quinta-feira, 17 de junho de 2010

Cavando a própria cova (Parte 02)

Alguns problemas estão levando à Assembleia de Deus para a própria cova. No primeiro artigo, eu escrevi sobre a falta de capacitação ministerial e a mesquinha disputa de poder no decorrer da história dessa organização quase centenária. Agora, apresento outros problemas:

O legalismo

O legalismo é a tendência de proibir o que a Bíblia não proíbe, simples assim. Na Assembleia de Deus já foi pecado jogar bola, torcer para a seleção, usar maquiagem, assistir televisão, usar adornos, usar calção etc e tal. Aliás, em algumas comunidades essas absurdas proibições persistem. Como isso, essa igreja perdeu tempo com trivialidades e não se preparou para encarar os reais desafios de sua época. Um jovem médio da Assembleia de Deus, aquele que frequenta assiduamente cultos de mocidade, é um sujeito incapaz de fazer voz na sua faculdade, por exemplo. Ora, em lugar de apreender a agir como sal da terra, esse jovem ainda tem que ouvir sobre os perigos advindo do Palmeiras ou Corinthians.

O legalismo é mais ou menos um sujeito preocupado com cor da tinta da cozinha enquanto a comida queima e o gás vaza pela casa. Enquanto pastores falam de maquiagem e futebol, nas Assembleias de Deus mais radicais, os jovens e os crentes em geral não sabem lidar com os desafios do pós-modernismo. Assim, muito se apegam as tradições com aquele papo de quem não lê a Bíblia direito: “Não remova os marcos antigos”.

Liderança centralizadora

A Assembleia de Deus nasceu congregacional (bons tempos), mas hoje é um episcopado coronelista. Os coronéis decidem lá de cima e os outros de baixo que se virem em obedecer. Junto com o coronelismo vem o nepotismo, o amiguismo e outros pecados do chamado jeitinho brasileiro. É a pura falta de ética e um distanciamento do modelo de liderança de Jesus, que serve antes de ser servido. A liderança centralizadora simplesmente age como pequenos déspotas em decisões administrativas, por exemplo.

A Assembleia de Deus não precisa de papas. A comunidade tem que ser livre na sua administração, mesmo com fiscalização. Mas não há lógica que a compra de um copo plástico precise de autorização de uma sede. O que é isso? Uma igreja ou um organismo burocrático do Estado? A autonomia é o caminho.

Conclusão

Se continuar com esses problemas a Assembleia de Deus passará por um centenário sem motivos para a comemoração. Uma igreja em que reina a divisão por poder, o legalismo, o nepotismo, o analfabetismo bíblico, a ética frouxa, a liderança centralizadora, etc... Se continuar assim é simplesmente o fim.

10 comentários:

Matias disse...

Liderança centralizadora... concordo com você, Muitos de nossos líderes são frustrados em suas carreiras seculares e acabam "descontando" na igreja. Viram ditadores. Depois é aquela história de pai ditador passando o ministério para o filho incapaz... Que vergonha!
A liderança centralizadora não é modelo bíblico. Mas hoje parece-me que estamos re-erguendo a classe sacerdotal como na igreja católica. Uma prova é o montão de apóstolos que estão surgindo e que se consideram os "ungidos da hora". Ungido é todo aquele que está em Cristo!
Abraço,
Matias

Dinho disse...

Fico pasmo (pasmo no melhor dos sentidos) com a tua coragem de expor as falhas da tua denominação! Parabens por isso. A triste situação do legalismo é muito forte ainda nos bairros periféricos e no interior do nordeste.

Apenas algumas proibições acabaram nesses lugares. O que vejo é que os usos e costumes de uma igreja localizada em um bairro nobre é bem diferente de uma igreja implantada na periferia. Me preocupo muuito com tal situação, pois sei que a maior parcela dos evangélicos nesse país faz parte da AD.

O pior é que as lideranças não fazem nada para acabar com isso. Sabe Gutierrez, acredito que se ainda fosse possível a essas lideranças antigas manterem aquele legalismo das proibições, eles manteriam. É a essência da denominação para eles. O pensamento deles: "Se a AD foi a denominação que mais cresceu com esses 'bons costumes', é porque Deus os aprova"

Esse é o pensamento de muitos lideres da AD. Infelizmente.

