domingo, 21 de março de 2010

Chega de tanta oportunidade!

Vamos ouvir o Pedro cantar um hino. Agora vamos ouvir a Maria contar um testemunho. Agora vamos ouvir o João orar pela construção do templo. Agora vamos ouvir o Tiago cantando mais um hino. Agora vamos ouvir a Joana cantar um abençoado louvor. Agora vamos ouvir o grupo das crianças. Agora vamos ouvir o grupo dos adolescentes. Agora vamos ouvir as senhoras do Círculo de Oração. Agora vamos ouvir a mocidade. Agora vamos ouvir o presbítero Marcos com uma saudação. Agora vamos ouvir o hino da oferta pela irmã Joaquina. Agora vamos ouvir a poderosa e suprema Palavra de Deus pelo irmão Lucas...

Ufa. Quanta oportunidade. Aliás, o culto pentecostal quebrou com o exclusivismo cúltico de um clero autodenominado. O que foi um ponto positivo. Mas a custo disto encheu os cultos de oportunidades e mais oportunidades. O que é um ponto bem negativo. Quem não recebe fica até magoado. É um “vamos ouvir” sem fim. O culto fica mais como um desfile de pessoas que querem alcançar o microfone. Chega de tanta oportunidade!

Associada a essas oportunidades sem fim é a suposta direção do Espírito Santo. Deus chama na hora quem vai cantar, pregar, orar, contar testemunhos. Nada pode ser planejado. Nisso ouvimos gente que não têm nada para cantar ou pregar. Resumindo: Tempo perdido, “culto” desfocado, desordem e falta completa de edificação. Chega de tanta oportunidade!

Por que não organizar um grupo de pessoas talentosas e dedicadas para o louvor da igreja? Sendo um grupo fixo que se dedicaria exclusivamente para tão importante parte do culto. Por que não montar uma simples tabela dos pregadores do mês? Pessoas que podem se dedicar em oração e estudo da Palavra para aquele fim específico. Por que não organizar algo tão simples?

A organização sem liturgismo engessado é uma bênção. Quando os pentecostais vão entender isso?

15 comentários:

Cleison Brügger de Oliveira. disse...

"Fiz-me acaso vosso inimigo, por falar a verdade?" (Palavras de Paulo, aos Gálatas).

Paz Gutierres..
Concordo plenamente com você!
E não tenho nada a dizer, senão concordar com tudo o que foi exposto acima.

Cleber disse...

Manão,
pelo que sei apenas a Assembléia ainda insiste nesse modelo. Os demais pentecostais já entenderam.

Pr Cleber
http://confraria-pentecostal.blogspot.com/

Daniel disse...

Lindão o post, mas não entendi isto: "o culto pentecostal quebrou com o exclusivismo cúltico de um clero autodenominado." Será mesmo que foi o culto pentecostal que acabou com isso (se é que entendi bem a colocação)?

zwinglio rodrigues disse...

Gutierres, paz!

Esse negócio de oportunidade é um suplício... não trabalho com isso... a não ser em uma data, digamos, comemorativa... mas isso se reduz a apenas ao trabalho da igreja local... tudo deve ser previamente bem elaborado... quanto aos colegas de outro ministério que prestigiam tal "culto comemorativo", eu não dou oportunidade a cada um... se fizer isso teremos um sem número de pregações fragmentadas... e o tempo vai pro espaço...
*
Abraços!

Gutierres Siqueira disse...

Caro Daniel,

As igrejas tradicionais dividiam os participantes do culto em leigos e clero. Somente o clero tinha “oportunidade”. Tal herança era católica romana, mas não cristã. Hoje já não é assim. As igrejas tradicionais estão mais flexíveis, até mesmo a Igreja Católica. O pentecostalismo ajudou a quebrar essas barreiras entre clero e leigos, já que leigos (incluindo mulheres) passaram a ter maior participação no culto.

marcoscosta disse...

a paz gutierres..
concordo com vc sobre esta negocio de oportunidade, vamos agradar a Deus e nao aos homens, legal teu blog primeira vez que vejo continuarei ti acompnhando nessa jornada pentecostal....

Lindiberg de Oliveira disse...

Essa questão de oportunidades causa muita divisão e inveja entre os próprios membros.
Em se tratando da tabela de pregadores, é algo que tinha que existir, pois, muitos são chamados para pregar em ultima hora.

Daniel disse...

