segunda-feira, 25 de maio de 2009

Os dons espirituais estão restritos somente para os batizados no Espírito Santo?

Esse é o tema do primeiro debate promovido por alguns blogueiros assembleianos. Ouça logo abaixo essa rica discussão em torno do tema. Nessa oportunidade, focalizamos nesse importante assunto, que será o primeiro programa de debates itinerante entre os blogs participantes. Veja a relação dos debatedores:

Anchieta Campos, editor do Blog do Anchieta.
Gutierres Siqueira, editor do Blog Teologia Pentecostal.
João Paulo Mendes, editor do Blog do JP.
Victor Leonardo Barbosa, um dos editores do Blog Geração Que Lamba.


PS: Por problemas técnicos (ou seja, falta de um microfone, rsrs), o blogueiro Anchieta Campos não pôde participar do programa.




Para download:

debate2.mp3

12 comentários:

Charles Gomes disse...

Interessantíssimo... mas os cessacionistas não são contra todos os dons.

Acho que houve uma confusão entre dom de línguas, dons visíveis com o batismo no Espírito, não incomum.

Eu creio que não é possível, os dons espirituais são dons do Espírito, que aliás não desacredito que desde o velho testamento agiu.

Eu assim como vocês, busco a reconciliação, fiz um texto sobre:
- http://baptizedinfire.wordpress.com/2008/07/29/vamos-falar-de-cessacionismo/

Espero que esse esboço seja útil em algo.

Maiza D. Roque disse...

Belissíma postagem , gostei bastante mesmo.
Acho que esse assunto tem que ser esclarecido mesmo , as vezes deixamos de colocar nosso ponto de vista , pois o assunto é muito polêmico como foi dito no debate. Sendo assim, devemos repensar bastante nesta questão.
Que Deus vos abençoe

João Paulo Mendes disse...

Olá Gutierres,paz do Senhor.

Permita-me comentar sobre o assunto.

Creio que a questão salientada pelo Charles é relevante.

O que acontece é que há uma certa variedade de pensamentos acerca do assunto, por isso manifestamos também pontos diferentes uns dos outros.
O que você cita acerca dos cessacionistas creem em alguns dons, e não em todos, realmente procede, mas nossa discussão se deu tem torno da questãos se os são concedidos tão somente através do Batismo ou não.
Mas se faz necessário abordar o ponto que você citou.
Abaixo o pensamento cessacionista acerca dos dons:

ENUNCIADO DA TESE CESSACIONISTA

"Cessacionismo": assim entendida a tese que alguns dons (e seus correspondentes ministérios) descritos no Novo Testamento são ordinários e perpétuos, enquanto outros eram extraordinários e foram paulatinamente desaparecendo da vida da igreja a partir do fim da era apostólica

DONS ORDINÁRIOS/MINISTÉRIOS
(para justificação dessa tríplice classificação, veja Brown)

1. Pastores e mestres - Rom. 12:7; Efé. 4:11; I Tim. 3:1-7
2. Presbíteros (dom de dirigir e governo) - I Cor. 12:28; Rom. 12:8; I Tim. 5:17
3. Diáconos (dom de serviço, distribuição, misericórdia) - Rom. 12:7-8; I Tim. 3:8-13

DONS EXTRAORDINÁRIOS/MINISTÉRIOS
(I Cor. 12:28-30; Efé. 4:11)

1. Apóstolos
2. Profetas (palavra de sabedoria; de conhecimento - I Cor. 12:8)
3. Evangelistas
4. Discernimento de espíritos (I Cor. 12:10)
5. Línguas
6. Interpretação de línguas
7. Operadores de milagres; curas ("fé" inclusive(?) I Cor. 12:9)

Nosso entendimento é que os dons não cessaram, basicamente Atos 2.39nos confirma isso, além da defesa teológica feita pelos pentecostais.
O assunto é, com certeza, longo e ramifica-se em algumas correntes, mas fica aqui nossa contribuição no sentido de que a busca e o exercício dos dons deve ser para o crescimento do Reino de Deus e sua obra, a má abordagem do assunto e exageros cometido por alguns que creem na atualidade dos dons não pode nos desacreditar dessa grande benção que ainda nos é possível.

Abraço.

Matias disse...