Fica com Deus

ROBSON SILVA disse...

Paz, nobre Gutierrez.

Maravilhosa sua reflexão a respeito do tema... Prescinde comentários!

Não obstante, com relação ao último parágrafo - "Se continuar com esses problemas a Assembleia de Deus passará por um centenário sem motivos para a comemoração" -, temo que "esses problemas" não serão solucionados em um ano, tampouco por ocasião das "festas".

Talvez tenhamos a comemorar justamente pelo fato de, passados cem anos sob um regime patriarcal (para não falar outra coisa), uma Assembleia de Deus tal como a vislumbramos ainda resista, firme e vigorosamente dentro daquela outra Assembleia...

Prova disso é que o Senhor ao longo dos anos, e mais precisamente nestes últimos, tem levantado homens "não-conformados legítimos" (expressão que tomo emprestado do amigo Alberto Couto Filho) para protestar contra este estado de coisas. E não apenas protestar, mas fazer a diferença...

São homens como você, meu amigo, que diante de tão dura realidade, ainda no fulgor da juventude, tem buscado de DEUS (e tem recebido) o discernimento, a sobriedade, a coragem e outros talentos necessários para conduzir a OBRA DO MESTRE pelos anos vindouros - até aquele GRANDE DIA -, que farão a diferença neste início de segundo século de nossa amada AD.

Prossiga nesse Espírito!

O Senhor é contigo!

Forte abraço,

Do amigo,

Robson Silva
Prossigo para o Alvo... Fp 3:14

Leonardo disse...

Parabéns Gutierres...
Você não me conhece, mas há algum tempo acompanho teu blog. Sou um jovem como você e membro da Assembleia de Deus e de fato tem se tornado difícil ser um jovem assembleiano pensante, como você é. Infelizmente vemos muitas coisas que deveriam ser diferentes e já há algum tempo percebemos que a Assembleia não cresce por apego a tradições reacionárias, legalistas e outras simplesmente incorretas.
Está na hora acendermos os corações e a mente de todos os assembleianos para salvarmos essa igreja abençoada e de história tão bela no Brasil.

Leonardo.

a verdade do evangelho disse...

A AD está deixando de ser Assembléia de Deus, para ser Assembléia dos homens. Ela está pagando um alto preço por ter desprezado o estudo Bíblico-teológico e ter se apegado a usos e costumes que de "bons" não tem nada. Muita gente foi lançada fora (excluída) por coisas que hoje não é mais "pecado" na AD. Falaram tanto mal da TV e hoje vivem brigando para pagar caro por uma hora de programa na "caixa do diabo" como diziam os santarrões.

Pb. Edinei, Th.B

Leonel Medeiros disse...

Gutierres,
excelente post.
Tenho dito que é hora da blogosfera assembleiana passar da simples crítica para um postura propositiva, apontando caminhos e posturas para a "AD do futuro".
Concordo que essa renovação passa por dois pontos registrados por vc: a descentralizacao administrativa e o investimento na formação pastoral.
Mas gostaria de ouvir um pouco mais sobre essa origem "congregacional" da AD. Vc tem certeza disso? A impressao que tenho é a de que os antigos campos missionarios estão na raiz dos atuais megacampos ministeriais da AD. Vc não concorda?

Antonio Carlos disse...

Irmão, fiz algumas reflexões enquanto me preparava para fazer um trabalho da facu e compartilho com você.
Situações e ações que são aceitas pelos cristãos, pelas igrejas, mas que à luz da bíblia são consideradas pecado:

