domingo, 31 de janeiro de 2010

Almoço, Preconceito e Humildade


Há alguns anos fui convidado por um colega da igreja para almoçar em sua casa. Depois do almoço, saí da cozinha e sentei no sofá da sala. Na mesa de centro tinha um exemplar da Bíblia Shedd. Então, comecei a folhear aquela Bíblia de estudo. Enquanto lia algumas notas escritas pelo Dr. Russell P. Shedd, o meu colega entrou na sala, e comentei: "Legal, você tem uma Bíblia Shedd. Ela é muito boa". Meu colega respondeu: "É, realmente. Mas eu não leio as notas escritas pelo Shedd. Sabe, esses teólogos são muitos orgulhosos. Não quero ler pessoas movidas pelo orgulho". Fiquei espantado com a fala dele, mas mudei de assunto. Alguns minutos depois o meu colega colocou um CD de pregação que ele dizia ser muito bom. O pregador do CD começou a sua fala dizendo, com uma voz grave e ríspida: "Eu não sou como uns pregadores por aí, eu prego a verdade". Então, naquele segundo pensei: "Nossa, ele não lê Shedd por causa de um orgulho que especula, mas ouve esse tremendo arrogante". Falei para o meu colega que aquele pregador não era tão bom assim.

Algum tempo depois eu lia a extinta revista Enfoque Gospel. Em uma das edições havia uma entrevista com o pastor Shedd. A repórter Virgínia Rodrigues começou o texto da entrevista com a seguinte frase: "Ele (R. P. Shedd) foi, oficialmente, o primeiro colunista da Enfoque. Em 2001, tive o prazer de lhe fazer o convite pessoalmente em sua própria casa, em São Paulo, onde me recebeu com carinho e toda a humildade, que lhe é constante". Na hora que li essa frase lembrei imediatamente do meu colega. Ele, que especulava o orgulho de Shedd era ouvinte de um pregador arrogante. A especulação do meu colega era completamente equivocada. O preconceito dele não o fazia enxergar o verdadeiro arrogante e orgulhoso da história. Então, nesse último sábado tive o prazer de conversar rapidamente com o Dr. Shedd, e pedi um autógrafo. Já pedi a assinatura de livros para vários escritores evangélicos, mas o Dr. Shedd foi um dos mais atenciosos. Enquanto recebia a assinatura, com um largo sozinho, lembrei novamente daquele almoço de anos atrás.

5 comentários:

Kleiton Álvaro disse...

Amém meu irmão. Você escreve muito bem. Sabe realmente repassar aquilo que está pensando. Ainda não tive o prazer de manusear essa Bíblia de Estudo com detalhes. Mas acredito, por referências que tenho que a mesma deve ser muito boa.

Leonardo Gonçalves disse...

Tem certeza que as notas foram escritas pelo Russel Sheed?

Gutierres Siqueira disse...

Leonardo,

Como a maioria das Bíblias de estudo, a Bíblia Shedd foi escrita por várias pessoas, mas sob a edição do Dr. Shedd. O amigo leitor Matias Heidmann até me lembrou que as notas sobre Mateus foram escritas por Enéas Tognini.

Abraços

Anônimo disse...

Conheço pouco do pastor shedd, mas sei de uma vez em que ele foi à Turquia(um pastor amigo meu lá estava) e começou a chamar os católicos que lá estavam de irmãos. Isso realmente me deixou crer que suas ideias eram voltadas para o ecumenismo. Não sei o que o pastor Shedd pensa sobre o ecumenismo, mas a sua acção e palavras provaram talvez um pouco desta sua inclinação.

Abraços, parabéns pelo seu blog.
P.S.: Gostaria também muito de o conhecer pessoalmente.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Gutierres

É verdade. Que triste verdade!

Tenho que concordar. A maioria dos crentes de hoje em dia vivem de pressupostos. Falam por suposições precipitadas, vivem as suas vidas cristãs baseados nessas meras suposições apressadas.

Estes cristãos, diante de quase tudo, sem pensar muito, logo asseveram que algo ou alguém é bom ou ruim apenas pela primeira impressão, não verificam se estão errados ou certos em suas opiniões.

Os precipitados deveriam lembrar as palavras do profeta Jeremias, que nos alertou afirmando que o coração engana. E também do que Paulo escreveu aos irmãos tessalônicos, o apóstolo mandou examinar tudo antes de qualquer rejeição ou retenção (Jeremias 17.5-9; 1ª Tessalonicenses 5.21).

Abraço.

E.A.G.
http://belverede.blospot.com/