quinta-feira, 28 de maio de 2009

A Noite Selvagem

Poema de G. K Chesterton

Ensinar a terra cinzenta como uma criança,
Chamar os céus a se arrependerem,
Eu só pergunto para o destino o presente
De um homem bem contente.  

Eu acho que ele vai: embora quando não sei
Eu procuro em festa e praças,
As desvanescentes flores da liberdade,
As máscaras pintadas da arte.  

Eu só o encontro como o último,
Em uma velha colina onde mora
A Trindade horrível do Gólgota -
Três pessoas e um Deus.

Um comentário:

SoS Gospel disse...

Teologia Pentecostal agora com poemas! PArabéns Irmão!