importaram com o fato de ser o apóstolo Paulo quem ensinava, mas conferiam se havia base bíblica para o seu ensino, poderá fazer despertar os corações desses que adoram o Deus que faz e não o Deus que é; e trazer um genuíno avivamento aos seus corações...

Almeida disse...

Bem colocado Gutierrez, concordo com suas palavras. Atualmente realmente isso vem acontecendo.
que Deus nos der entendimento para crescermos em sabedoria e inteligência!

Deus sempre esteja com você, irmão.Paz.

CarinA disse...

Em meio a todo esse emocionalismo, a palavra de Deus é facilmente distorcida, dificilmente absorvida pelos 'ouvintes' ou até mesmo, deixa de ser pregada. Precisamos orar neste sentido. Precisamos de discípulos de Cristo, não de simpatizantes do evangelho. É o evangelho que precisa ser divulgado. A paz de Cristo.

Mayalu Moreira Felix disse...

Querido amigo, coloque nossa comunidade entre suas comunidades preferidas, no Orkut! Vamos dar uma forcinha!

:)

Nilton Rodolfo disse...

Analisando estes pseudopentecostais em cada "pregação" deles, percebo que o uso desses "recursos" usados por eles, como tu muito bem falaste em teu artigo, são a única forma deles tentarem esconder a falta de conhecimento que eles tem.
Que Deus nos guarde, para não cairmos futuramente em pseudopentecostalismo nem usarmos dele em nossos ensinamentos; e nos use, para lutarmos contra tal mal em nossas igrejas.
Fique com Deus!