quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Modéstia: uma virtude cristã

Há poucos dias vi uma garota evangélica, que deve ter entre 13 e 16 anos, com um aspecto sombrio. Com uma saia muito longa e com uma blusa de frio (em pleno calor), essa garota ainda apresentava um cabelo enorme e uma timidez de espantar qualquer um. Uma pessoa incapaz de olhar em seu olho, pois parece que está em constante estado de culpa. Além disso, ela não expressava sorriso no rosto, mas sim um peso horrível. Isso é o maldito legalismo que escraviza muitos religiosos, que não compreendem a Graça de Deus.


Engraçado que a Bíblia nos ensina a modéstia. Ou seja, uma mulher (e homem também) não deve ser devasso e lascivo, no trato, nas maneiras, nos usos e nem nas palavras. Agora, a modéstia também nos ensina que o outro extremo chamado de legalismo, é uma quebra dos princípios bíblicos, pois simplesmente fere qualquer equilíbrio, que é o melhor sinônimo para modéstia. Ambos, o libertino e o legalismo, estão completamente fora da Graça de Deus. O problema é que o legalista acha que com ele está tudo bem. Enganado e enganador!

Deus nos livre desses extremos.


Leia uma reflexão parecida do pastor Ciro Zibordi.


http://cirozibordi.blogspot.com/2009/11/nem-liberalismo-nem-legalismo.html

3 comentários:

Daladier Lima disse...

Nem liberal, nem radical, equilibrado. É o padrão da Palavra de Deus.

Só uma ressalva-paródia: a Globo chega num rincão onde o Luz para Todos está instalando energia e diz: - Olhem, vejam como essa família esteve alienada da programação televisiva. Aqui não havia energia, etc e tal. Vamos assistir como será o primeiro dia com televisão para seu Fulano e dona Fulana.

E tome Globo na telinha da TV.
Resultado: Dormiam e acordavam cedo, eram saudáveis. Agora vão acompanhar novelas e viver na pele o consumismo, dormir tarde, sofrer virtualidades, encher-se de olheiras. Ou seja, eram felizes com o que tinham.

Cristiano Silva disse...

Acho que o libertino também acha que com ele está tudo bem... :)

Até que, pela Graça de Deus, ele abre os olhos e vê que não está.

Boa reflexão. God bless.

Elizeu Rodrigues disse...

Pena que o meu querido jovem editor cresceu em uma igreja AD já apostatada daqueles princípios os quais muitos matou: roupa, cabelo, jóias, esportes, etc.

Hoje, aquela modéstia ensinada em minha época é tratada com desprezo e com mãos de ferro por aqueles que num passado próximo ratificavam como certo.

Assim creio que será daqui uns trinta anos, com tudo aquilo que tentamos dizer ser errado hoje. Moda? Tendência? Pré-...? Pós-...?