quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Nunca teremos uma igreja ideal

No primeiro trimestre de 2011, nós assembleianos, estudaremos o livro de Atos dos Apóstolos na Escola Bíblica Dominical. Será uma rica oportunidade da aprender uma verdade essencial: Nunca teremos uma igreja ideal nesta terra. Leia Atos atentamente e verá que a avivada igreja dos primeiros dias da Era Cristã tinha problemas sérios, como uma briga por causa de cestas básicas. A igreja de Atos era boa, aliás, era ótima, mas nunca foi perfeita.

Alguns que acreditam em perfeição na vida presente acabam decepcionados com as igrejas e abandonam as instituições eclesiásticas ou criam novas comunidades religiosas com o nobre propósito de revolucionar o mundo. Só que depois eles repetem os mesmos vícios da instituições que tanto condenavam. E assim o processo é cíclico: A instituição viciada gera um movimento contrário e inovador que depois se institucionaliza e se vicia.

A igreja é constituída de homens. Como pode ser perfeita? Você que lê este texto está cheio de defeitos. O autor deste blog é uma pessoa com defeitos espantosos. Como encontraremos uma ambiente de perfeição? Somos anjos? Não, somos gente! Não minta para você mesmo. O caminho da salvação começa no reconhecimento da imperfeição. Os sãos, disse Jesus, não precisam de médicos. Mas os doentes, todos nós, precisamos de uma UTI urgente.

Você e eu, eu e você, nós todos, temos mais vícios do que virtudes. Admiramos os místicos da Idade Média, mas jamais vamos largar nosso conforto dos tempos modernos para aquelas vidas rudes. Estamos lendo Teresa de Ávila em um Reader e a Bíblia nos smartphones e não vamos largar essas maquininhas pensadas por Steve Jobs. Não disso é errado. A tecnologia é dádiva divina. Mas cito esses exemplos para falar que renúncia do conforto é uma ideia ausente do nosso vocabulário vivido e sempre presente no nosso falatório. E ainda estamos exigindo uma igreja perfeita...

E será que muitos desses do Movimento dos Sem-Igreja (MSI), na verdade, não estão com uma desculpa para justificar o abandono da fé cristã?

Mas uma observação é importante. Nenhuma igreja é perfeita, mas temos igrejas melhores e piores. Há igrejas (?) que são verdadeiras maldições e é melhor sair delas. Mas mesmo não sendo possível a plenitude nesta terra, é a nossa missão trabalhar pelo avanço de uma igreja mais saudável. Mas avivamento não é coletividade. Avivamento começa no indivíduo. Deus olha homens e não multidões. Se quisermos uma igreja avivada precisamos deixar Deus operar em nossas vidas.

16 comentários:

César Moisés disse...

Caro Gutierres Siqueira,

Parabéns pelo post. Ele me fez lembrar um fato ocorrido há uns seis anos.

Uma pessoa trouxe uma palavra na igreja e disse que o seu filho fez a seguinte consideração a respeito da igreja: "É mãe, o que aconteceu com a nossa igreja... ela já não é mais a mesma!"

Acontece que a pessoa que disse isso, já estava, à época, no terceiro casamento!

Ou seja, queremos uma igreja perfeita e imutável, mas somos totalmente diferente do que éramos há duas décadas! Temos inúmeras ambiguidades mas teimamos em ver apenas os erros nas instituições (como se elas existissem à parte das pessoas), e nos outros, nunca em nós mesmos!

Parabéns pelo post.

Um big abraço

Gutierres Siqueira disse...

César, a paz!

Disse tudo: A instituição não é um ser autônomo. A instituição é feita de gente. Se não é perfeita, logo as pessoas que não são. Se quisermos melhorar nossas igrejas, logo devemos melhorar nossas vidas.

Abraços

Jarson Brenner disse...

De fato, caro Gutierrez,
acredito que nunca teremos uma igreja perfeita aqui na Terra, porém como milito na causa do cristianismo sem igreja (CSI, OU MSI, como preferir) acredito que a desinstitucionalização seja o caminho para manter o cristão mais orgânico.
Abraço!

Carlos Eduardo disse...

