domingo, 14 de novembro de 2010

Hipercalvinismo e Teísmo Aberto: irmãos heréticos!

O debate sobre o Teísmo Aberto saiu de cena, mas não deixa de ser importante. Alguns definiram o Teísmo Aberto como o arminianismo levado às ultimas consequências. Concordo plenamente. O arminianismo que nega a Soberania de Deus em detrimento da responsabilidade humana é exagerado e herético.

Agora, vamos aos fatos. O calvinismo levado às ultimas consequências, o conhecido hipercalvinismo, é também e igualmente herético como o Teísmo Aberto.

Hipercalvinismo é determinismo puro. Teísmo Aberto é pelagianismo revisitado. Determinismo não é bíblico, mas mera filosofia humana. Teísmo Aberto é um deus sem atributos divinos.

Ora, nada melhor do que o axioma bíblico da Soberania de Deus casada com a responsabilidade humana. É o equilíbrio para esses estremos que jogam os teólogos nos abismos pelagianos ou deterministas.

9 comentários:

Jean Patrik disse...

Risos!

Boa!

Jean Patrik

João carlos Ferreira Batista disse...

Também concordo com a soberania de Deus,casada com a responsabilidade humana.

A paz do Senhor!

Doutrina Cristã disse...

(equivalentemente)
Moisés, o homem usado por Deus para conduzir o povo do Egito à Palestina, enfrentou desafio semelhante. Durante os quarenta anos em que esteve à frente do povo de Israel, Moisés teve de lidar com falta de comida, falta de água, rebeliões internas, ataques de inimigos, epidemias, terremotos, para mencionar apenas alguns dos inúmeros perigos da travessia (tirado)
E, venceu. Portanto venceremos essas coisas

luiz


ps - gostei - estou seguindo seu blog

Cleison Brugger disse...

"[...] nada melhor do que o axioma bíblico da Soberania de Deus casada com a responsabilidade humana."

Concordo plenamente.

Victor Leonardo Barbosa disse...

Grande Gutierres,

pequeno, porém importante post. Tenho estudado esses dias certas questões sobre isso, inclusive querendo começar minha série de artigos sobre isso...

Um livro muito bom nesta questão é Spurgeon Vs Hipercalvinismo: A Batalha pela Pregação do Evangelho", de Iain Murray, publicado pela PES.

Forte abraço e Deus te abençoe mano!

Clébio Lima de Freitas disse...

Sempre fui um defensor do equilíbrio. Certo é que nem tudo pode ser praticado com "equilíbrio", por exemplo: somente a Escritura tem autoridade sobre a igreja, não pode haver meio termo para isso se quisermos ser cristãos genuínos. Neste caso, ou tudo ou nada. Para outras coisas que considero secundárias, vale o equilíbrio. Principalmente para assuntos complexos e não fechados, totalmente entendidos pela mente humana por serem demasiadamente complexos como, por exemplo, o debate sobre o livre arbítrio. Quem muito contribuiu para esse meu pensamento foi o Pr. Ciro Zibordi que faz uma excelente abordagem a esse respeito levando-nos a compreender que as duas correntes, o Calvinismo e o Arminianismo, possuem argumentos verdadeiros e da mesma forma, os dois possuem argumentos que nada passam de filosofias humanas. Jesus nos abençoe!

Clébio Lima de Freitas
clebiolima.blogspot.com

Yago Martins disse...

Amado irmão,

Escrevi um texto com o tema parecido; porém, bem diferente. Eu ficaria grato com sua leitura e um saúdável e amoroso debate.

link da postagem: http://teologia-vida.blogspot.com/2010/10/soberania-de-deus-logicidade-x.html

"A atividade apropriada aos cristãos professos que discordam uns dos outros não é a de ignorar, nem de esconder, nem mesmo minimizar suas diferenças, mas discuti-las." (John Stott)

No Amor de Cristo que nos une
Yago

Marcinho Thuler disse...

concordo plenamente...

Marcelo Lemos disse...

Eu concordo que o Hipercalvinismo seja herético, mas discordo do motivo. Ele não é herético por ser determinista (o calvinismo É DETERMINISTA!); ele é herético por negar os meios da graça (pregação, santificação, evangelismo, etc).

Sou calvinista, determinista (lógico!), e anti-hipercalvinismo!

Paz e bem