segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A pregação precisa comunicar

Caros pregadores, especialmente de igrejas pentecostais, evitem algumas manias que atrapalham a transmissão da mensagem. O nosso objetivo é que o Evangelho seja o mais claro possível para todos aqueles que ouvem.

  1. Não grite como um histérico

Sim, há muita gritaria superficial nos púlpitos. Eu sei que pessoas mais extrovertidas tendem a se expressarem de maneira mais exagerada. É um traço da personalidade de muitos homens e mulheres. Ser extrovertido, dinâmico ou animado não é nenhum mal, mas o exagero prejudica a transmissão de uma mensagem, seja ela pregação ou conversa na lanchonete. Portanto, não fique gritando como um maluco no estádio de futebol ou num show de rock. No estádio ou no Rock in Rio os frequentadores estão poucos interessados no que ouvem, mas não deve ser assim na igreja cristã.

  1. Não faça repetições de histórias sem aplicação

Quando vezes você, em uma igreja pentecostal, já ouviu a história de Daniel na cova dos leões ou o sobre a cura da mulher com fluxo de sangue? Os pregadores leem as histórias e logo depois a repetem como quem querem teatralizar o fato contado. A história não é para ser repetida duas vezes. Primeiro você lê ou conta o relato, mas depois você deve aplicar o texto e expô-lo para que as pessoas ouçam os princípios ensinados naquele registro bíblico. Muitas vezes a pregação tem uma hora de duração, mas os membros da igreja só ouviram e viram a teatralização da história sem aplicação. Quando se lê sobre Daniel na cova dos leões, em pleno púlpito, é preciso responder uma pergunta básica para os ouvintes: o que Daniel nos ensina com o seu exemplo de vida?

  1. Não use palavras difíceis

Os pregadores mais eruditos (eruditos de verdade) que ouvi foram simples na escolha das palavras para suas pregações. Alguns até escrevem textos dificílimos, mas quando falam com uma congregação são bem claros em suas palavras. Agora, jovem pregadores pentecostais tomados pela terrível vaidade apreendem uma palavra nova e logo jogam no púlpito com o objetivo de impressionar. Eu já ouvi a seguinte pérola em um culto de praça: - Estamos aqui nesse evento apologético e didático! Ora, será essa a melhor maneira para falar “culto evangelístico”? Além disso, as palavras foram desproporcionais para descrever aquele evento na praça do bairro. Quem é erudito sabe conversar com eruditos (como em um Café Filosófico, por exemplo) e com pessoas simples (ao tratar bem sua faxineira semi-analfabeta). Como nas igrejas temos pessoas de todos os níveis educacionais não devemos nem apelar para o simplismo e nem para as palavras incompreensíveis.

  1. Não seja regionalista

Eis um mal que acontece especialmente numa capital cosmopolita como São Paulo. Alguns pregadores vindos de outras regiões, seja sul ou norte, carregam consigo algumas expressões que ninguém entende na cidade de São Paulo. O contrário também é verdadeiro. Se você usa uma expressão estranha o melhor é explicar. Alguns exemplos de regionalismos são interessantes: Em São Paulo a palavra “moleque” não é ofensiva, mas no Nordeste é um xingamento grave. “Rapariga” é a palavra mais usada para prostituta no Nordeste, pouco comum em outras regiões. Em São Paulo há “mandioca” e “mandioca brava” (venenosa), mas em outros estados a mandioca é macaxeira e a mandioca brava é simplesmente mandioca. Não despreze sua cultura, mas lembre que ninguém é obrigado a entendê-la completamente, portanto, seja explicativo.

