segunda-feira, 21 de junho de 2010

Saramago e os evangélicos da cabeça oca

Ganhamos um amigo e a fé me diz que ele agora mergulhou naquele Mistério de amor que sempre buscou. (Leonardo Boff sobre José Saramago)

O escritor português José Saramago morreu na última sexta-feira. O único Nobel de literatura na língua de Camões, Saramago reinventou a pontuação e escreveu histórias interessantes. Eu não sou o cara adequado para analisar cada um dos seus livros, mas críticos literários respeitáveis dizem que ele se perdeu nas letras após a fama. Seus primeiros livros são grandemente elogiados, enquanto os últimos era mais um atendimento ao mercado.

Saramago era ateu militante. Era também um comunista, digamos, coerente. Quando editor de um jornal na década de 1970, demitiu todos os jornalistas que não seguiam a cartilha socialista. Logo se vê a sua natureza democrática que tinha o escritor. Defendia com unhas e dentes a ditadura castrista. Acredita nos irmãos Castro mas desacreditava na humanidade, como expressou no criativo livro “Ensaio sobre a Cegueira”. Dizia que a Bíblia era um livro de conselhos perversos. Deus? Era coisa de cabeça ignorante.

Pois bem, Saramago não era muito diferente de outros ateus fundamentalistas. Era arrogante, chato, ideólogo sem direitos humanos, conhecimento bíblico pífio e talentoso naquilo que fez durante a vida. Desculpe, mas não consigo separar muito bem o escritor da pessoa. Essas características me impedem de admirar esse grande escritor. Sim, ele disse verdades, posso reter o bem dos seus escritos, mas jamais o terei como paradigma para a minha vida.

Agora, tem evangélico por aí tão fã do Saramago que já sonha em vê-lo no céu. Não posso julgar a salvação de ninguém, mas o céu é lugar para aqueles que não acreditam na transcendência e que sempre desprezam a pessoa de Jesus Cristo? Como alguém mergulha em um mistério de amor que nunca acreditou? Ou o cristianismo tem critérios ou deixa de deixa de ser cristianismo. Esses pastores e teólogos evangélicos que veem espiritualidade no ateísmo deveriam deixar seus gordos salários de seminários e grandes igrejas e se dedicaram exclusivamente ao ateísmo. Chega dessa hipocrisia cult.

Entre os escritores portugueses ainda prefiro o padre António Vieira e os seus sermões.

Leia mais:

- Comentário sobre a cegueira embevecida, por Reinaldo Azevedo (aqui)

- E agora, José?, por Martim Vasques da Cunha (aqui)

- Cadernos especiais sobre o autor nas edições de sábado (19/06) nos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo.

7 comentários:

Micheline Gomes disse...

Excelente texto!!
Escrevi no meu blog um texto sobre Saramago. Convido-o a passar no blog e conferir. Já sou sua seguidora. Parabéns!!
www.michelineblogs.blogspot.com

Vanessa disse...

Bom texto. Que o Senhor tenha misericórdia de nós a cada dia. Quantas vezes não pecamos e O negamos tanto quanto Saramago? Dá uma passadinha no meu blog também! É novo: http://reformadareformando.blogspot.com/

Graça e paz! (-:

mika disse...

Belo texto!
Para se escrever assim precisa no minimo de conhecimento do que se escreve e o principal:Alma na ponta da caneta,isto é,nos teclados do pc.
Parabéns!

Pb. Luciano Rogerio disse...

Vejo que o irmão é um shofar (buzina) nas mãos de Deus... soando e alertando sobre a verdade... ja coloquei um link do seu blog no meu...
confira o nosso

folhaassembleiana.blogspot.com

outrossim tenho um artigo sobre o nosso pentecostalismo atual, cujo o titulo é "Condicionamento ou Poder de Deus". Se interessar eu envio pra ti...

fica na paz...

Gabybranda disse...

Você crê que o Saramago pode ir pro céu num "mistério de amor" se você é um cristão que leu e amou A Cabana.

Gutierres Siqueira disse...

Gabriela,

Quem afirmou isso foi o Leonardo Boff, e não eu. No texto eu estou contestando essa ideia. Por favor, leia até o final.

Abraços

Luciano Vieira disse...

Respeito Saramago pelo que ele representou para literatura mundial. Porém a ênfase do meu texto está relacionada à postura dele como ateu convicto, e suas polêmicas críticas e esculachos em relação a nossa fé no Criador.

Por mais que suas obras contenham reflexões sobre a cegueira do ser humano, isso não conseguiu mudar em nada a postura da sociedade. Mas sim aumentar os descrentes na fé.

O filme baseado em sua obra, e adaptado para o cinema ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA, tem uma mensagem interessante sobre o que o ser humano é capaz em suas debilidades. Porém isso pode causar choque, pânico, peso de consciência e reconhecimento de limitação. Mas nada que venha a mudar a postura da sociedade.

O que pode curar a cegueira do homem é Jo 8:38. E em 2Co 4:4 mostra de onde provem a cegueira da humanidade.

Respeito os admiradores de Saramago. Mas na minha simples e humilde opinião é que ele sempre esteve no Salmo 14:1.

Em Cristo,
Luciano Vieira