domingo, 28 de novembro de 2010

Não fiquem animados!

Conversando com um professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie soube que pelo menos 70% dos alunos de graduação em teologia pertencem às igrejas pentecostais. E segundo esse mesmo professor, pelo menos metade são das Assembleias de Deus. Conversando com outras pessoas soube que o mesmo acontece nas demais faculdades tradicionais, talvez com menos intensidade, mas acontece. Os jovens assembleianos estão se qualificando no ensino teológico.

Depois de anos de anti-intelectualismo no seio assembleiano a notícia acima é muito animadora. Mas ao mesmo tempo o ânimo acaba. O motivo? Quase nenhum desses jovens talentos chegarão ao ministério eclesiástico. Mesmo que muitos deles sejam vocacionados para o ministério da Palavra, as igrejas continuam em um esquema antibíblico de ordenação. Muitos “chegam lá” por meio não convencionais, como amizade e bajulação. Forte isso? Mas é verdade.

Certa vez, quando ajudava na liderança de um grupo de jovens, tive um pequeno problema em um evento. Então fui conversar com o líder geral daquele grupo para solucionar o impasse e ele me perguntou: - Olha, Fulano da Silva (que era a liderança maior na área) viu você no evento? Eu respondi positivamente. Então ele respondeu: - Isso é o que importa! Fiquei calado e dias depois saí daquele grupo.

Ou seja, ainda muitos que fazem algum trabalho eclesiástico estão interessados em serem vistos por lideranças maiores. E infelizmente os “vistos” são promovidos. Há até ditado no meio eclesiástico assembleiano: “Quem não aparece não é visto”. Isso é horrível! É o caminho da bajulação. Nada tem a ver com as qualificações exigidas em o Novo Testamento.

Então não adianta preparo educacional e convicção da chamada ministerial. Ora, para a ordenação é importante “aparecer” aos líderes maiores. Sim, isso existe. Vamos ficar calados e achar que é assim mesmo? Muitas das ordenações estão baseadas em uma relação de amizade, compadrio e nepotismo.

Não estou generalizando. Mas há muito disso sim! Ou seja, muitos jovens vocacionados e teologicamente educados não chegarão lá porque simplesmente não são “vistos” e nem querem entrar nesse esquema. Chega disso!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Lição 09 - A oração e a vontade de Deus

Subsídio escrito pela CPAD

Elementos de uma oração eficaz

LEITURA EM CLASSE
João 14.13-17; 15.7; 1 João 5.14,15

INTRODUÇÃO
I. A ORAÇÃO E A VONTADE DE DEUS
II. ORAÇÕES NÃO RESPONDIDAS POR DEUS
III. ORAÇÕES ATENDIDAS POR DEUS

CONCLUSÃO

Orações não respondidas é, de fato, uma frustração para o crente. Como entender o que faz que uma oração não seja respondida?
O apóstolo João descreve que a resposta à oração está ligada ao relacionamento da “confiança que temos para com ele [Deus]” com a vontade soberana dEle: “E esta é a confiança que temos nele: que se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve” (1 Jo 5.15).
O Pastor Estevam Ângelo de Souza ensina, pelo menos, quatro elementos importantes para uma oração eficaz. São eles:

1. Orar com o coração limpo do pecado. [...] “Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). A Bíblia fala da oração como sendo uma conversa do filho com o Pai celestial e, enfaticamente, fala da oração dos santos, o que é uma referência às pessoas que se relacionam com Deus de modo digno da sua onisciência. Se, ao contrário, a pessoa ora a Deus com o coração cheio de pecados, sem arrependimentos e sem temor, faz simplesmente o papel de hipócrita; e, para o hipócrita, não há promessa na Bíblia. Pode ser ainda o comportamento de quem abusa da misericórdia de Deus e escarnece da sua santidade. É bom orar como filho obediente.

2. Orar com fé. É o apostolo Tiago que ensina. Ele diz que devemos pedir com fé e em nada duvidando, pois, conforme acrescenta, “o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa” (Tg 1.6,7). Tudo o que recebemos de Deus é tão-somente pela fé. Está escrito: “Sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hb 11.6). A Bíblia tanto fala da fidelidade e da infalibilidade de Deus, como relata em numerosos detalhes as muitíssimas vezes em que Deus tem atendido aos que o buscam com fé. É para confiarmos inteiramente em Deus. Duvidar das suas promessas, tanto nos prejudica como o ofende, pois Ele a tantos tem feito tanto, que merece ser invocado com segura fé.

