domingo, 13 de setembro de 2009

As rixas assembleianas

Há uma música oficial da denominação Assembleia de Deus que diz: “Muitos ministérios Assembleia tem, mas um só Espírito apascentando vem”. Aí vem a minha indagação: Será? Alguém tem visto essa união no Espírito durante a história assembleiana?

A Assembleia de Deus é formada por diversos “ministérios”, que normalmente não dialogam entre si. Entre esses “ministérios” normalmente não há diferenças doutrinárias. Aliás, normalmente quando surge um ministério novo não é por causa de uma diferença ou divergência teológica, mas simplesmente pela disputa de poder. A questão não é: “Quem está com a interpretação bíblica correta?” Mas sim: “Quem que manda aqui?”. Há exceções, é claro, mas são ressalvas que só confirmam essa regra.

Fruto dessa “mundanização” eclesiástica, muitos ministérios que pertencem a uma mesma convenção não comungam uma com a outra. Em muitas regiões do país, o “ministério Missão” não considera o “ministério Madureira”, aliás, usar a expressão “não considera” é um verdadeiro eufemismo. Para muitos existe um clima de completa rivalidade. Ministérios de uma mesma convenção (CGADB), como no estado de Pernambuco, não comungam entre si. O “ministério de Recife” não se aproxima do “ministério de Abreu e Lima”, por exemplo.

Certa vez um irmão de Pernambuco me disse: “Se algum membro da minha igreja fosse visitar o outro ministério sem autorização do pastor local, essa pessoa poderia sofrer uma disciplina”. Eu logo respondi: “Isso é um completo absurdo”.

A minha pergunta é simples: Como considerar cristianismo esse tipo de divisão? Primeiro que os “ministérios” surgem como disputa de poder, depois estes começam a digladiar entre si e logo até disciplinam os “rebeldes” que visitam “aquela outra igreja”. Um abismo chama outro abismo. Uma “mundanização” chama outra “mundanização”. Como falar em santidade no meio desse clima de rixa? Engraçado que são justamente essas igrejas que se consideram “o paladino da moralidade”. Ledo engano desses coitados!

Graças ao bom Deus que essa não é uma realidade presente em toda a Assembleia de Deus no Brasil, mas infelizmente esses vícios malditos persistem em algumas regiões desse país.

7 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Gutierrez Siqueira,
A Paz do Senhor!

Duro, porém realista seu texto!

Infelizmente, isso nada tem a ver nem com doutrina, muito menos com o povo, mas uma guerra de líderes.

No meio dessa batalha muitos se perdem, mas tais líderes prestarão conta diante do Grande Juiz, pela introdução do espírito mundano, na administraçao do que é santo.

Um grande abraço!

Pr. Carlos Roberto

sandre disse...

Não é uma realidade de toda a Assembléia de Deus, mas em todas as regiões isto acontece infelizmente.
Infelizmente a luta pelo poder, vale mais do que o serviço cristão.

Sandre

Anônimo disse...

paz caro gutierres ! é o tal imperacionalismo ou monopolio mundano " " empresas ditas evangelicas " querendo apenas a formação de uma potencia mundial religiosa " se esqueçem que somos um corpo em cristo uns ligados aos outros pela unidade do ESPIRITO ...oh quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em comunhão diz o salmistas !!! voltemos pois aos tempos apóstolicos e vivamos em comunhão no partir do pão e nas orações !!!!



df: brasilia

BLOG DO Pr. EZEQUIEL DA SILVA / ES disse...

IDEALISMO

Uma nova geração, creio, está sendo levantada por Deus para o governo da igreja no Brasil.

Fazemos parte dessa geração: geração de mudanças, geração que não aceita o imperialismo cristão mas que aceita a liderança cristã, geração que está disposta a fazer a VERDADEIRA Obra de Deus, geração de Ministros comprometidos com a Palavra de Cristo, que seja verdadeiramente discípulos dEle, ministros pregadores, líderes não arrogantes, gananciosos, ávidos pelo poder, mas temente a Deus. geração de Pregadores que atentam para as sagradas letras e não fica ensinando ou pregando "besteirol" nos púlpitos.

Quem coloca é Deus e quem tira também é Ele... Mas o que vemos é o "daqui não saio e daqui ninguém me tira" - "só na alça do caixão". E ainda dizem: "A igreja é minha". "Eu sou o fundador". O problema, meus queridos, é a eternidade... É o acerto de contas.

A igreja tem sofrido com esse o farisaísmo cristão - o discurso, a pregação, o ensino é um e a conduta, o exemplo, o testemunho é outro bem diferente.

Não adianta dizer para os ministros nas convenções que a "minha igreja" não tem isso ou aquilo mas a "igreja de fulano, hum..." Isso é balela. Farisaímo e palanque político para eleições. As AD's tem um perfil doutrinário padrão, mas no quesito costumes já não tem como segurar mais, até porque muita coisa é tradicionalismo mesclado com má interpretação da Bíblia e outras cultura humana. na verdade estamos iguais a outras seitas: "se mudarmos isso como fica a nossa "tradição" "perderemos o espaço".

Ah, aquele tempo que se foi: "pareceu bem ao Espírito Santo e a nós... Hoje é politicagem pura. Sede insaciável pela permanência no poder eclesiástico.