Gutierres, que a ICAR fazia isso (e ainda faz, exceto pelo movimento carismático) eu sabia. Mas em meus 30 anos de vida e conhecimento considerável sobre as igrejas tradicionais nunca li nada parecido que tenha perdurado até o início do século XX... Pode ter sido uma realidade em tempos imediatamente à Reforma, mas penso que essa "abertura" não seja exclusividade dos pentecostais.

quener silva disse...

gostei do desabafo, vou te ajudar a desabafar, quem sabe a liderança acorda e para de fazer de conta que nada esta acontecendo, infelizmente ja via situação constrangedora que se não for dado uma oportunidade o irmão vai para outra igreja. Ai com medo os pastores recuam, manda os desejosos por oportunidade ir em algum programa de calouros lá tem oportunidade.Os cultos perderam o foco infelizmente o que deveria adorar veio para receber oportunidade senhor tenha misericordia deles e ajude a entender que a igreja não é lugar de oportunidade e sim de adoração.
Finalizando voce pode me dar uma oportunidade rsrsrsrsrs. Abraço.

Carlos Manoel disse...

É realmente ridiculo isso em um culto. E não é somente a AD que faz isso, mas também muitas ramificações que sairam dela ainda aderem a esse tipo de culto. Alem de cansativo, estressante, essas igrejas costumam da pouca vasão ao tempo da Palavra pelo fato de quererem ouvir a muitas oportunidades.
Os Históricos não são assim felizmente.

Abraços

Marcio Santos disse...

Temperança é o ideal! Uma liturgia inflexível dá sono, uma liturgia desorganizada tira o brilho do culto racional. Ter um grupo de elite ajuda, mas deve-se estimular novos talentos dentro de um padrão organizado que não precisa obrigatoriamente acontecer em um culto tradicional, mas que seja destinado a descobrir novos dons. A igreja deve ter e promover a liberdade com responsabilidade em tudo!!

Anônimo disse...

Gutierres,

O princípio bíblico implica que os nossos cultos não estão restritos à reunião pública, o culto não ocorre somente quando nos reunimos em um "templo", o culto é o nosso viver diário na presença de Deus, e quando nos reunimos a participãção deve ser comunitária, o que é diferente de uma "liturgia de programas" que falsamente alegam uma participação de todos. Isso não é uma exclusividade pentecostal, é um princípio bíblico. Aliás não vejo que com todas essas participações se quebra o clericalismo, pois vemos dentro da instituição petencostal, como em muitas outras, uma clara distinção entre clero e laicato, essas "participações" não tem objetivo quebrar este paradigma, mas apenas afirmá-lo. Talvez o nosso conceito de culto está disfocado.

francisco disse...

Brilhante texto ! o exagero e que mata
Um culto onde só aquele grupo pre-selecionado tem oportunidade tambem nao é interessante!
Como ficam os irmaos que tem desejo de louva-lo por exemplo aqueles leigos que nao sao tipo profissionais da musica ou oradores de plantao?
Concordo que há exageros em muitos pontos mas a participaçao da congregaçao num culto especifico para esse fim tipo aqueles irmaos sem muita instruçao ?
Isso me faz lembrar aqui no ceara num encerramento de uma convençao chegou um irmaozinho que nao tinha nem sapato, e havia alguns dias que ele pedia a oportunidade para louvar a Deus com seu banjo (instrumento musical tipo violao) de tanto insistir no ultimo dia , no ultimo instante com muito medo deram a oportunidade ao irmao que nao era um PAVAROTI mas quando abriu a boca , nao usou frases de efeito nem musicas tipo de fogo, so louvou com um hino simples RESULTADO Jesus batizou varios com o espirito santo e pastores que brigaram reconciliaram foi um verdadeiro pentecostes que ninguem quis mais sair daquela reuniao

Danilo disse...

Em parte o irmão está com a razão , mas deve ter a participação da congregação, não somente um grupo de pessoas escolhido pela liderança, e os outro talentos na igreja, daqui a pouco só estará um irmão, que dá abertura ao culto,louva a Deus com hino, testemunha, louvo de novo, e traz a mensagem da Palavra de Deus, uma unica pessoa estara fazendo "tudo sozinho".-

Arnaldo Braga disse...

O pior são os congressos em que se dá oportunidade para todas as igrejas visitantes, mais os cantores convidados, mais aquele irmãozinho que está iniciando carreira, mais aquela irmã que se não der faz cara feia, mais aquele pastor que não pode ficar sem oportunidade, mais aquele político que está abrilhantando a festividade...aff...é muita coisa! Às vezes enjoa!