3. Orar segundo a vontade de Deus. Diz o apóstolo Paulo que “a vontade de Deus é boa, agradável e perfeita” (Rm 12.2). Também está escrito: “Esta é a vontade de Deus, a vossa santificação” (1 Ts 4.3). E ainda: “Isto é bom e aceitável diante de Deus, nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade” (1 Tm 2.3,4). O apóstolo João afirma: “Se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve” (1 Jo 5.14). O que estamos estudando são declarações dos santos apóstolos. Veja agora o que o próprio Senhor Jesus diz acerca da vontade de Deus: “Porque eu desci do céu não para fazer a minha vontade; e, sim, a vontade daquele que me enviou. E a vontade de quem me enviou é esta: Que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia. De fato a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia” (Jo 6.38-40). É muito boa a vontade de Deus!

4. Orar com perseverança. O inconstante nada alcança, qualquer que seja a atividade na vida. Enquanto isso, a perseverança, tudo alcança. A oração eficaz deve ter o caráter de uma batalha ordenada como propósito seguro de vencer; e quem luta ao lado do Senhor de tudo e de todos deve orar, com certeza de ser mais do que vencedor. E esta é a divisa de todos os que têm perseverado diante de Deus em oração, não aceitando nenhuma derrota, nenhum fracasso. Conserve limpo o seu coração, ore com fé, peça segundo a vontade de Deus; persevere e vença, pois a sua perseverança e vitória com certeza glorificarão a Deus!

Prezado professor, é importante ressaltar ao aluno a importância de termos uma vida de Santidade, Fé, Perseverança e no centro de Sua vontade. Deus é soberano e dotou o ser humano de livre arbítrio. Para uma manutenção da vida com o Eterno é fundamental seguir o conselho do apóstolo Paulo: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Fp 4.8). Fazei tudo o que glorifica a Deus e o nome do Senhor será exaltado em sua vida!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Entendendo o Evangelho, por Alistair Begg

Entendendo o evangelho from iPródigo on Vimeo.

Caros amigos,

Esse vídeo serve como complemento da reflexão de ontem. Que nunca possamos esquecer o básico da fé cristã: Cristo veio como Redentor!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A intolerância dos “tolerantes” e a tentação moralizante

O recente caso envolvendo a Universidade Presbiteriana Mackenzie e os grupos homossexuais deve ser tomado de cuidados. Em primeiro lugar, o site de uma universidade confessional pode e deve publicar as suas crenças. Em segundo lugar, os grupos organizados dos homossexuais não aceitam opiniões divergentes, classificando tudo e todos como homofóbicos. Em terceiro lugar, vivemos em uma democracia e em democracias não há “crimes de opinião”.

Sim, vivemos na era do politicamente correto. Nestes tempos é pecado falar de pecado. Aí daquele que discorda da cartilha dos inquisidores pós-modernos.

Leia mais:

Jornalista da revista Veja analisa o caso

Carta de apoio à Universidade Presbiteriana Mackenzie


Depois de tudo isso falado resumidamente acima, é necessário muito cuidado com uma tentação constante nas igrejas de linha conservadora: moralizar a sociedade.

A missão da igreja é pregar o Evangelho puro e simples. O verdadeiro e bíblico Evangelho leva as pessoas a se reconhecerem como pecadoras e ao mesmo tempo mostra Jesus Cristo como o redentor dessas vidas. Consequentemente essas pessoas já convertidas seguirão o caminho da santidade, evitando o pecado denunciado nas Sagradas Escrituras.

Não podemos focar a luta da igreja em moralizar a sociedade. Ora, de nada, absolutamente de nada adianta que os brasileiros conheçam a moralidade cristã mas não sejam convertidos. Não adianta comemorarmos que a maior parte dos brasileiros sejam contra o aborto se ainda temos uma das sociedades mais corruptas do mundo, onde a Lei de Gérson e o jeitinho imperam com forma e vigor. O Brasil não é um país cristão por rejeitar o aborto, mas será quando se render aos pés de Jesus se reconhecer pecador e aceitando um salvador. Só assim faz sentido defender a moralidade: entre quem possa cumpri-la pela mortificação do Espirito Santo (cf. Rm 8).

