segunda-feira, 13 de julho de 2009

Eis a necessidade: mais investimentos em educação!

O ano de 2010 está chegando e todos verão a impressionante manobra de esforços efetuados pelas denominações evangélicas para eleger seus “representantes”. As grandes igrejas fazem comissões, investem em divulgação, promovem viagens e até campanhas nos púlpitos. Essa politicagem já foi discutida algumas vezes no Blog Teologia Pentecostal, e o texto de hoje não tem esse foco. Mas nesse momento cabe uma discussão séria sobre as prioridades de uma organização evangélica.

O que é mais importante: altos investimentos em política ou altos investimentos em educação? Qual a melhor forma de expressar uma visão de mundo cristã, sendo um político ou um professor? É claro que a educação é mais importante. Sim, a política tem o seu valor, principalmente no que tange ao âmbito legislativo. Mas política não tem o mesmo impacto na sociedade do que a educação. Infelizmente as igrejas só pensam em política e esqueceram-se da educação.

Cadê as nossas escolas primárias e universidades? Cadê centro de pesquisa acadêmicos capazes de criar uma massa pensante e analítica no meio evangélico? Será que os evangélicos só pensam em criar vereadores e deputados, além do tão sonhado “presidente evangélico”? Será que se esquecem da poderosa ferramenta que é a educação sólida e bem aplicada?

Motivação errada

Afogada no pragmatismo imediatista, a igreja evangélica brasileira, especialmente a pentecostal, priorizou a política por motivos escusos, tais como obtenção de vantagens junto aos poderes da República. Os nobres deputados evangélicos estão realmente empenhados na construção de uma cosmovisão cristã? Se a resposta for um sim, infelizmente os fatos concretos desmentem.
Portanto, é impressionante verificar como a igreja evangélica brasileira é contaminada pela cultura desse país. Assim como os brasileiros não dão muito valor para a educação, os evangélicos agem pelo mesmo caminho. Precisamos agir como uma contracultura.

2 comentários:

Daladier Lima disse...

Prezado Gutierres,

Acho que um dos problemas é educação política. Conheço membros com nível superior que acham absolutamente normais coisas desprezíveis como nepotismo e campanha política na igreja, além de delas fazerem uso. Conscientizado politicamente nossos membros, aí a coisa mudaria. Posso estar enganado, mas é o que penso.

Abraços!

Dr.Ronnie disse...

Seu blog foi um começo, para atrair as pessoas de bem. Eu estou aqui. Talvez venha outro. Como e quando começamos?