domingo, 23 de agosto de 2009

Os desdobramentos da candidatura Marina Silva

A senadora Marina Silva, possível pré-candidata à Presidência da República pelo Partido Verde (PV) foi entrevistada pelo jornal Folha de S. Paulo deste domingo. A repórter Marta Salomon começou com uma pergunta sobre a religiosidade de Marina, e abordou a polêmica defesa do criacionismo feita pela senadora em um evento adventista. Leia um trecho da entrevista:

FOLHA - Antes de mudar de partido, a sra. mudou de religião, de católica para evangélica. No ano passado, equiparou a teoria da evolução de Charles Darwin ao criacionismo, que atribui a origem da vida a Deus. Entre fé e ciência, a sra. fica com a fé?

MARINA SILVA - Houve um completo mal-entendido. Fui dar palestra em uma universidade adventista, que é uma faculdade confessional. A legislação brasileira permite as escolas e as faculdades confessionais, que têm o direito de fazer a abordagem do ensino a partir da perspectiva religiosa. Um jovem me perguntou o que eu achava de as escolas adventistas ensinarem o criacionismo. Respondi que, desde que ensine também a teoria da evolução, não vejo problema. A partir daí, as pessoas começaram a dizer que eu estava defendendo o criacionismo. Sou professora, nunca defendi essa tese e nem me considero criacionista. Porque o criacionismo é uma tentativa de explicação como se fosse científica para responder a questão da criação em oposição ao evolucionismo. Apenas acredito em Deus, é uma questão de fé. Nunca tive dificuldade em respeitar e me relacionar com os ateus, com pessoas que professam outras crenças ou outra forma de pensar diferente da minha.

FOLHA - E essa fé a impede de discutir questões como a descriminalização do aborto?

MARINA - Questões de fé e as convicções de cada um devem ser respeitadas. Não me envergonho de dizer que sou cristã e jamais tergiversaria sobre minha fé para ganhar simpatia de quem quer que seja. Seria capaz de perder todos os votos, de nunca mais ser eleita, mas nunca faria um discurso fácil.

Certamente a declaração de Marina Silva sobre o criacionismo causará um barulho entre os evangélicos. Um pensamento contrário a Teoria da Evolução é onipresente na vida das igrejas brasileiras. Até mesmo, especialmente em cidades interioranas, a Teoria da Evolução é mal vista por católicos e pessoas sem filiação religiosa. Nesses últimos dias, a imprensa destacou as polêmicas em torno do criacionismo de Marina Silva. Em artigo para o jornal Folha de S. Paulo (16/08/2009), o jornalista Marcelo Leite mostrou preocupação com uma presidente que apoiasse “doutrinas anticientíficas”. Com essa entrevista de hoje, fica claro que Marina Silva não é uma entusiasta do criacionismo.

Além disso, outras reportagens lembraram a posição dela contrária ao aborto. Marina acaba abraçando uma contradição, pois saiu do Partido dos Trabalhadores (PT) para o Partido Verde (PV), sendo duas legendas abertamente favoráveis a descriminalização do aborto. Aliás, essas contradições não são exclusivamente de Marina. Em geral, a política brasileira é uma mistura enorme de confusão e pouco disposição para defender bandeiras. Ora, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prosseguiu as medidas econômicas do governo Fernando Henrique Cardoso. Apesar dessa boa medida, pois seria horrível para o país romper com o ciclo de desenvolvimento pós-Plano Real, Lula não foi coerente com seu discurso histórico (e ainda bem por isso!). Agora, a posição contrária ao aborto muito agradará os evangélicos e católicos praticantes.

É preciso lembrar para todo evangélico que, o fato de alguém ser contra o aborto ou simplesmente expressar uma fé evangélica não habilita para um cargo de tamanha importância. Qual é a proposta da Marina Silva sobre economia? Ou ainda, como ela enxerga a política externa? Como seria o seu governo no envolvimento com grupos “sociais” como CUT e MST? Tudo isso precisa ser avaliado, antes de apertar o botão verde da urna.

6 comentários:

sandre disse...

É preciso ser criacionista para ser cristão?

eu tenho certeza que não.

O que se tem que entender é a conotação geral de uma entrevista e a midia em geral é manipuladora, pois sempre pega apenas um trecho de todo um contexto e transforma em uma verdadeira enxurrada de distorção.

Não defendo a Marina Silva, mas ela não pode ser exposta por uma posição contraria ao criacionismo, se ela negasse sua fé ai sim, deveriamos ser contrarios a ela, mas até ai é outro assunto.

Também não acho que ela sendo a favor ou não do aborto, que deve ser uma posição pessoal dentro de varias situações, deva ser taxada como negadora da fé.

São situações dispares.

João Paulo Mendes disse...

Caro Gutierres, paz do Senhor!


Eu realmente não entendi essa de ser cristão e não ser criacionista, tendo em vista, é claro, que grande parte dos evangélicos no Brasil, principalmente os assembleianos, creem na inerrância da Bíblia, assim sendo, também no fato da Criação como descrita em Gênesis.
Essa talvez seja menos polêmcia que a questão do aborto, esse sim é um ponto sobre qual o cristão não deve abrir mão. Há quem diga que não tem problema ser cristão e ser a favor do aborto, há também quem diga que não há probemas em ser cristão e ser evolucionista, pois bem, sobre a evolução podem se tomar várias linhas de pensamento, sobre o aborto a questão é, do ponto de vista moral, mais séria, a vida não pertence ao homem, Deus é quem pode entregá-la e tomá-la.Que assumam o fruto do pecado, que é a origem de 99,9% dos frutos de aborto, é da prostituição, do sexo sem compromisso que vem a grande parte de gestações indesejáveis. Isso ainda é pecado para os cristãos não é? Pelo menos para a maioria.