Os cristãos gritam: ser gay é pecado! Os gays gritam: homofóbicos! Resultado: Nenhuma comunicação do Evangelho. O que o gay, o alcoólatra, o demagogo, o corrupto, o avarento, o mentiroso, o ladrão, o iracundo, o marido que bate na mulher e outros precisam ouvir é: Jesus Cristo quer mudar sua vida. Venha e não peques mais! Deixe o redentor transformá-lo. Deixe Cristo regenerá a sua alma.

O homossexualismo é pecado sim! Não vamos mudar a Bíblia porque um grupo de militantes acha que devemos fazer isso. Mas que a igreja evangélica não vire militante do moralismo e esqueça de pregar Jesus Cristo como Salvador e Senhor. Nunca a Igreja deve deixar de falar que pecado é pecado, mas sem cair na bobagem de confundir moralidade com evangelho. Ora, na Arábia Saudita você não achará mulheres seminuas, mas também não encontrará quase que nenhum cristão. A Arábia Saudita não é cristã porque suas mulheres são recatadas. Os sauditas são legalistas que não conhecem Jesus Cristo. Infelizmente, estão tão perdidos quando qualquer devasso desse mundo. O mesmo acontece que os legalistas supostamente cristãos.

Nos Estados Unidos, por exemplo, muitos cristãos empregam forças a favor de oração na sala de aula. Mas sobre isso lembra Michael Horton:

Os liberais podem ter sido os pioneiros na teoria de que não há salvação em outros nomes além do nome de Jesus Cristo, mas nenhum grupo na história moderna tem desejado que o público em geral faça oração não sectárias- isto é, com ou sem Jesus Cristo- tanto como os evangélicos conservadores. Quando se trata de colocar “Deus de volta em nossas escolas”, podemos deixar Jesus para trás. [1]

De nada adiante um monte alunos orando (artificialmente) sem realmente conhecerem Jesus Cristo. A formação de uma nação cristã é utopia boba. Nunca teremos uma nação cristã. Nunca tivemos uma! Sim, temos inúmeras nações com forte influência cristã, mas é até despeitoso chamá-las de cristãs. A verdade sempre será rejeitada pelas maiorias. O verdadeiro cristianismo nunca será unanimidade, logo porque como lembrava Nelson Rodrigues, toda unanimidade é burra!

Horton continua:

Muitos comemoram esta ênfase no Cristo-como-exemplo em vez de no Cristo-Redentor como prenúncio de um “novo tipo de cristão”, mas é isto realmente um antigo tipo moralista? Indiferente se sabe que a morte de Cristo é considerada um sacrifício vicário, o discipulado- carregar nossa cruz- tornar-se o tema mais interessante […] Os conservadores têm sido igualmente propensos a se concentrarem no primeiro e não no segundo, nas últimas décadas. [2]


Pregar moral para quem ainda não conhece a Cristo é como solicitar uma máquina de escrever com wi-fi ou mandar um anexo de PDF por sinal de fumaça. A Igreja primeiro prega (evangelismo) para depois ensinar (doutrina e moral), conforme nos orientou o Nosso Senhor Jesus Cristo:

Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura (Marcos 16.15)

Portanto, ide, ensinai {ou fazei discípulos} todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém! (Mateus 28. 19-20)

Referências Bibliográficas:

[1] HORTON, Michael. Cristianismo sem Cristo: O Evangelho Alternativo da Igreja Atual. 1 ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2010. p 21.

[2] Idem.


terça-feira, 23 de novembro de 2010

Voltando...

Nessa quarta publicarei um texto sobre o caso Mackenzie. Mas antes, enquanto me recupero desses dias de ausência, fiquem com a frase abaixo para reflexão:

"A Igreja antes confessava os seus pecados - agora ela confessa os seus direitos" - David Wilkerson

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Ausência!

Amigos leitores,

Estive ausente por motivo de viagem. Na noite dessa terça (23 de novembro) volto com as postagens diárias.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Recomende um livro!

Caro leitor,

Já fiz isso em outro post, mas repito novamente, pois o tempo passa e novos livros surgem.