É pena que esses senhores não "gastam o precioso tempo" deles navegando nos blogs e sites.

Meus caros, sou assembleiano de nascimento. A denominação é ótima na sua proposta teológica pentecostal, tem uma história, e a História não se apaga. ninguém pode mudar isto...

Sinceramente fico "irado" quando falam da AD. e às vezes não de forma construtiva mas depreciativa (o que não é o caso em questão). As outras religiões e seitas escondem o seus podres e defeitos, e nós queremos expor de maneira flagrante. O dia que alguém não estiver satisfeito nela e ver que seus ideais estão conflitantes, não é obrigado a ficar...

Resta-nos ORARMOS e CLAMARMOS e TRABALHARMOS, certamente ao seu tempo Deus nos ouvirá e colocará as coisas em ordem.

A MISSÃO QUASE IMPOSSÌVEL MEUS COLEGAS ESTÁ CONOSCO, NóS É QUE FOMOS ESCOLHIDOS PARA MUDAR ESSE CENÁRIO.
SE NÃO NOS CORROMPERMOS TAMBÉM...

BLOG DO Pr. EZEQUIEL DA SILVA / ES disse...

IDEALISMO

Uma nova geração, creio, está sendo levantada por Deus para o governo da igreja no Brasil.

Fazemos parte dessa geração: geração de mudanças, geração que não aceita o imperialismo cristão mas que aceita a liderança cristã, geração que está disposta a fazer a VERDADEIRA Obra de Deus, geração de Ministros comprometidos com a Palavra de Cristo, que seja verdadeiramente discípulos dEle, ministros pregadores, líderes não arrogantes, gananciosos, ávidos pelo poder, mas temente a Deus. geração de Pregadores que atentam para as sagradas letras e não fica ensinando ou pregando "besteirol" nos púlpitos.

Quem coloca é Deus e quem tira também é Ele... Mas o que vemos é o "daqui não saio e daqui ninguém me tira" - "só na alça do caixão". E ainda dizem: "A igreja é minha". "Eu sou o fundador". O problema, meus queridos, é a eternidade... É o acerto de contas.

A igreja tem sofrido com esse o farisaísmo cristão - o discurso, a pregação, o ensino é um e a conduta, o exemplo, o testemunho é outro bem diferente.

Não adianta dizer para os ministros nas convenções que a "minha igreja" não tem isso ou aquilo mas a "igreja de fulano, hum..." Isso é balela. Farisaímo e palanque político para eleições. As AD's tem um perfil doutrinário padrão, mas no quesito costumes já não tem como segurar mais, até porque muita coisa é tradicionalismo mesclado com má interpretação da Bíblia e outras cultura humana. na verdade estamos iguais a outras seitas: "se mudarmos isso como fica a nossa "tradição" "perderemos o espaço".

Ah, aquele tempo que se foi: "pareceu bem ao Espírito Santo e a nós... Hoje é politicagem pura. Sede insaciável pela permanência no poder eclesiástico.

É pena que esses senhores não "gastam o precioso tempo" deles navegando nos blogs e sites.

Meus caros, sou assembleiano de nascimento. A denominação é ótima na sua proposta teológica pentecostal, tem uma história, e a História não se apaga. ninguém pode mudar isto...

Sinceramente fico "irado" quando falam da AD. e às vezes não de forma construtiva mas depreciativa (o que não é o caso em questão). As outras religiões e seitas escondem o seus podres e defeitos, e nós queremos expor de maneira flagrante. O dia que alguém não estiver satisfeito nela e ver que seus ideais estão conflitantes, não é obrigado a ficar...

Resta-nos ORARMOS e CLAMARMOS e TRABALHARMOS, certamente ao seu tempo Deus nos ouvirá e colocará as coisas em ordem.

A MISSÃO QUASE IMPOSSÌVEL MEUS COLEGAS ESTÁ CONOSCO, NóS É QUE FOMOS ESCOLHIDOS PARA MUDAR ESSE CENÁRIO.
SE NÃO NOS CORROMPERMOS TAMBÉM...

izeldaraujo disse...

Caro pastor Ezequiel e demais leitores deste blog, será que o reino de Deus é liderança eclesiástica?!
Deus está levantando e usando uma geração de servos* que está indo pelas saídas dos caminhos convidando a todos quantos encontrar para participar das BODAS, pois a ceia já está pronta, mas os convidados estão muito ocupados com seus próprios negócios. Precisamos sentir compaixão pelos perdidos e amar como Cristo amou, entregando-nos por amor, como Ele se entregou, não buscando cargos de liderança dado por homens, mas estando na frente da batalha, no lance imprevisto, como diz o hino 212 da harpa cristã assembleiana. AMANDO E LEVANDO A MENSAGEM DA CRUZ, até trocar por uma coroa de VIDA ETERNA COM CRISTO.
Abraço fraterno.
* os servos são poucos, como são poucos os escolhidos.

Mario Sérgio disse...

Realmente a situação da Assembleia de Deus é essa mesmo. Muitos dos nossos líderes pregam maravilhas, mas praticam outra totalmente diferente. Ainda bem que nosso povo é crente mesmo! Pois se considerasse de verdade muitas coisas não contribuiria e nem mesmo pertenceria mais a denominação.