Prezado irmão Gutierres,

Parabéns pelo post, que possamos com o intermédio de Cristo nos tornarmos cristãos genuínos e possamos obter mais igrejas saudáveis.

Parabéns novamente pelo post. Um forte abraço.

NilmaBostonRio disse...

Perfect post!
"... uma verdade essencial: Nunca teremos uma igreja ideal nesta terra."
Vou compartilhar atraves das midias sociais ( facebook, Twiter, Buzz )

Quandos nos cristaos nos concientizar-mos disso, nos escandalizaremos menos com alguns la de dentro das igrejas.


.
Comment by Nilma Boston Rio
http://www.google.com/profiles/nilmabostonrio
.

Gutierres Siqueira disse...

Jarson,

Nobres desejos, mas impraticáveis. Basta ler a história cristã.

Gutierres Siqueira disse...

Obrigado Eduardo,

Esse é o caminho. Primeiro cristão saudável para depois acontecer uma igreja saudável.

Gutierres Siqueira disse...

Nilma,

Obrigado pela divulgação.

Abraços

Aprendiz disse...

Gutierres

O que você disse não é errado, mas acho que está um tanto fora de foco, como acho também esteve também em outras questões.

Depois de começar assim, tenho a obrigação de me explicar: Não me parece que o número de pessoas que são demasiadamente exigentes quanto às igrejas seja muito grande, e portanto não me parece que esse seja um problema relevante. Certamente, a imensa maioria dos evangélicos não peca pelo excesso de exigência que coloca em uma instituição formada por homens.

Pelo contrário, a imensa multidão de evangélicos que não é mínimamente exigente quanto às suas igrejas, seja quanto à doutrina, quanto à ética, a coerência, a justiça e quanto ao amor que os ministros deveriam demonstrar, esse é o problema grande e relevante. Essa gente é espoliada, humilhada, desumanizada e destruida por bandidos e loucos disfarçados de ministros de Deus. Esse deveria ser o foco principal.

Aprendiz disse...

Complementando o comentário anterior: Se um cristão se deixa dominar e destruir por um bandido ou louco, sabemos que esse cristão não é saudável.

Rejeitar os mistificadores, esse é um sinal de uma mente e um espírito sãos.

Gutierres Siqueira disse...

Aprendiz,

Não sei se o post é despropocional.

Conheci pelo menos três pessoas na minha igreja que saíram da denominação e já não congregam em lugar algum. Os desigrejados já são uma realidade presente no evangelicalismo brasileiro.

Sobre o alerta quanto aos lobos (falsos pastores) este blog já deu vários. E o próprio post toca no assunto.

Abraços

Aprendiz disse...

Gutierres

É verdade, você já alertou muitas vezes sobre lobos.

Creio que devo uma explicação sobre a minha relativa despreocupação com o MSI. E também a minha imensa preocupação com os desvios e malfeitos da parte de pastores.

Não é de hoje que uma parte relevante dos crentes fica durante boa parte de sua vida afastado da qualquer igueja. Muitos nunca voltam. Décadas atrás era comum haverem igrejas cujo número de membros nominais era bem maior que o número real. Como na época dos fariseus, cuidar das ovelhas perdidas não tem sido o nosso forte..

Ocorre que muitas dessas ovelhas estão feridas. E, como diz a Bíblia, às ovelhas feridas convém andar em terreno plano, e não em caminhos escabrosos. Elas estão dispersas, como tem sido a realidade para muitos, ao longo da história. Muitas fazem isso, para evitar os caminhos escabrosos pelos quais muitos pastores conduzem suas ovelhas (Yeshua chamava tais pastores de mercenários, existem milhares desses hoje em dia). Muitas estão dispersas para evitar lobos-disfarçados. Muitas estão dispersas por estarem tão feridas que não suportariam mais agressões. Muitas não suportam mais serem espoliadas.

O que há de novo? Conforme foram se multiplicando o número de mercenários e de lobos disfaçados, as ovelhas dispersas passaram a se juntar sozinhas. Elas não encontram pastores em quem elas confiassem, mas não perdem a percepção de que são ovelhas. Pastoreiam-se, até certo ponto, umas às outras. Não posso crer que isso seja uma sitação pior do que aquilo que ocorria anos atrás, quando o enorme número de ovelhas dispersas ficavam realmente longe de todas as outras.