Deixe no campo do comentário um livro teológico ou secular que você recomenda. Use o seu bom senso de leitura e compartilhe conosco essa obra. No decorrer do post colocarei algumas sugestões.

Vamos aproveitar o espaço para divulgar boas ideias e conteúdo que ajude a compreender melhor este mundo.

PS: Antes que apareça alguém recomendando a Bíblia, é bom lembrar que todos são conscientes que a Palavra de Deus é o livro-mor, a leitura de todos os dias. O post trata-se de livros recentes que você tenha lido.


Abraços a todos!



terça-feira, 16 de novembro de 2010

Falando do "politicamente correto" no Genizah

Amigos leitores,

Escrevi um post para o Blog Genizah sobre o perigo real do “politicamente correto”. Leiam nesse link: http://www.genizahvirtual.com/2010/11/hoje-e-o-monteiro-lobato-amanha-e.html#comments

É um alerta, pois o “politicamente correto” é uma forma de censura que pode nos atingir, como cristãos, por pregarmos algumas coisas que soam “feias” ao ouvidos pós-modernos.

Leiam lá!

Abraços a todos!

domingo, 14 de novembro de 2010

Hipercalvinismo e Teísmo Aberto: irmãos heréticos!

O debate sobre o Teísmo Aberto saiu de cena, mas não deixa de ser importante. Alguns definiram o Teísmo Aberto como o arminianismo levado às ultimas consequências. Concordo plenamente. O arminianismo que nega a Soberania de Deus em detrimento da responsabilidade humana é exagerado e herético.

Agora, vamos aos fatos. O calvinismo levado às ultimas consequências, o conhecido hipercalvinismo, é também e igualmente herético como o Teísmo Aberto.

Hipercalvinismo é determinismo puro. Teísmo Aberto é pelagianismo revisitado. Determinismo não é bíblico, mas mera filosofia humana. Teísmo Aberto é um deus sem atributos divinos.

Ora, nada melhor do que o axioma bíblico da Soberania de Deus casada com a responsabilidade humana. É o equilíbrio para esses estremos que jogam os teólogos nos abismos pelagianos ou deterministas.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Lição 07 - A oração da Igreja e o trabalho do Espírito Santo

SUBSÍDIO escrito pela equipe de educação da CPAD
LEITURA EM CLASSE
Atos 1.12,14; 2.4,38,40,41; 4.32

INTRODUÇÃO
I. O INÍCIO DA IGREJA CRISTÃ
II. A DISSEMINAÇÃO DA PALAVRA
III. O ESPÍRITO E O CRESCIMENTO DA IGREJA
CONCLUSÃO

A Oração na Vida da Igreja Antiga

A expansão do Evangelho está diretamente interligada à vida de oração da Igreja do Primeiro Século. A ordem expressa aos discípulos para “que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do pai”, resultou num estado de espera cuja característica principal foi o cultivo da oração (At 1.13,14,24,25): “perseveravam unanimemente em oração e súplicas”.

No dia de Pentecoste é possível ver o resultado dessa perseverança. Todos estavam reunidos unânimes em vários cultos semanais buscando a Deus e aguardando a promessa. “E, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados” (At 2.2), enchendo as pessoas que adoravam o Eterno na casa em que estavam.

O poder vivificante de Deus espalhou-se pela terra a exemplo da criação, quando o Santo Espírito do Senhor pairava sobre as águas (Gn 1.2). A promessa chegara a partir de pessoas simples que buscavam a Deus em oração crendo na promessa do Cristo. [1]

Em Atos 2.4, os crentes foram cheios do Espírito Santo. É importante notar que o termo “cheio do Espírito Santo” é um recurso linguístico usado por Lucas para se referir literalmente a expressão usada por Jesus Cristo em Atos 1.5: “mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias” [2]. O cumprimento em Atos 2.4, “e todos foram cheios do Espírito Santo”, é o desdobramento da promessa anunciada em Atos 1.5. Neste caso, em Atos, as expressões “batismo no Espírito Santo” e “Cheios do Espírito Santo” são sinônimas. [3]

O pentecoste de Atos 2 é “um paradigma padrão”. Ele reflete um exemplo padronizado que estará presente em derramamentos posteriores ao longo do livro dos Atos dos Apóstolos.