1.Comprar Cd e Dvd pirata (em banca de camelô evangélico);
2.Rádio pirata evangélica (tem até revelação... ela vem de Deus?);
3.Baixar filmes, Cds, etc sem a prévia autorização do autor;
4.Ter na Igreja e em casa programas de computador piratas ou sem licença, (o seu Windows XP, Vista ou Windows 7 é original?. O meu não é, tenho que me agir logo);
5.Acreditar que um presidente evangélico vai mudar a nação brasileira;
6.Não pagar bem os funcionários quando se é um empresário;
7.Não cumprir com as suas obrigações como trabalhador;
8.Chegar atrasado no trabalho diariamente (opa! Esse sou eu!);
9.Achar ruim quando o culto demora 10 minutos a mais do que o esperado;
10.Ir à Igreja só aos domingos;
11.Reclamar que o louvor foi ruim;
12.Se irritar achando que a pregação foi muito fraca;
13.Não orar e não ler a bíblia durante a semana;
14.Gostar de pornografia;
15.Ter o hábito de se masturbar;
16.Gostar de olhar a “muguegadha” na rua; (para os homens, estilo peão de obra);
17.Não haver ministérios ou um canal aberto para que estes assuntos possam ser ministrados e discutidos nas igrejas;
18.Proibir determinados comportamentos, maneiras de vestir ou de pensar nas igrejas;
19.Ser liberal e permissivo demais para com as doutrinas do evangelho;
20.Não haver mais Escola Dominical, Cultos de Oração ou de ensino da bíblia dentro das igrejas;
21.Não respeitar a pluralidade do evangelho;
22.Querer ter um canal de Tv, uma igreja gigantesca, com milhares de membros, pluricelular e ser influente no Brasil inteiro;
23.Ser um pregador “untado” na manteiga, cheio do óleo de Geováh e assado na fornalha de Daniel;
24.Carregar bandeiras de denominações, de ministérios ou de igrejas;
25.Não socorrer o pobre, o doente, o seu vizinho, a sua família e a sua casa;
26.Achar que Transferência de Dons, Teologia da Prosperidade, unção disso ou daquilo vem de Deus;
27.Achar que ninguém toca no Ungido do Senhor (deixa Deus saber disso);
28.Achar que todos que se denominam Apóstolos são verdadeiramente apóstolos (que eu saiba só existiram 12);
29.Achar que Deus tem que te restituir algo;
30.Achar que tem a Marca da Promessa;
31.Não haver mais liberdade de pensamento e de crítica dentro da Igreja;
32.Não haver unidade, amor, compaixão entre as igrejas e entre o povo evangélico;
33.Aceitar falsas profecias, falsos profetas, ministros mentirosos e ministérios falidos por amor a alguma coisa que não é o Senhor Jesus;
34.Cantar sobre dízimo, oferta, célula, promessa, vitória, restituição, benção sem fim e esquecer de exaltar e adorar aos reis dos Reis, Senhor dos Senhores;
35.Acreditar que a autoridade máxima na sua vida é o seu Pastor;

Acesse: zumbidoatomico.blogspot.com – O som dos Últimos Dias!!!
Em breve postarei isso lá. Talvez você tenha a sorte de encontrar algo de interessante neste blog.

Gutierres Siqueira disse...

Caro Leonel Medeiros,

Sobre o congregacionalismo na Assembleia de Deus, leia esse artigo que escrevi em abril de 2008:

http://teologiapentecostal.blogspot.com/2008/04/governo-eclesistico-no-meio-pentecostal.html

Professor Rodrigo B. Caires disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
My Blogger.Jaci disse...

Parabéns pastor por essa mensagem.
Nasci numa igreja tradicional e até os dias de hoje continuo firme e convicto, não que também temos nossos erros. O que admirei no senhor é algo que desde pequeno ficava intrigado com os usos e costumes das igrejas pentecostais sem base bíblica, justamente sobre o que o senhor postou. O mundo jaz no maligno (I Jo.5:19) Pecamos desde o amanhecer ao anoitecer, nossa vida deve ser de confissão de pecados. De que adianta viver de aparência se o coração está cheio de pecados não confessados. Deus vê o coração e conhece o caráter de cada um. Muitos líderes tem vivido com máscara, enganando a muitos. No arrebatamento somente subirão os que estão em Cristo e não levarão nada deste mundo. Temos que ensinar nosso povo a viver uma vida justa e piedosa, "Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça.
" Jo.7:24; pregar o evangelho a toda criatura e não ficarmos cobrando do povo "uma santidade aparente". O senhor está de parabéns, vamos trabalhar, vamos salvar e edificar vidas. Em Cristo, Jaci M Carvalho