  1. Seja o mais didático possível

Certa vez falei em uma aula de Escola Bíblica: - O teólogo Atanásio, da patrística, é considerado o pai da ortodoxia. Logo em seguida perguntei se as pessoas entenderam a frase. Uma irmã se manifestou e disse que não. Então perguntei qual das palavras ela não conhecia. A resposta foi surpreendente para mim: - Eu não conheço o significado das palavras teólogo, patrística e ortodoxia. Ou seja, não houve comunicação alguma. Então traduzi para a irmã: - O teólogo é a pessoa que estuda sobre Deus e a Bíblia Sagrada, como todos nesta aula. Patrística é como definimos os pastores e bispos que exerceram importante influência na liderança e no ensino da igreja primitiva após a morte dos apóstolos. E ortodoxia é o equivalente para doutrina correta, ensino bíblico e verdadeiro.

Nenhuma das definições que dei foram acadêmicas, mas simples, pois era a forma mais rápida de ensinar aquela frase para a irmã que me ouvia. Muitas vezes há essa necessidade da explicação bem detalhada. Mas é necessário incentivar que a pessoa não fique eternamente presa a conceitos básicos.

  1. Não abuse do evangeliquês

Fico imaginando os descrentes ouvindo a conversa de dois crentes. É “varão” pra cá, é “vaso” pra lá, é “bênção” disso e “tremendo” daquilo. Ou seja, um novo idioma completamente distante das pessoas que precisam ouvir o Evangelho de Cristo. Alguns pensam inclusive que isso é uma “linguagem mais espiritual”. Pura bobagem. Na sua comunicação troque o “varão” por “homem”, pois só assim as pessoas vão entender o que você fala.

Conclusão

Sem comunicação não há mensagem. Sem mensagem não há quem ouça. Sem ouvir não há que tenha fé. Como escreveu Paulo: “Consequentemente, a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo” (Rm 10.17 NVI).

8 comentários:

Cleison Brugger disse...

Muito bom! Simples e objetivo.
Lembrei da oração que fiz ao iniciar o culto de hoje; usei duas palavras que, depois, vieram me perguntar o significado: prerrogativa e redarguir. Realmente, é desnecessário o uso de algumas palavras e expressões. É puro "enfeite de frase".

Paz Gutierres.

Ciro Sanches Zibordi disse...

Ótimo artigo.

Um abraço.

Ciro Sanches Zibordi

Elton Morais disse...

Recentemente veio um "pregador pentecostal" com todas essas "qualidades".

Ótimo artigo. Foi bastante esclarecedor para quem quer ser um pregador (assim como eu).

Paz do Senhor!

Marcelo Lemos disse...

Adorei. Tenho escrito muito sobre homilética, e sempre é bom ter certos valores em mente.

Parabéns!

Gabriel Araujo disse...

Parabéns.
Ótimo artigo.
Deus aebnçoe.
A paz do Senhor.

Marcelo Cardoso disse...

Muito bom este artigo .Eu acredito que se todos os pregadores apreenderem a se moldar com uma teologia fácil e simples com certeza a mensagem do Mestre ,terá melhor resultado por todos aqueles que nos ouvem .Porque na verdade devemos apresentar a Cristo e não a nós mesmos.

Aprendiz disse...

Gutierres

Realmente, amigo, no Brasil prega-se muito mal (não sei como é em outros países). Os crentes são mesmo muito pacientes com seus pastores. Principalmente no meio petencostal.

Mas além da forma, que é bastante cheia de vícios, há também o conteúdo, que muitas vezes é pior ainda. Freqüentemente os pastores brasileiros não tem muito conhecimento bíblico, nem histórico e falta profundidade também. Você ouve o sujeito pregar e pensa "será que ele entendeu o que leu na Bíblia". Há casos em que a primeira dificuldade do pastor é entender a língua portuguesa. É sério, já presenciei o caso de um pregador ler o texto e entender o contrário do que estava escrito, por não conseguir entender o período sintaticamente.

Por isso, compreendo que cada um deve pedir sabedoria a Deus e alimentar-se bem durante a semana. Menos mal se pelo menos tiver alimento espirital em casa. Numa situação normal, o alimento espiritual durante o culto seria o mais forte. Quem dera... para a imensa maioria do povo brasileiro não é assim que acontece.

Marcelo disse...

Aprendi bastante. Valeu.

O Senhor te abençoe.

Marcelo Hagah
João Pessoa-PB