domingo, 31 de maio de 2009

A relação produtiva entre os protestantes e a música clássica

As igrejas evangélicas brasileiras mantém viva a tradição da música clássica entre as congregações de periferia e suas catedrais. 


Júlio César, ainda pré-adolescente, sentiu o desejo de tocar na orquestra de sua igreja, mas nada sabia de música clássica, quando por incentivo da mãe, que comprou um violino, ele iniciou seus estudos em diversas escolas de música, pública e privada, para entender o ofício dos acordes eruditos. Hoje, Júlio César é professor de música e segundo maestro na Assembléia de Deus do Parque Cocaia, Zona Sul de São Paulo, onde um grupo de jovens participam de uma orquestra e coral para os cultos dominicais. 

“Além da participação na igreja e em orquestras, o músico formado na igreja tem um leque de opções na sua trajetória profissional” 

Júlio César Guedes Rosa, 22, reclama da falta de incentivo dos pais daqueles jovens que se dedicam à música, sendo que ele recebeu incentivo de sua mãe: “Falta investimentos da parte dos pais, pois há projetos do governo de graça que onde os pais não levam os seus filhos”. Júlio César tem como inspiração musical o compositor alemão Johann Sebastian Bach, mas não aprecia Ludwig van Beethoven por causa de sua melancolia. A flautista Vanessa Melo de Menezes, 26, da igreja no Parque Cocaia, relata gosta de música desde criança e por incentivo de seus familiares, membros da igreja, começou estudar música clássica ainda adolescente e hoje diz que o fato de ser evangélica contribuiu para o seu ingresso na música erudita. Vanessa diz: “Por incentivo dos meus avós e tios eu comecei a estudar música na igreja”. 
São personagens como Júlio e Vanessa, que por uma influência da igreja ou parentes músicos, lotam as orquestras nas congregações evangélicas espalhadas pelo Brasil. 
O maestro Júlio César Guedes Rosa diz: "Precisa haver maior incentivo dos pais". Em uma pequena igreja da periferia ou em uma grande catedral, há um grupo de crianças, jovens e adultos tocando instrumentos clássicos como violino, trompete, flauta, trombone, piano, trompa, percussão e os demais órgãos que compõem uma orquestra. No acompanhamento da orquestra há um coral, que canta de hinos tradicionais a músicas com ritmos modernos. Esse cenário é comum em diversas igrejas protestantes na cidade de São Paulo, onde denominações históricas como Igreja Presbiteriana, Batista, Metodista e Assembléia de Deus cultivam uma liturgia mais clássica com investimento em orquestras e corais. 
O Protestantismo sempre esteve ligado à música clássica, onde compositores como o alemão e luterano Johann Sebastian Bach (1685-1750) compôs vários hinos sacros. Felix Mendelssohn, autor da Marcha Nupcial, também era protestante e é exemplo de influência dos músicos protestantes na vida ocidental. Hoje, a música evangélica mescla com diversos ritmos, mas continua dando valor à música clássica, exemplo disso são os cantores pop-gospel André Valadão e o grupo musical Diante do Trono, da Igreja Batista de Belo Horizonte, que misturam guitarras com violoncelo e bateria com contra-baixo. Os grupos evangélicos costumam usar orquestra para a gravação de seus CD´s, pois ainda cultivam o hábito de cantar hinos tradicionais em seu repertório. 
A Igreja Assembléia de Deus mantém, no bairro do Belém em São Paulo, a Orquestra Filarmônica Evangélica Jahn Sorheim, que é composta de 80 músicos e desenvolve um repertório sacro-erudito. Essa orquestra forma diversos músicos que desenvolvem seus aprendizados em igrejas da periferia. Os músicos das igrejas protestantes não ficam presos a músicas religiosas, mas aprendem em suas escolas peças do repertório erudito de Johann Christian Bach (1735-1782), George Frideric Haendel (1685-1759) e Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791). 
A tradição de orquestra e música clássica é tão forte no meio evangélico, que muitos músicos se profissionalizam, como o maestro Roberto Minczuk, que hoje é um dos mais respeitados músicos do país e dirigente da Orquestra Sinfônica Brasileira. Minczuk foi criado como membro da igreja Assembléia de Deus de São Paulo e teve o primeiro contato com a música ainda criança em sua igreja. Na Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp), a mais respeitada do país, o número de protestantes brasileiros representa 35% dos músicos. 
O jornalista, historiador, escritor e teólogo Silas Daniel, autor do livro “História da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil” lembra que: “A Assembléia de Deus é a igreja que mais forma instrumentistas. São escolas, muitas vezes, com pouca estrutura física, mas com baixo custo e ótima qualidade, que preparam profissionais para o mercado de trabalho”. Em relação ao mercado Silas Daniel diz: “Além da participação na igreja e em orquestras, o músico formado na igreja tem um leque de opções na sua trajetória profissional. São instrumentistas, maestros, arranjadores, produtores, entre outros”. Daniel complementa: “Um ambiente onde também é comum encontrar músicos evangélicos é o das bandas sinfônicas das Forças Armadas”. 
Não são todos os grupos evangélicos que investem em música clássica, pois as igrejas neopentecostais, cuja ênfase está na contextualização com a cultura moderna e normalmente apresentam uma liturgia “anti-litúrgica”, ou seja, sem regras e aparatos especiais; preferem músicas com rock & rollfunk,reggaehip-hop, samba etc. Por essas e outras características, o neopentecostalismo é uma segmentação do Protestantismo que apresenta características conflituosas com os seguidores de Lutero. 
A cultura da música clássica no Brasil ainda é muito tímida, mas os protestantes brasileiros mostram o seu interesse por esse segmento musical apreciado nos acompanhamentos dos hinos e na suas liturgias formais. Diferente do Catolicismo Romano, com a valorização do canto gregoriano, o protestantes preferem o canto congregacional que se encaixa perfeitamente à suas orquestras. 

