domingo, 8 de agosto de 2010

As sete falsificações do arrependimento

Por Mark Driscoll

Deixe-me explicar o que é o que não é arrependimento. Para alguns de vocês, esse assunto será totalmente novo, pois nunca ouviram falar disso. Para outros, essa será a informação que possuem em pedaços de todo o curso de suas vidas. Ainda há aqueles que essa será a oportunidade de rever as coisas que eu ensinei antes, mas que talvez ainda precisem praticar. E para os demais, talvez não conheçam o arrependimento na prática, e isso vai ajudar a esclarecer a sua capacidade de discernir os conselhos. Eu quero que você preste atenção, isso é realmente importante. Se você não sabe o que fazer com o pecado, vai arruinar a sua vida e destruir qualquer um que está ligado a você. Isso é um grande trato.

1. Arrependimento religioso

Assim, o verdadeiro arrependimento não é arrependimento religioso. Arrependimento religioso é esse: "Eu vejo o seu pecado, não o meu. Confesso o seu pecado, não o meu. Estou muito satisfeito com o seu pecado, mas eu realmente não estou preocupado com o meu”. É porque as pessoas religiosas tendem a pensar que elas são justas, piedosas, santas e melhores do que qualquer outra pessoa. O resultado é que elas pensam que são boas, e todos os outros são ruins. E as pessoas religiosas gostam da intromissão, das fofocas, de procurar defeitos na vida alheia, e de “encherem o saco”. Isso é o que as pessoas religiosas fazem. E a maneira como isso funciona é que estão sempre felizes por falar sobre todas as coisas que você fez de errado, mas eles nunca dizem coisas como: "A culpa foi minha. Sinto muito. Eu estava errado”. Alguns de vocês estão casados com essa pessoa, peço desculpas!

Jesus conta uma história de duas pessoas entrando no templo, o equivalente no Velho Testamento a uma igreja, e um ora com os olhos soberbos e cabeça erguida, cheia de orgulho: "Deus, agradeço-lhe que eu não sou como os outros homens. Obrigado que eu sou melhor do que eles são. Obrigado que eu não faço todas essas coisas horríveis”. Ele é alguém confessando o pecado.

Um segundo homem entra na história, e ele não é cheio de orgulho, mas cheio de tristeza. E ele olha para o chão. Sendo que não pode sequer levantar os olhos, mas simplesmente declara: "Deus, tem misericórdia de mim. Eu sou um pecador”. O pecador está lidando com seu próprio pecado, e não de qualquer outro pecado. Ele é cheio de humildade e sem orgulho. E Jesus diz: "Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado". Pessoas religiosas são notórias por ignorar seus próprios pecados, e falar sobre todos os outros, por vezes, expressando-se sob a forma de um pedido de oração, para que fique particularmente santo como não é.

Leia o sermão completo (em inglês) neste link.

Pr. Mark Driscoll é conhecido por divulgar o Novo Calvinismo ou o Movimento Emergente Reformado. Seu livro mais recente é: Doctrine: What Christians Should Believe. Este sermão foi pregado na Mars Hill Church.

9 comentários:

Jean Patrik disse...

Passei aqui para deixar esse video de um herege que tem penetrado em nossas igrejas trasvestido de ovelha sendo lobo.
Veja o video: http://www.youtube.com/watch?v=tTuwpYRYue4&playnext=1&videos=BoNJmmVaI-U&feature=sub

Um grande abraço!!!

Cícero Leandro Júnior disse...

Os sermões de Mark Driscoll são impactantes e cheios da graça de Deus. Falam aquilo que o povo deve ouvir e não aquilo que gostaria de ouvir.

Aprendiz disse...

Abra os olhos, o cara é emergente. A mentira precisa de verdades para se disfarçar.

Há budistas ou espíritas que também dizem coisas verdadeiras e relevantes, e nem por isso vamos trocar a doutrina cristão pelo budismo ou pelo espiritismo. Muito menos eu trocaria a doutrina cristão pela doutrina da igreja emergente.

Gutierres Siqueira disse...

Caro Renato,

Por favor, se informe melhor sobre os emergentes. Faz tempo que Driscoll se afastou dos emergentes à la McLaren. Isso é muito claro nos seus livros e vídeos. Exemplo disso é que todos os anos Driscoll está nas conferências do John Piper.

Gutierres Siqueira disse...

Jean,

Esse sujeito do vídeo nada entende de Bíblia. O cara mistura verdades com mentiras, sendo capaz de enganar somente aqueles que não levam os estudos das Escrituras a sério. Nem história conhece. É um arrogante que pensa ser detentor da verdade enquanto todos os outros estão "enganados".

Já vimos essa história antes.

Aprendiz disse...

Gutierres

Complementando meu comentário anterior, coloco este vídeo de Mark Driscoll:

http://voltemosaoevangelho.blogspot.com/2010/07/mark-driscoll-igreja-emergente.html

Chego à seguinte conclusão: Mark Driscoll está tentando tirar leite de pedra. Ele imagina que as doutrinas anti-cristãs de Maclaren e outros do mesmo naipe são um desvio do movimento emergente. Driscoll está errado. Essas doutrinas heréticas são o núcleo duro do movimento, a sua razão de ser. Não é assim porque eu quero, é assim porque essa é a verdade histórica: O movimento emergente nasceu da convicção pananteista de alguns religiosos católicos, que tiveram experiências budistas e passaram a crer nas doutrinas budistas e da Nova Era.

Driscoll simplesmente não pode mandar embora os donos da festa. Os cristãos sinceros é que estão sobrando aí. A impressão que tenho de Driscoll é que ele é uma pessoa bem intencionada, mas insuficientemente informada. Ou talvez lhe falte lógica para perceber que o movimento emergente é o que é, e que não pode ser consertado.

(-V-) disse...

Gutierres,

Traduzimos o artigo original e legendamos o trecho. Se quiser postar =)

Paz,

Vini

Gutierres Siqueira disse...

oLÁ Vinícius,

Será um prazer postar todo o texto e vídeo traduzidos. Por favor, me passa o link ou por e-mail>

gutierres.siqueira@uol.com.br

Obrigado

(-V-) disse...

Gutierres,

http://voltemosaoevangelho.blogspot.com/2010/07/mark-drsicoll-7-falsificacoes-do.html

Paz.