Talvez o Eterno use tal situação para ensinar-nos o que é ministrar uns aos outros. Pois sabemos que o sacerdócio universal de todos os crentes é, em grande parte, letra morta em nossas igrejas.

Vida Feliz!! disse...

Graça e paz,

Muito bom este post. A Igreja mudou muito e vem mudando e temos que fazer o melhor pela igreja, perfeito, só Jesus Cristo.

Abraços á todos.

Cris Mesquita.

Aprendiz disse...

Passando à segunda parte de minha resposta, devo explicar minha preocupação tão grande com os desvios daqueles que são chamados de ministros.

Na visão de muitos há dois grupos totalmente distintos de ministros: os que estão no caminho direito e os que estão desviados. Nossa doutrina tradicional é ortodoxia e acerto, nossas instituições são nossa proteção. Quem dera...

Eu tenho uma visão um pouco diferente. Segundo penso, o desvio da Palavra de Deus está em todo lugar, em graus diferentes. Nossas instituições, particularmente os seminários, estão inoculados do anti-evangelho, se é que não são mesmo estruturalmente disfuncionais. Os escombros dos erros, das distorções e dos vazios tornam difícil a quem entrar no ministério, chegar a cumprir sua missão. Por vazios, quero dizer que cada ministro tem porções da doutrina dos apóstolos que ele não compreende, de forma que as ovelhas são prejudicadas. Milênios de erros e faltas, pesam sobre nossas costas. Mesmo aqueles que buscam compreender o evangelho de Deus, compreendem-no menos do que seria necessário para pastorearem bem suas ovelhas.

Segundo minha percepção, existe o desvio pessoal, mas a própria Igreja como um todo, está desviada. Com isso não quero dizer que cada pessoa é um herege. Quero dizer que os erros do todo afetam a cada um, no mínimo tornam a visão de cada um menos clara do que seria de outra forma. Somos uma Igreja desviada, assim como Israel era uma nação desviada, independentemente de haver sete mil que não dobraram seus joelhos deiante de Baal. Dentro de certa escala, somos a igreja católica do ano mil, com seus papas adolescentes pervertidos e sifilíticos.

Dentro do nosso erro geral, o ambiente é propício para a multiplicação do erro individual. Os ministros se desviam do evangelho desde os seminários, repetem os erros de seus profossores.

O mal e a mentira tendem a aumentar.

Por favor, não entenda mal o que escrevi. Não nego que o poder de Deus tem agido na vida de tantos, e que muitos estão sendo salvos das trevas pela ação do povo de Deus. Os profetas hebreus eram muito duros em relação a seu próprio povo, não porque não lhes quisessem bem, embora suas palavras pudessem ser tomadas por anti-semitismo por quem não soubessem que eles mesmos era israelitas. Certamente não sou profeta, mas vejo coisas piores do que o que muitos veem. Queira Deus que o que eu vejo sejam sombras e ilusões, e que a realidade seja mas bela. Realmente, prefiro que eu esteja errado e que os otimistas e que esteja certos.

Mas, sendo nosa situação mais difícil ou menos difício, um dia o Eterno destruirá todo o mal e ensugará toda a lágrima.

Fabiane Aquino disse...

estudamos essa lição hoje!!
ela é tão rica, mais tão rica que o professor falou só dos 2 primeiros topicos!! maravilhosa!!

Blog da FATENE disse...

Olá, amados,

Definitivamente, não teremos mesmo uma igreja perfeita aqui na terra, pois a igreja é composta por homens e os homens não são e não serão perfeitos enquanto estivermos envoltos em seus corpos corruptíveis.

O que podemos fazer é dar o melhor de nós para que cada um seja a melhor a igreja, pois somos a casa favorita do Pai, o lugar onde Deus mais gosta de habitar.

Os homens erram, se desviam, mudam, falham, mas aquele que começou a obra em nós é fiel para terminá-la até o dia de Cristo.

Paz e graça.

Aproveito para convidá-lo a acessar o meu blog: http://servolider.blogspot.com/ e ler os meus textos.