A teologia pentecostal classica "peca" no sentido de sistematizar a experiência do batismo com o Espirito Santo. Atos 2 não pode ser ponto de partida para uma sistematização teologica.
O testemunho biblico é que o cristão ao ser selado com o Espirito Santo, o que acontece com a conversão (Ef 1.13), é tambêm dotado de dons ministeriais (relacionado ao ministério que esta pessoa terá) e dons "extraoridnários".
A "terceira onda" carismática (protagonistas John Wimber e C. PEter Wagner) fizeram uma excelente teologia ao fazer o link entre teologia "tradicional" e o pentecostalismo (em outros pontos eles foram infelizes, ex. batalha espiritual). O batismo do Espirto Santo é uma experiência contínua e não pontual. Neste ponto tanto a teologia tradicional (limitando batismo do Espirito a conversão) e a pentecostal (limitando batismo no Espirito Santo ao uma experiencia subsequente) precisam ajustar-se ao termo biblico grego de 'batismo'. Tem a ver com a manifestação da glória de Deus. Sem dúvida acontece na conversão, sem dúvida é uma experiência necessária e repetidas vezes durante a minha vida cristã.
Os dons já estão aí, a prática efetiva dos dons depende da comunhão e intimidade com o Senhor.
Portanto continuemos buscando o Senhor!

PAULO MORORÓ disse...

Amados irmãos, a Paz do Senhor.
Achei excelente e bastante interessante a ideia de se fazer debates. Gostaria de sugerir um tema para os próximos debates: "Dinastias Eclesiásticas nas Igrejas evangélicas", ou seja, (Estruturas de governos e de cultura administrativa, cm raíses no nepotismo, muito comum em "ministérios" pentecostais, algo do tipo: O pai é o presidente e o filho logo é o vice, ou o genro, e etc).
As sugestões para questões no debate seriam vastas, como:
- Qual a relação entre ter chamada ministerial e ocupar funções extratégica?
- Tem fundamento bíblico e neotestamentário?
- Por que este assunto é pouco debatido?
- A formação e manutenção de "Dinastias Eclesiásticas" podem ser consideradas tipos de "Modismo" ou heresias?
- As "Dinastias Eclesiásticas" já são uma tradição que tem que ser mantida devido a identidade da denominação? Será um “Modismo” quase virando mania, que irá depois se estabelecer de vez?
- Qual o motivo de grandes "ministérios" desde já colocarem o filho, ou genro, ou a esposa do pastor presidente, como "VICE", imediato de sempre?
- As profecias de revelação (sérias) e de "revelamentos" (carnais) têm implicações neste tema?
- O filho de um pastor presidente que tem o dom ministerial, também está automaticamente predestinado para ser o “vice”?
- Qual o motivo de Moisés não colocar seu filho como vice? (o garoto era levita, neto do sacerdote e conselheiro Jetro; sobrinho do Sumo-sacerdote Arão, e claro filho do próprio Moisés. Tinha uma linhagem de fazer inveja a qualquer “vice” de hoje).
- Qual o motivo de Jônatas, o principe filho do rei Saul, não brigar com Davi, mesmo sabendo que Davi já estava UNGIDO para ser rei? Era uma disputa de trono, e Jônatas era filho do Dono.
- Qual o motivo de Jesus não chamar o seu irmão Tiago, aquele da Epístola, para ser um dos doze apóstolos, visto que era seu "irmão de sangue"? O negócio ia ficar na família, mais seguro, mais confiável.
- Que sentimento havia na mamãe dos filhos de Zebedeu, ou “filhos dos trovão”, em Mt 20.20-23, quando esta pediu à Jesus para que seus filhos se assentassem um à direita e outro à esquerda do Mestre? Ser mãe de dois apóstolos não bastava? Será que ela queria ser diferente da mãe de Pedro e André? Que “diferencial” ela queria entre os pescadores galileus? Será que ela refletiu na resposta do Mestre? “...mas é para aqueles para quem meu Pai o tem preparado”.
- Será que precisamos de um catedrático ou especialista em exegese e hermenêutica bíblica para entendermos a frase: “ E ele mesmo deu...” em Ef 4.11 ? Quem deu os dons ministeriais? Será que Deus dá os dons e os homens dão os cargos?
- Qual o motivo de haver tanto consentimento, tanta “vista grossa”, diante de uma idolatria de cargo tão flagrante nos púlpitos?
O tema "Dinastias Eclesiásticas", precisa ser encarado com responsabilidade e coragem, pois mexe com altos interesses de poder e vanglória.
Fica aí a sugestão. Espero que este comentário não fique censurado, pois existe blogueiro que não quer nem ouvir falar neste assunto.
Um abraço.
Paulo Mororó – E mail – paulomororo2@bol.com.br

Anchieta Campos disse...

