quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Richard Dawkins Vs Alister McGrath



Um ateu e um cristão debatendo. Ambos ingleses. Ambos da Universidade de Oxford. Veja o vídeo, que mostra como o cristianismo tem bons nomes no mundo acadêmico. O anglicano Alister McGranth tem vários livros em português, publicados pelas editoras Ultimato, Vida Nova, Vida, Mundo Cristão e Loyola.

5 comentários:

Daniel Meurer disse...

A Paz do Senhor!

Eu acho que nesse debate o Alister McGrath não se saiu tão bem. Pareceu meio exitante em muitas respostas.Claro que não estou desfazendo do trabalho de Alister que é muito bom, mas infelizmente neste debate não foi ele tão bem quanto esperava
Eu acho John Lenox quando debateu com Dawkins se saiu bem melhor. É uma pena que o Dawkins não queira debater com o Willian L. Graig (porque sera???,risos)

Daniel Meurer- AD Alvorada-RS

André Tadeu de Oliveira disse...

Gutierres, isto não vale. Eu iria postar este video no meu blog.rsss

Ponto para vc. Ao contrário do irmão acima, acho que McGrath se saiu muito bem. É que ele, como não é fundamentalista, não usou de agressividade. A maior prova do bom desempenho do irlandês, está na forma como Dawkins o tratou, isto é, de forma absolutamente respeitosa. Quem conhece o biólogo inglês sabe o tanto quando ele arrota arogância.

Abraços
André

Paulo C B de Medeiros disse...

Voce esta enganado. Nao vejo arrogancia nenhuma em dizer "mostre-me as evidencias e acredito em qualquer coisa", ao contrario de "apesar das evidencias, nao acredito nisto". Isto e o que os fundamentalistas afirmam, e voce se engana mais uma vez quando tenta caracterizar McGrath como "nao fundamentalista", seja la o que isso signifique. Qualquer um, argumentando sobre qualquer assunto, que afirme "apesar das evidencias nao acredito nisto" e por definicao um fundamentalista. E o Richard Dawkins se destaca exatamente pelo respeito com que trata as pessoas.Voce esta confundindo respeito as pessoas com respeito ao objeto de suas crencas e as proprias crencas. Apenas pense um pouco.

André Tadeu de Oliveira disse...

Paulo, será que Dawkins não é arrogante ? Há uma diferença enorme entre defender uma determinada idéia de maneira enfática, e ser irônico,arrogante.

Quem acompanha um pouco os passos do biólogo inglês, sabe que o mesmo é mestre em desconsiderar idéias opostas às suas. Quer uma amostra ? O blog de minha amiga Rayssa, atéia e fã de Dawkins, mostra a forma pedante como este senhor se referiu a um dos maiores historiadores do mundo, o francês Jean Delumeau. Abaixo, o link do post escrito por Rayssa.

Agora, a respeito da definição de um fundamentalista, é muito fácil : um ser fechado, que não dialoga com o diferente, ou, quando o faz, tem apenas uma finalidade; ridicularizá-lo.

André

http://presencadapeste.blogspot.com/2010/08/dawkins-manja-nada-de-historia-e-e-team.html

WRamiro disse...

Dawkins maliciosamente colocou o "teologo" numa situação desconfortável e chegou a tal ponto a pressão que o ateu permitiu que a conversa passasse de discutir a existência de Deus para a validade da existência de Cristo.

É estranha a facilidade com que ateus colocam "teologos" em "check", chego a ter a impressão que "jogam no mesmo time".

Discutir a "Teoria da Evolução" como opção para a existência de Deus é ridículo e infantil para qualquer pensador minimamente preparado.

A grotesca falha da "Teoria da Evolução" quando quer provar a não necessidade de Deus é: a teoria da evolução é a teoria da evolução!

Qualquer pensador que não seja mau intencionado sabe que evoluir significa passar de um estado anterior( menos evoluido) para um estado posterior(mais evoluido). Agora forçando uma regressão nos estados evolutivos, haveremos de chegar a um momento que precisaremos "evoluir" de um estado vazio para um estado existência. Assim sendo toda a evolução é um passo seguinte ao passo fundamental que é a criação.

Para evitar este passo inicial e antes que algum ateu distraído tente fazer, eu me adianto, necessitariamos de uma particula inicial que "sempre existiu". Se este agumento for usado por um ateu evolucionista ele corre o sério risco de conversão imediata.

O uso das leis da natureza para provar qualquer ponto de vista evolucionista, como contra ponto a Deus, sempre é não natural, um aluno mediano de segundo grau já aprendeu que uma reação quimica que exista independente de ação(energia externa) é uma reação que degrada, onde sempre existe perda da condição inicial (involução), que se for continuada em sucessivas reações deverá conduzir à entropia crescente dos elementos componentes.

A teoria da evolução, sem Deus, teria que ser tão poderosa quanto o Deus descartado, ela precisaria criar energia do nada para poder continuar a aventura de errar e acertar quase ao infinito, assim atingir a complexidade de uma molécula.

Nunca devemos desprezar a existência dos ateus, a natural tendencia ao acomodamento, sem um desafio à inteligência nos afastaria do Deus que tanto proclamamos.