segunda-feira, 7 de junho de 2010

A Síndrome do “Arquivo Confidencial”

Uma mania de igrejas pentecostais, especialmente das Assembleias de Deus, é a comemoração interminável do aniversário dos pastores nos templos e horários dos cultos. Os cultos (?) falam da vida desses pastores, além de homenagens dos familiares, amigos e membros da igreja. Normalmente são duas ou três horas de homenagens e mais homenagens. É o que eu chamo de síndrome do “Arquivo Confidencial”.

Quando eu era criança, eu assistia o Domingão do Faustão, na Rede Globo (como criança eu não tinha muito o que fazer, além dos exercícios escolares, videogame e televisão). Nesse programa existia um quadro chamado “Arquivo Confidencial”. Lá, artistas globais recebiam depoimentos de parentes e amigos exaltando suas qualidades. Ainda criança me via nesse quadro meloso. Depois, vendo comunidades no Orkut, me deparei com uma chamada: “Me via no Arquivo Confidencial”, ou seja, não era somente eu que tinha esse sentimento narcisista. Parece que boa parte das crianças sonhavam com a fama consolidada naquele “arquivo” do Domingão.

Agora, descubro que os pastores também se viam naquele quadro do Faustão. Para isso, eles criaram aquelas intermináveis festas de aniversário. Não, não sou contra a comemoração do aniversário de ninguém, mas só me estranha o fato que nas Assembleias de Deus o aniversário dos pastores já entrou na agenda anual das igrejas, assim como o Natal, o Dia das Mães e o retiro de Carnaval, por exemplo.

No fundo, essas manifestações são parte da crença inconsciente de que os pastores evangélicos são sacerdotes no estilo veterotestamentário ou católico romano. Recebem, por mais que se negue, um tratamento diferenciado dos demais membros da igreja, inclusive aqueles que muitas vezes dedicam tempo e esforço semelhante aos seus líderes.

Quando isso mudará? Difícil responder. Ninguém quer perder uma boquinha; além de brigadeiros, beijinhos, bolos, refrigerantes e massagem no ego.

8 comentários:

Cidinha disse...

Graças á Deus alguém que pensa como eu ,nossa, maior chatice esses aniversários de Pastores.
O Pastor presidente da cidade em que moro,quando faz aniversário é uma rasgação de seda sem limites,prefeito da cidade,deputados vereadores todos o enaltecem ,família,membros da igreja contam sua história (todo ano a mesma coisa)aff!!

Acho que quando chegarem ao céu não vão precisar rebecer galardão,já estão recebendo aqui.
Ach

Dinho disse...

Fico impressionado com o teu aguçado senso critíco! Apesar da tua pouca idade (não estou massageando teu ego hein?! rsrs). Como minha familia é da AD, sei que isso acontece com frenquencia. Realmente é tedioso ter que assitir esses "cultos".

E o que dizer dessa mania horrorosa que surgiu nas igrejas a alguns anos, onde o pastor ou animador diz "olhe para o irmão que etá do seu lado e diga isso; diga aquilo...." Se já é constrangedor para os membros da igreja, imagine para os visitantes não-crentes?!

Sinceramente, é uma idiotice sem tamanho dos nossos pastores.

Fica com Deus

Jacyhara disse...

Eu penso que cada caso é um caso.
Uma coisa é a rasgação de seda, como já escreveram, que muitas vezes é exagerada mesmo.
Mas acho muito bom quando a igreja reconhece o esforço do seu pastor.
A vida pastoral, para aqueles que são pastores de verdade, não é fácil. Esses homens e suas famílias dedicam suas vidas as ovelhas. Então acho que não custa nada uma vez no ano, a Igreja demosntrar sua gratidão e amor, ao seu pastor que se doa tanto durante o ano inteiro.

Greice Amorim disse...

Acho muito bom os membros fazerem um culto de ação de graça ao seu pastor. Não sei o seu, mas o meu pastor é um verdadeiro pastor, como diz Paulo ele se deixa gastar pelas almas (2Co 12:15), e nada mais justo que no dia do seu aniversário a membresia comemore, e valorize o anjo da igreja.

Cristiano - CRiciuma - SC

Dinho disse...

Acontece Jaciara que por mais que um pastor seja esforçado e dedicado, nao lhe dar o direito de ser homenageado num culto inteiro. Na maioria desses cultos, a pregação da palavra fica em segundo plano. Isso é lamentavelmente um fato.

Presb. Fabio Scofield disse...

Olá! Irmão Gutierres, Graça e paz da parte do Senhor Jesus...

Esta é minha primeira visita ao seu maravilhoso trabalho, porem desde já estou te seguindo, tenho certeza que vou me identificar com o seu trabalho; também lhe faço um convite, venha conhecer o meu humilde blog, com certeza os seus comentários irão me motivar a continuar.
Deus te abençoe ricamente...

jurandir alves disse...

Hey Gutierres

Regressando, pois agora sou pai. Concordo que devemos dar honra a quem honra, mas baba egg no! Em minha igreja, o pastor "presidente" exigiu que seja comemorado o aniversario dele com verba da igreja e que se faca programacao especial. (In)felizmente nao pude ir (rsrsr). De ungido, estamos transformando lideres "sacerdotais" em reis com direito a serem eternos no "poder"

Jacyhara disse...

Dinho, acho que vc não prestou atenção quando escrevi e que tb sou contra os exageros. Mas exageros a parte, não vejo nenhum mal em pelo menos uma vez ao ano, a igreja agradecer aquele que o ano inteiro esteve presente, orando, ensinando, visitando os doentes, aconselhando, buscando e levando, providenciando sexta básica para os em dificuldade.
Sabe Dinho,eu achjo que o problema hoje é que temos tantos maus exemplos, e tantos exageros, que ás vezes colocamos "todos no mesmo saco". Mas ainda existem pastores de verdade...Afinal a quem honra, honra neh?
Fica na paz.