sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Debates inúteis, necessidades reais!

Devo ser franco com vocês: o maior perigo que ameaça o cristianismo evangélico norte-americano é o perigo do anti-intelectualismo. A mente, em suas dimensões mais amplas e profundas, não está sendo levada suficientemente a sério. A nutrição intelectual não pode acontecer separadamente de uma profunda imersão, por vários anos, na história do pensamento e do espírito. As pessoas que estão com pressa de sair da universidade e de começar a ganhar dinheiro, ou de servir a igreja, ou de pregar o evangelho, não fazem a menor ideia do imensurável valor de gastar anos de prazer conversando com as maiores mentes e espíritos do passado, amadurecendo, aperfeiçoando e ampliando os seus poderes de pensamento. O resultado é que a arena do pensamento criativo está vazia e plenamente entregue ao inimigo.

Charles Malik, “The Other Side of Evangelism”, Christianity Today, Novembro, 1980, p. 41. Cit: Craig, William L. Apologética para questões difíceis da vida. 1 ed. São Paulo : Vida Nova, 2010. p 14.

Quando leio textos com esse fico pensando: Como pode existir igrejas que ainda discutem se usar brinco é pecado ou não, quando estamos diante de desafios tão grandes nesta era pós-cristã.

3 comentários:

João Emiliano disse...

Acho que os cristãos, hoje, vivem imersos em um solipsismo ou em uma espécie de metacristianismo absolutamente bobo, subjetivista, sentimentalóide e emburrecedor. Nos EUA em menor grau do que aqui no Brasil, porque as igrejas, falo das bíblicas ou protestantes, são decisivamente influentes lá nos EUA diferente da impenitente e morna igreja protestante em nosso Brasil.

Ser cristão, hoje, é viver sob um moralismo castrador opressivo e depressivo que oscila entre o bem e o mal, mas que se esquece que a loucura da pregação vai além do bem e do mal por não temer influenciar para Cristo ou para o sumo bem a sociedade aberta e sobretudo os gigantes incicurcisos inimigos da mesma.

www.gloriosojesusblogger disse...

Um forte abraço, que o Senhor continue te usando.
Jesus ti fará triunfar, sempre!

Clébio Lima de Freitas disse...

Acho que como herdeiros de movimentos que prezaram pela santificação, nós pentecostais estamos perdendo o mais importante desses movimentos que foram em, alguns aspectos, exagerados, mas que deixaram um legado que é a reflexão sobre o que é santificação e seu impacto no interior e no exterior do salvo. Esse tipo de debate nunca vai acabar em igrejas pentecostais por que tem a ver com experiências pessoais de pessoas influentes. Que pena que tais pessoas, num número bem grande, está mais preocupada com a aparência que com a santidade interior, que também influencia a aparência. É daí que vêm exageros como esses e esse desvio de foco.