A importância histórica, e única, do derramamento do Espírito Santo no Pentecostes é analisada com pertinência pelo teólogo americano Antony D. Palma:

A vinda do Espírito Santo sobre os discípulos que aguardavam no dia de Pentecostes foi sem precedentes. De um modo muito importante, foi um evento único, histórico, sem repetição. Essa vinda do Espírito foi profetizada especialmente por Joel (Jl 2.28,29) e foi ratificada na ascensão de Jesus (At 2.33). Foi um evento histórico-redentor: O termo “histórico-redentor” (ou histórico-salvífico) é a forma adjetiva de “história salvífica”, um importante conceito da teologia bíblica. Ele enfatiza a atividade de Deus na História e através dela, com o objetivo de atingir seus propósitos redentores para raça humana. Carson diz: “Pentecostes na perspectiva de Lucas é antes de tudo um evento histórico-salvífico culminante”. [4]

Certamente a pequena comunidade do período antigo da Igreja não imaginava a dimensão de sua participação naquele evento “histórico-salvífico” cuja característica principal foi sua expansão fenomenológica, atingindo em pouco tempo a maior parte do mundo antigo. Essa expansão, historicamente, começou no cenáculo onde algumas pessoas perseveravam em oração e aguardavam a promessa do Pai.

Através da oração Deus opera poderosamente. A oração era o elemento principal na vida do Senhor Jesus, dos apóstolos e da Igreja Primitiva onde a luta diária era constante, porém, na mesma proporção era o desejo dessa igreja em ver o seu Senhor anunciado a todos.

Os primórdios das Assembleias de Deus no Brasil, que sempre foi conhecida como uma igreja de oração, demonstra o legado dessa prática. Os testemunhos em relação a realidade piedosa naquele período, onde a mensagem pentecostal começava a ser propagada, são infindáveis. Hoje pode-se dizer, que direta ou indiretamente, a população evangélica no Brasil é majoritariamente pentecostal. Esse fato é possível porque no Brasil diferentes grupos oriundos de igrejas tradicionais perseveravam, em oração, e criam na promessa pentecostal bíblica.

Por isso, prezado professor, fale ao seu aluno da atualidade do batismo no Espírito Santo. Deus quer encher seu povo, mexer com a estrutura de seu caráter, impregnar a ética cristã em sua vida. Sem dúvida que a oração é um bom começo para essa mudança!


Referências:
[1] PEARMAN, Myer. Atos: E a Igreja se Fez Missões. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p. 20.
[2] Aqui o evangelista Lucas reproduz exatamente as palavras de Jesus.
[3] HORTON, Stanley M. O que a Bíblia Diz sobre o Espírito Santo. 4. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p. 154,55.
[4] PALMA, Anthony. O Batismo no Espírito Santo e com Fogo: Os Fundamentos Bíblicos e a Atualidade da Doutrina Pentecostal. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2002, p. 28.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Pastores que matam ovelhas!

Li recentemente que mais de 50% dos pastores brasileiros, segundo uma pesquisa, NUNCA leram a Bíblia completamente. Eu, pessoalmente, já ouvi dois pastores confessarem que nunca tinham lido a Palavra de Deus de capa a capa. Ou seja, um pastor que é ministro da Palavra (ah?) não tem intimidade com ela!

Pois bem, imagine um médico que não sabe ler uma receita. Imagine um engenheiro que não sabe ler uma planta. Imagine um mecânico que não saber avaliar os defeitos de um carro. Imagine tudo isso... Sabe o resultado que pode sair no final? Morte! Um remédio errado, um prédio mal construído, um carro não ajustado... Tudo isso pode provocar mortes em graves acidentes!

Pastores sem intimidade com a Bíblia matam as ovelhas espiritualmente! Contam histórias, falam testemunhos, enganam com piadas, mas NADA de Palavra! As pessoas estão sedentas da PALAVRA. Uns falam em costumes, outros recontam mil vezes o seu testemunho, outros ainda chamam “amigos pregadores”, mas nada falam das Sagradas Escrituras!

A “santa preguiça” é a principal causa dessa tragédia!

A profecia de Amós já está se cumprindo:

“Estão chegando os dias”, declara o SENHOR, o Soberano, “em que enviarei fome a toda esta terra; não fome de comida nem sede de água, mas fome e sede de ouvir as palavras do SENHOR. (Am 8.11 NVI)

Como Deus pode ser amoroso e mandar pessoas para o inferno?

