domingo, 19 de dezembro de 2010

O que chegará primeiro: o fim do mundo ou o centenário assembleiano?

Chegamos quase em 2011, quando a Igreja Evangélica Assembleia de Deus completa 100 anos, mas o estado atual da denominação não dá ânimo para comemorações. Qual o motivo para esse comentário?

Por favor, caro leitor, leia atentamente o post do amigo Judson Canto sobre uma ação judicial envolvendo a Assembleia de Deus em São José dos Campos.

http://judsoncanto.wordpress.com/2010/12/19/samuel-camara-e-afastado-da-presidencia-da-ad-de-sao-jose-dos-campos/

Como comentou o pastor Carlos Roberto, do blog Point Rhema ( http://pointrhema.blogspot.com/2010/12/pr-samuel-camara-e-afastado-da.html), é lamentável que questões envolvendo a direção de uma igreja envolvam a justiça secular.

Resumindo: Parte importante da alta liderança assembleiana está embriagada pela busca de poder, glória, fama, prestígio, vaidade e outros pecados que são frutos do orgulho humano. É mundanismo puro. Estão brigando na justiça para ver com quem fica uma grande igreja em uma importante cidade do interior de São Paulo. Tudo isso é muito nojento. O Evangelho, a glória de Deus, o crescimento do Reino estão longe dessas picuinhas pelo poder!

Independente se há alguém certo e com razão nessa história, nada justifica essa briga por poder!

Que Deus tenha misericórdia da Assembleia de Deus, que tanto ajudou e ajuda na evangelização do Brasil. Também lamento pela memória de Gunnar Vingren e Daniel Berg!


3 comentários:

Valter Borges disse...

Hoje, as Escrituras nos informam que não é mais a gente quem vive em nós mesmos, mas Cristo vive em nós.
Para alguns líderes, a constatação é diferente: não são mais alguns líderes que vive em si mesmos, mas o Farisaísmo vive neles.
A semelhança da atitude dos pobres miseráveis fariseus com a liderança hodierna não é mera semelhança: mas o reflexo daqueles que enveredam o caminho da arrogância e da soberba.
A busca e manutenção do poder; a luxúria do dinheiro fácil; e a ideologia que aliena suas multidões de seguidores, cega e faz deles duas vezes mais filhos do Mentiroso.
A liderança atual (e louvo a Deus pelos abnegados - exceções - que ainda procuram fugir, pelo menos, da aparência do mal) está mais para os fariseus (já mencionados), para os sacerdotes da igreja medieval na época da venda de indulgências e conformados com o presente século que modificou o modo de ser igreja. Que não possuem mais o vínculo da comunhão no amor de Cristo; mas no vínculo da dominação, poder e dinheiro.
Vínculo nas coisas e não no Deus amoroso.
Que Deus nos ajude! E, que nós oremos por uma nova geração que possa, assim como fez Lutero e tantos outros, modificar a realidade da igreja.

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro irmão e amigo Gutierrez Siqueira,

A Paz do Senhor!

Grato pela citação e postagem do link do Point Rhema.

Quanto ao episódio de São José dos Campos, independente de quem tenha razão, como o amado em frisou, para que terminasse a peleja sem escândalos, somente alguém sofrendo o dano, e isso meu amigo, atualmente ninguém quer.

Oremos!

Seu conservo em Cristo,

Pr. Carlos Roberto

Tati Dias disse...

Infelizmente, aqui onde congrego (uma AD que completou 75 anos este ano), também estamos vivenciando algo parecido. O ex-pastor-presidente tb acionou a Justiça contra a igreja que, em uma assembleia ordinária, resolveu destitui-lo do cargo. Cargo exercido há 23 anos em um regime ditadorial e cheio de nepotismo.
Choro toda vez que constato que ninguém mais quer servir, mas ser servido, ao contrário do nosso Mestre. Igreja virou baú de tesouro, fonte de dinheiro e alguns passam por cima de ética, moral , chamado, amor e descência em nome do amor ao status e ao poder. Orem por nós.