quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Que horror! Eu não quero ser progressista Parte 02

Se para ser “progressista” eu preciso defender bandeiras ligadas a grupos políticos desprovidos de uma cosmovisão bíblica, então não posso cair nessa. Ora, como compartilhar visões antagônicas com as verdades cristãs? Quanta incoerência daqueles que condenam as guerras, enquanto defendem o aborto, por exemplo. Tudo isso não é matar? Tudo isso não é viver pela espada? A bomba que queima uma criança é mais cruel que uma agulha que fura a cabeça de um feto? O processo que destrói o embrião não é tão feio como um caça que explode uma humilde e inocente residência habitada por uma pacata família? E a defesa da morte de Terri Schiavo, aquela que o marido queria a eutanásia, enquanto os pais queriam a vida dela para cuidar? Quem ganhou? Sim, o senhor Michael Schiavo, esposo dela, que detinha a tutela legal. Ele preferiu a morte da esposa a entregar a tutela para os pais. Isso é ser “progressista”? Não, isso é ser um monstro!


Se para ser “progressista” eu preciso defender as bandeiras do atraso, como a paternidade do Estado, o populismo dos demagogos, a aversão à imprensa “golpista” e um raiva camuflada à democracia (esse valor burguês, como dizia os trotskistas), então fujo desse totalitarismo disfarçado de revolução.


Se para ser “progressista” eu necessito suplantar a doutrina do pecado original, argumentando, segundo a cartilha de Rousseau, que o homem nasce bom e a sociedade o corrompe, assim acreditando ingenuamente numa pureza do homem... Realmente eu não posso compartilhar dessa ideia. Mesmo acreditando que o homem ainda possui a Imagem de Deus. Agora, não há pureza total na humanidade, apesar da beleza natural que cada um flui. Sim, o homem é um desgraçado pecador ao mesmo tempo em que expressa traços da Imagem de Deus. Ora, como dizia o grande romancista Gilbert Keith Chesterton, o “pecado original” é a única doutrina que podemos enxergar e provar no dia a dia. Como então negá-la?


Quer horror! Eu prefiro ser um “reacionário” a abraçar esse tipo de “progresso”!

2 comentários:

Duda Serra disse...

Lendo esses dois textos, veio-me à memória a Ex-ministra Marina, a qual é militante de partidos "progressistas" assumidamente defensores do aborto, homosseualismo, dentre outras práticas condenadas pela Palavra de Deus.
Acho-a séria, mas vejo uma certa contradição nesse posicionamento político dela.

Isaias Medeiros disse...

Que Deus te "conserve" "reacionário". Abraços.