terça-feira, 27 de abril de 2010

Críticas que são bem-vindas

Na barra ao lado o amigo leitor pode ver que eu recomendo alguns livros para melhor entender o pentecostalismo. A maioria dos livros indicados são de autores pentecostais. Agora, sempre defendo que precisamos dialogar com quem pensa diferente. Levando em conta esse princípio recomendo duas obras que fazem críticas à teologia pentecostal, mas que foram escritas com muito respeito e honestidade intelectual.

O primeiro livro que recomendo é o clássico
Batismo e Plenitude do Espírito Santo (Edições Vida Nova), do escritor anglicano John Stott. De maneira educada e com argumentos de sua tradição histórica, Stott em nenhum momento insinua que os pentecostais sejam crentes de segunda categoria ou atribui o fenômeno das línguas estranhas a uma atuação diabólica na vida dos carismáticos. No decorrer das páginas Stott toma o cuidado de mostrar o seu respeito pelo pentecostais, mesmo discordando quando a doutrina do batismo no Espírito Santo com a segunda bênção subsequente à salvação.

Da mesma forma se comportar o equilibrado teólogo J. I. Packer, também inglês e anglicano, no livro
Na Dinâmica do Espírito (Edições Vida Nova). O Dr. Packer nos lembra, assim como Stott, a importância do caráter cristão na vida daquele que é realmente cheio do Espírito Santo. Mesmo discordando dos pentecostais em alguns pontos, o livro é uma ótima leitura para qualquer pentecostal. São duas obras assim que ajudam no diálogo teológico em questões que não deveriam separar os cristãos.

No melhor da tradição evangélica, Stott e Packer não se preocuparam em colocar pontos secundáriao no patamar de primários. Assim, ambos fugiram do fundamentalismo absurdo que vê o Movimento Pentecostal não como uma parte do mover de Deus, mas sim como agentes satânicos prontos para romper a “pureza” da igreja estabelecida. Então, evangélicos, vamos aprender com esses dois grandes anglicanos que incorporam o espírito do evangelicalismo, que é o respeito e o eterno diálogo em discordâncias secundárias!

5 comentários:

Matias disse...

Os livros por voce citados não são anticarismáticos à la John Mc Arthur (que escreveu o ridículo livro "Os carismáticos"), mas, de certa forma, criticam o pentecostalismo e a validade dos dons espirituais para os dias de hoje. Stott ao escrever sobre o dom de linguas parece insinuar que é algo psicologico, e, raramente, até demoníaco. Acho Stott e Packer formidáveis, mas não na sua Pneumatologia.
O livro de Stott foi escrito nos meados dos anos 60 quando ele tambêm foi confrontado com movimento carismático que estava adentrando a igreja anglicana.

Um autor reformado não pentecostal que escreve bem sobre dons do Espirito Santo é Wayne Grudem ("Teologia Sistemática").

Outros representantes de uma teologia carismática não pentecostal são Mark Driscoll e John Piper.

Agora, para não só criticar, os livros de Stott e Packer são excelentes na abordagem sobre a vida cristã no Espirito Santo. E a relação graça e Espirito Santo.
Algo muito negligenciado na literatura pentecostal. No pentecostalismo o Espirito Santo concede poder e dons (aleluia! concordo 100%), mas a vida cristã é resumida em uma lista de regras (mantidas no "poder" da boa vontade, aí não posso concordar, prefiro a interpretação reformada, e concordo que Calvino foi o grande teólogo sobre o Espirito Santo).
Abraços,
Matias

Eu disse...

Eu recomendo "As Sagradas Escrituras". Pra quem quer descobrir A Verdade mesmo.

Cláudio Muniz disse...

Irmão um tema polêmico, mas para conhecer a verdade, primeiro siga o que Espírito Santo lhe determina, pois o sopro está sobre ti e para um conhecimento mais profundo deve-se ler "/as Sagradas Escrituras".
Amém
http:vidasimpactando.blogspot.com
Cláudio Muniz

Anônimo disse...

Gutierres,

O espírito do crente chato passou por aqui. Amigo, eu ainda não tenho uma pneumatologia bem definida, mas eu gosto muito do entendimento de D. M. Lloyd-Jones, este autor foi para mim e para muitos o maior pregador o séc. XX. Ele tinha opinião diferente de Stott, creio que influenciou muito Piper, Grudem e por aí vai, ele indicava um livro de R. A. Torrey sobre pneumatologia. Depois falo mais sobre o que ele acreditava sobre o Batismo do Espírito Santo.

Anônimo disse...

Desculpe, não me identifiquei na msg sobre Lloyd-Jones.

Emerson Costantini

cost4ntini.wordpress.com/