Não foi somente por causa do microfone, nem na net eu tava! rsrs...

Mas não faltarão oportunidades de trocar idéias com estes ícones (sem idolatria! rsrs) da blogosfera evangélica.

Abraço.

Anchieta Campos

Victor Leonardo Barbosa disse...

Irmão Charles, creio que a explicação do Anchieta foi muito bem posicionada.
De forma alguma gostaríamos de afirmar que os cessacionistas não crêem em alguns dons do Espírito Santo. o foco aqui seria a manifestação das línguas, profecia, etc...

Enquanto que tais dons "ressurgem" no movimento pentecostal, que prega a sua atualidade. A grande problemática do programa é se tais dons podem vir antes ou depois da experiência, conhecida no ramo pentecostal como batismo no Espírito.

Obrigado por sua valiosa participação e acompanhe os próximos programas

Anônimo disse...

então barnabé,tomando-o consigo o trouxe aos apostulos,e lehs contou como no caminho ele vira ao Senhor e lhe falara,e como em damasco falara ousadamenteno nome de Jesus;os irmãos lembra que ouve resistência para aceitar que paulo era agora um deles eas concrusões que trazia da parte de Deus um novo convertido?mas os apostulo foram sábios ouviram a voz do Espirito já nós,debater assunto com quem pensa igual é facil não á contrariedades,não é preciso pesquisar a biblia,não tras constragimento,vc não se aborrece e não tem que provar veracidade do assunto,obs:agora não se esquesa que tudo passa pela biblia se não ouver querência biblica vc não prova nada apenas bate ao vento!!!.

Anônimo disse...

então barnabé,tomando-o consigo o trouxe aos apostulos,e lehs contou como no caminho ele vira ao Senhor e lhe falara,e como em damasco falara ousadamenteno nome de Jesus;os irmãos lembra que ouve resistência para aceitar que paulo era agora um deles eas concrusões que trazia da parte de Deus um novo convertido?mas os apostulo foram sábios ouviram a voz do Espirito já nós,debater assunto com quem pensa igual é facil não á contrariedades,não é preciso pesquisar a biblia,não tras constragimento,vc não se aborrece e não tem que provar veracidade do assunto,obs:agora não se esquesa que tudo passa pela biblia se não ouver querência biblica vc não prova nada apenas bate ao vento!!!.

Rafael disse...

Será que não poderei conhecer a historia de Jesus Cristo começando pelo livro apocalipse?

Antonio Junior disse...

Mas então como saber quando ocorre o batismo com o Espírito Santo?
Simples vamos usar o mesmo modo de identificação que o apóstolos usaram.

Amados entrem no meu blog e vejam um estudo sobre o batismo com o Espirito Santo e pq a confirmação só pode ser o falar linguas.

Não consigo postar o estudo no comentario

http://apologistadecristo.blogspot.com/2010/05/porque-sou-pentecostal.html

Gente Fina com Toque de Sabedoria disse...

É importantíssimo esse espaço sobre os dons espirituais e o batisno no Espírito.
Estudei teologia por 6 (seis) anos e nada me convenceu que os dons são restritos somente ao batismo no Espirito. Pois, se o Reino de Deus é movido pela fé, então os dons são exercidos pela fé, pois os sinais acompanham aos que crêem e não aos que são batisados no Espírito. Biblicamente, o batisno no Espírito é a capacitação para o serviço: O Espírito Santo capacita o crente a pregar(At 1.8) com autoridade celestial(At 4.13). Uma grande mudança operou-se na vida dos discípulos depois de eles terem recebido o poder do alto. Tão logo foram batizados no Espírito Santo, colocaram-se de pé para proclamar o Evangelho de Cristo (At 2.2,14): “e, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados... Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a voz e disse-lhes: Varões judeus e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras.” Isto é pregação.

Quanto aos dons, eles são ferramentas à disposição dos crentes que servem a igreja. Nos dons, o serviço é efetuado através da oração, ou seja, eu oro exercendo fé e o enfermo é curado, etc. Então podemos dizer que os dons é a manifestação da fé concedidos pelo Espírito Santo. E se o crente recebeu o Espirito Santo ao crer em Jesus, então ele tem direito nisso.

OBS:... Ainda não fui por ninguém convencido na Bíblia o contrário.

Que o Senhor nos abençoe e nos capacite cada vez mais para o serviço do seu Reino.

Por: Paulo Barreiros.