quarta-feira, 17 de março de 2010

A espiritualidade e “A Transparência da Vida Cristã”

O assunto “espiritualidade” é febre hoje em dia. Os evangélicos correm para autores como Brennan Manning, Henry Nouwen e Anselm Grün, sendo todos católicos romanos. Longe de insinuar que nada temos a aprender com eles, quero somente contentar o fato que transparece no nosso meio: Pela forma como esses autores são consumidos, até parece que não temos muitos e bons escritos sobre espiritualidade.

No mundo evangélico certamente o anglicano James Ian Packer é o autor do grande clássico sobre o tema. O livro
Conhecimento de Deus (Mundo Cristão) é marcante dentro desta temática. Outro evangélico relevante é o luterano Dietrich Bonhoeffer, com o livro Discipulado (Sinodal). E como abordagem generalizada do tema, uma boa pedida é a obra Uma Introdução à Espiritualidade Cristã (Editora Vida), do anglicano Alister McGrafh.

Entre os brasileiros, quero neste post recomendar o livro A Transparência da Vida Cristã (CPAD), do pastor e amigo Geremias do Couto. Uma boa dica para quem está estudando o Sermão do Monte e temas como caráter cristão, sexualidade, testemunho, felicidade, ou seja, a espiritualidade de maneira geral. A editora descreve este livro assim:

Em cada capítulo, belas e poéticas descrições do ambiente daquela época nos sugerem como foram os momentos da pregação de Jesus às margens do mar da Galiléia, seguidas por aprofundados estudos sobre seus ensinos, suas simbologias, significados e ilustrações aplicados à nossa vida.

Eis aí algumas dicas. E que avancemos na espiritualidade.

3 comentários:

Anônimo disse...

Gutierres,

Também fico meio tonto com tanto crédito que se dá hoje em dia a autores católicos com o assunto espiritualidade, fico pensando que algo está errado com nosso evangelicalismo porque temos de buscar nos católicos algo deveríamos ter, não que não pudéssemos encontrar uma pérola aqui e acolá nos papistas, mas é que se a espiritualidade deles é tão boa assim será que a ICAR não seria mesmo a Igreja de Cristo e toda a aquela ladainha católico romana...

Então, há de se pensar que nós não temos espiritualidade por isso precisamos recorrer aos católicos, coando cá e acolá uma menção a Maria e outros termos comprometedores a nós protestantes. Mas esse negócio de comer no prato dos romanistas não é coisa nova não, John Wesley adorava autores místicos católicos, e com isso se afastou de algumas nuances protestantes, como por exemplo do monergismo. Mas isso toma outro rumo, mas culpa da leitura dos romanistas.

Para mim um autor de espiritualidade fortemente bíblica é Martyn Lloyd-Jones, por esta razão que o nosso autor teresopolitano o citou tanto. Leia os livros de Lloyd-Jones e irá ter uma idéia o que para mim é espiritualidade protestante bíblica

Emerson Costantini

Anônimo disse...

Gutierres,

Também fico meio tonto com tanto crédito que se dá hoje em dia a autores católicos com o assunto espiritualidade, fico pensando que algo está errado com nosso evangelicalismo porque temos de buscar nos católicos algo deveríamos ter, não que não pudéssemos encontrar uma pérola aqui e acolá nos papistas, mas é que se a espiritualidade deles é tão boa assim será que a ICAR não seria mesmo a Igreja de Cristo e toda a aquela ladainha católico romana...

Então, há de se pensar que nós não temos espiritualidade por isso precisamos recorrer aos católicos, coando cá e acolá uma menção a Maria e outros termos comprometedores a nós protestantes. Mas esse negócio de comer no prato dos romanistas não é coisa nova não, John Wesley adorava autores místicos católicos, e com isso se afastou de algumas nuances protestantes, como por exemplo do monergismo. Mas isso toma outro rumo, mas culpa da leitura dos romanistas.

Para mim um autor de espiritualidade fortemente bíblica é Martyn Lloyd-Jones, por esta razão que o nosso autor teresopolitano o citou tanto. Leia os livros de Lloyd-Jones e irá ter uma idéia o que para mim é espiritualidade protestante bíblica

Emerson Costantini

Emerson Costantini disse...

Gutierres,

Também fico meio tonto com tanto crédito que se dá hoje em dia a autores católicos com o assunto espiritualidade, fico pensando que algo está errado com nosso evangelicalismo porque temos de buscar nos católicos algo deveríamos ter, não que não pudéssemos encontrar uma pérola aqui e acolá nos papistas, mas é que se a espiritualidade deles é tão boa assim será que a ICAR não seria mesmo a Igreja de Cristo e toda a aquela ladainha católico romana...

Então, há de se pensar que nós não temos espiritualidade por isso precisamos recorrer aos católicos, coando cá e acolá uma menção a Maria e outros termos comprometedores a nós protestantes. Mas esse negócio de comer no prato dos romanistas não é coisa nova não, John Wesley adorava autores místicos católicos, e com isso se afastou de algumas nuances protestantes, como por exemplo do monergismo. Mas isso toma outro rumo, mas culpa da leitura dos romanistas.

Para mim um autor de espiritualidade fortemente bíblica é Martyn Lloyd-Jones, por esta razão que o nosso autor teresopolitano o citou tanto. Leia os livros de Lloyd-Jones e irá ter uma idéia o que para mim é espiritualidade protestante bíblica

Emerson Costantini