Sobre Marina Silva como canditada o que sabemos de bom é que tem uma conduta séria, não tem um passado de trevas como o da Dilma mas, como você colocou, deve-se analisar as propostas da Senadora do PV, só assim podermos avaliar se ela merece ou não nosso voto.

Abraço.

Guilherme Scalzilli disse...

Sobre o delírio Marina Silva

Jamais discutirei a biografia, o caráter ou as intenções da ex-ministra, que nada têm a ver com pretensões eleitorais.
Sua candidatura não tem chance real de sucesso por inúmeros motivos. Faltam-lhe uma aliança partidária abrangente, tempos de rádio e TV, investimentos, palanques regionais, militância numerosa e qualificada. A experiência e o perfil de Heloísa Helena a sufocam ou, na melhor das hipóteses, anulam suas especificidades. E, convenhamos, atrair Gilberto Gil, Protógenes Queiroz ou Nelson Mandela não trará enormes benefícios junto a eleitorado majoritariamente conservador e preconceituoso.
Um projeto monotemático (seja ambiental ou qualquer outro) é insuficiente para empreitada desse porte. O pretenso diferencial da “honestidade” e do apelo moral pode ser encontrado em todo e qualquer discurso de campanha. E bastará revelar as ligações de Marina com a igreja evangélica e outros misticismos ultraconservadores para que ela perca o deslumbramento do eleitor progressista.
Quem ignora essas dificuldades insanáveis está ludibriando o distinto público.
Ademais, há sim o fator político. Sua militância reagirá bem quando ela sair na foto abraçada com Zequinha Sarney? Marina subirá no palanque fluminense do neotucano Fernando Gabeira, junto a lideranças do DEM (PFL) e do PSDB local? Como se portará em São Paulo, onde o PV apóia José Serra e Gilberto Kassab? Será omissa no segundo turno, prejudicando seu antigo partido e favorecendo o retorno da “direita liberal” que tanto combateu?
Até as pranchetas do Datafolha sabem que a disputa presidencial será plebiscitária e polarizada; feliz ou infelizmente, Marina permanecerá apartada desse embate. A imprensa serrista comemora sua pré-candidatura porque ainda parece conveniente para dividir os votos de Dilma Rousseff. É só Marina começar a enfraquecer José Serra que o bondoso governador tratora tudo e acaba com essa brincadeira sem graça.

Marcos Vieira disse...

Prezados,

Lembrando o Robinson Cavalcanti, eleição presidencial não é candidatura para presbítero de igreja nem superintendente de escola dominical. Considero não legítima essa especulação sobre as opiniões teológicas da Marina, enquanto analisamos sua possível candidatura à sucessão do Lula. Não é coerente nem tão pouco justo. Isso porque acredito que nosso enfoque como cristãos e cidadãos seria aguardar as propostas políticas da candidata e analisá-las à luz dos valores do Reino de Deus. Julgar a senadora por posições doutrinárias é também injusto na medida que não fazemos o mesmo com outros candidatos. Faça uma pesquisa entre os evangélicos que votaram nas últimas eleições e descubra qual o percentual que ao votar considerou a posição do candidato quanto ao criacionismo ou o aborto. Balela!! Existem muitos eminentes homens públicos criacionistas e anti-aborto, evangélicos ou não, que no entanto não possuem o comportamento ético e moral que se espera de uma pessoa de bem. Não querem que as crianças morram antes de nascer, preferem que elas morram depois... de fome e de abandono (situação essa a que elses muito contribuem com suas falcatruas e maracutaias). O que me parece é que a pequena Marina tem incomodado gigantes não só da política mas também da chamada Igreja Evangélica. Começou srs e vai aumentar a propaganda contra a Senadora que "não defende o criacionismo e milita num partido que defende a liberação da maconha" (como se os outros partidos fossem imaculados). Que o PV é pequeno, que a candidatura é fraca, que importa? Já valeu o fio de esperança, a volta da utopia. Davi ainda vence Golias.

Anônimo disse...

Olá amigos, não sabendo ainda qual era a religião da Marina, mesmo estando a ultima nas pesquisa, sentir um desejo enorme em votar nela. Nas suas entrevista percebir sinceridade nas suas palavras e a presença de Deus em sua vida. E é isso que O Brasil precisa. pessoas que vai conbater a corrupção no nosso pais. Investindo nas creche e centro de recuperação para viciados, independente se é catolico ou evangelicos. Pois é dessa forma que a violência e crimalidade vai ser combatida.E quanto a sua competencia não tenho duvida para governar o nosso pais.
UMA OBS.:A inteligência as pessoas nasce com ela apenas aprimoramos com os estudos, a Sabedoria vem de Deus. E disso não tenho duvida que a Marina tem de sobra. Poriso convoco os nossos irmãos cristãos a apoiarem a Marina. Edilson Barros de Jequié -Ba.

Anônimo disse...

um absurdo o comentario sobre Dilma completa falta de sabedoria joao paulo mendes.ore preciso muito conversar com voce.