2 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Gutierrez,
Graça e Paz!

Parabens pela excelente matéria!

Iniciei meu trabalho de cooperação, como músico, tendo aprendido nas oficinas da própria igreja, co meu próprio pai e pastor Josias de Almeida.
Depois cheguei a tocar na Banda Musical de Cubatão, hoje Banda Sinfônica de Cubatão, considerada uma das melhores do país.

O fundador desta banda, é o Maestro Roberto Farias Leite da Silva, conhecido hoje em todo o mundo como um dos melhores no gênero Banda Sinfônica. Já regeu a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e hoje, cumula com a Função de Coordenador Artístico dos grupos estáveis da Prefeitura Municipal de Cubatão, a função de Regente Titular de uma das principais Bandas Sinfônicas da Argentina, na província de Córdoba e ainda Regente Titular da Orquestra da Assembléia de Deus - Ministério de Santo André - SP.

O Maestro Roberto Farias iniciou seus estudos musicais na Assembléia de Deus de Cubatão, com o maestro da Igreja Benedito Rosalino de Carvalho, ainda entre nós, inclusive tocando seu trompete na orquestra da Igreja.

Além do maestro Roberto Farias, vários outros músicos que iniciaram com o Maestro Rosalino na Ass. de Deus de Cubatão, estão em São Paulo em grupos musicais eruditos de ponta, e outros que já são discípulos do próprio Roberto Farias, como o nosso atual Maestro da Orquestra da Igreja em Cubatão, Rubens Mattos, que também é tubista da Banda Sinfônica do Estado de SP. Alguns estão em sinfônica espalhadas pelo país e outras no exterior.

Por conta dessa veia musical, oriunda na AD em Cubatão, tive o privilégio de tocar na Igreja, junto ao maestro Roberto Minszuk, quando ainda aluno de trompa em SP.

Sua matéria alegrou meu coração e me fez voltar a bons tempos, não melhores do que os atuais, mas muito alegres, porque só retratavam de musicalidade.

Parabéns!

Seu conservo em Cristo,
Pr. Carlos Roberto

zwinglio rodrigues disse...

Gutierres, paz1

Seguidores de Lutero?!!

O anti-semita; taberneiro; mariano; insuflador de violência; cismático [nesse caso,em relação aos irmãos da reforma]; o que se alegrou com a morte de Zwinglio, chamando-o de cão, velhaco... aquele que pegou músicas seculares e montou sobre elas letras cristãs?!!!

Seguidor dele sejas TU!!

Falo apimentadamente sempre, e às vezes até de maneira deselagante, mas sou seu fã meu irmão!!

rsrsrs

Abraços!!