domingo, 22 de novembro de 2009

PLC 122/2006 e o “politicamente correto”

Atores de cabelos lisos não podem fazer comerciais na televisão, pois constrangem aqueles de cabelos crespos. Atores magros precisam engordar para aparecer na tela. Motivo? Para não humilhar aqueles acima do peso. Também, são proibidos os comerciais de doces, refrigerantes, bebidas alcoólicas e outras coisas que fazem mal, pois o governo acha que as pessoas não sabem se cuidar, e nem fazer as suas escolhas. Eis que estamos diante do “politicamente correto”.


A correção política é um fenômeno novo, que busca freneticamente uma linguagem “neutra” para não soar como discriminatório e preconceituoso. Nesse ambiente, aí daqueles que discordarem do homossexualismo (aliás, aí daquele que chamam “homossexualismo”, pois o politicamente correto é falar “homossexualidade”). Logo, esse é homofóbico, inimigo do Estado, um ser alienígena, religioso fanático e talvez um membro disfarçado do Taleban no Brasil. Quanta bobagem! Nunca vi um crente maltratando um homossexual pelo seu estilo de vida. Alguém já viu? Se você viu é uma exceção, e não regra. Logo, se os 30 milhões de evangélicos desse país estivessem em uma cruzada contra gays, logo logo os homossexuais acabariam.Cada uma!


Infelizmente, muitos cristãos defendem o “politicamente correto”. Nesse sentido, não sabem o que isso representa como perigo. Por exemplo, você achou boa a indicação classificativa em programas de televisão? É bem provável que muitos cristãos gostaram da medida. Mas isso é péssimo. É o governo dizendo: “Eu sei o que o seu filho pode ou não assistir”. Você vai confiar a educação do seu filho ao governo? Outro exemplo. Você gostou quando a propaganda de cigarro foi proibida na televisão? É bem provável que sim. Então, você é mais um daqueles que acreditam em uma força condutora da propaganda. Para que a propaganda não conduza o homem a fazer aquilo que não quer, então vem um governo salvador proibindo a campanha manipuladora da multinacional do cigarro. Que lindo, hein? Não há nada de lindo. É mais uma vez o governo insistindo em determinar o que você assisti ou não, como se você fosse uma criança acrítica.


Quando eu era criança, sempre assisti comerciais de cigarro na televisão. Achava o máximo. Lembro até hoje de um comercial do cigarro Hollywood que utilizava um carro da Formula Indy. Isso fez de mim um fumante? É claro que não. Apesar de gostar da propaganda, eu tinha senso crítico suficiente para saber que cigarro fazia muito mal para o meu corpo. E olha, eu tinha apenas sete anos, pois a educação já vinha dos pais. Aqueles que já tinham vontade de fumar usavam a propaganda como desculpa. Então, quando proibido os comerciais, isso sinalizou que são os governantes os entes da sabedoria que sabem discernir o que devo ou não ver.


Ora, educar é papel dos pais. Não é papel de leis. Leis e mais leis fazem os governos mais fortes e propensos para o autoritarismo. Passam a mandar nos detalhes de sua vida. Tome cuidado com isso! Aqueles que defendiam o fim da propaganda de cigarro (que é asqueroso e um vício terrível), agora falam em homofobia. Amanhã, vão querer ensinar para o seu filho os conceitos de certo e errado. Depois vão passar filmes obrigatórios para as crianças, onde casais “plurais se beijam em eterno amor”. Depois vão querer reescrever os “textos homofóbicos” da sua Bíblia... É o maldito “politicamente correto”.


Não caia na ladainha catequética dos governos que querem mandar até naquilo que vocês pensam. Não defendam o politicamente correto. Espero que tenha sido claro. Não estou defendendo o cigarro, nem palavras de baixo calão, muito menos que você seja mal educado com homossexuais. Só estou dizendo que não precisamos da tutela do estado para nos ensinar bons modos. Abaixo tudo isso!


A PLC 122/2006 é, em alguns de seus pontos, uma quebra do Estado Democrático de Direito, pois quer uniformizar uma forma de pensar. Nada mais asqueroso. Nada mais patético e autoritário. Só lembrando que o getulismo, o bolivarianismo, o facismo e outros ismos totalitários começaram assim! A PLC 122/2006 é mais uma noiva de Chucky do "politicamente correto".

4 comentários:

Cristiano Silva disse...

"Você achou boa a indicação classificativa em programas de televisão?"

Em relação à isso, não vejo problemas. O governo no caso faz só um trabalho informativo, assim como a Christianity Today, ao fazer resenha de filmes, também informa a sua classificação etária para conhecimento dos pais.

Com certeza, a educação deve vir dos pais, independente do que está sendo veículado ou não na TV. E, para mim, estamos numa espécie de círculo vicioso, onde o Governo, em outras áreas, está tomando o lugar dos pais... e estes também estão deixando. Isso não aconteceu comigo, e como você disse também não aconteceu com você (teve o privilégio de também ser criado por pais crentes?), mas sejamos sinceros, na maioria dos casos não tem sido mais assim. É a TV, ou os outros, quem tem educado, tanto pais quanto filhos.

Abraços.

ademir ferreira disse...

paz do Senhor
concordo com o irmão cristiano

Com certeza, a educação deve vir dos pais, independente do que está sendo veículado ou não na TV. E, para mim, estamos numa espécie de círculo vicioso, onde o Governo, em outras áreas, está tomando o lugar dos pais... e estes também estão deixando. Isso não aconteceu comigo, e como você disse também não aconteceu com você (teve o privilégio de também ser criado por pais crentes?), mas sejamos sinceros, na maioria dos casos não tem sido mais assim. É a TV, ou os outros, quem tem educado, tanto pais quanto filhos.

acho que você foi salgado demais irmão gutierrez

leo268 disse...

eu sou excepção... eu já fui um evangélico homofóbico, mas tive minha mente transformada pela graça de Deus, hoje em dia tenho amigos homossexuais e não os condeno... e eu sei que ainda rola mt preconceito mesmo da parte d mts evangelicos...
que fique claro q eu nao aprovo a homossexualidade do ponto de vista bíblico eh errado! mas não posso concordar com vc que n há preconceito por parte dos evangelicos!
e tbm sou contra a lei, ela soh gera mais preconceito!

Vicente de Paulo disse...

Paz do Senhor, parabens pela boa postagem!