Como Deus pode ser amoroso e mandar pessoas para o inferno? from iPródigo on Vimeo.

D. A. Carson certamente é um dos melhores teólogos da atualidade. Experimente ler as densas obras desse autor. Há livros dele pelas editoras FIEL, CPAD e Vida Nova.



terça-feira, 9 de novembro de 2010

Você realmente crê?

Você nunca sabe o quanto realmente crer, em qualquer coisa, até que a sua verdade ou a sua falsidade se torna uma questão de vida ou morte. É fácil dizer que você acredita que uma corda é forte e sólida enquanto está apenas usando-a para cabo de uma caixa. Mas imagine a necessidade de se prender na corda sobre um precipício!

... Só um teste de risco real mostra a realidade de uma crença.

C. S. Lewis em A Grief Observed.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Deuses Falsos


Muitos dizem que dinheiro, sexo e sucesso são as chaves da felicidade e colocam sua fé nelas. Porém, casamentos, carreiras e fortunas desaparecem para muitos. As pessoas que idolatraram estes falsos deuses, agora sofrem.

Assim é a sinopse do mais recente livro do teólogo norte-americano Timothy Keller. A obra Deuses Falsos (Thomas Nelson Brasil, 2010, 176 páginas) trata de um assunto muito discutido, mas sem simplismos e clichês. É uma obra simples, mas densa. Você certamente aprenderá com cada capítulo. Keller mostra como o mal da idolatria atinge cada espaço nas nossas vidas, inclusive em algumas crenças.

Keller é um pastor que conseguiu a proeza de montar uma igreja viva e dinâmica no coração de Manhattan, em Nova York (EUA). Além desse excelente livro, existem outras duas obras ótimas traduzidas para o português: O Deus Pródigo (Thomas Nelson Brasil) e A Fé na Era do Ceticismo (Campus), essa última sendo a sua principal obra e lançada no Brasil por uma editora secular, especializada em livros de economia e negócios.

Todos são recomendáveis. Leia, cresça e aprenda com teologia boa (bíblica) e contextualizada (relevante para os dias de hoje), sem aquela síndrome daqueles que querem “inventar a roda”.

domingo, 7 de novembro de 2010

Pastor Julio Soder morreu!

(* 6 de agosto de 1958 + 7 de novembro de 2010)


Morreu hoje à tarde, domingo 07/11/2010, em Belo Horizonte, o pastor Julio Soder, um defensor da fé cristã na blogosfera cristã. Soder muitas vezes participou de debates neste blog, além de comentários no Facebook e Twitter. Era um “amigo virtual”. Concordou com muitos textos, discordou de outros e deu dicas. Será uma falta na nossa internet cristã.

Lamento profundamente a morte do pastor Julio Soder.. Minha solidariedade à sua família e as ovelhas da Igreja Batista Peniel, em Belo Horizonte (MG). Que o Senhor conforte cada coração, especialmente de sua esposa e filha, que nos deu a notícia por meio do perfil de seu pai.

O blog do pastor era: http://prjulio.blogspot.com/

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Lição 06 - A importância da oração na vida do crente

Subsídio escrito pela equipe de educação da CPAD

LEITURA EM CLASSE: Filipenses 4.4-9

INTRODUÇÃO
I. RECONHECENDO O VALOR DA ORAÇÃO
II. A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA ORAÇÃO DO CRENTE
III. COMO DEVE O CRENTE CHEGAR-SE A DEUS EM ORAÇÃO
CONCLUSÃO

ORAÇÃO: UM RELACIONAMENTO DE AMOR COM DEUS1

A oração é questão de amor


Chegar a uma teologia ou compreensão básica da oração deveria ser uma das principais prioridades de todo crente. Um estudo dos exemplos bíblicos de oração eficaz, [...] também reveste-se de vital importância. Mas enquanto o crente não se engaja verdadeiramente na oração, de maneira prática e significativa, a teologia e o estudo são de valor limitado. A oração não é respondida por que um crente sabe como ela funciona, mas porque conhece pessoalmente aqueEle a quem as orações são dirigidas.

Antes de qualquer coisa, a oração é questão de amor. Não se trata de encontrar os métodos, as técnicas ou os procedimentos certos para persuadir a Deus a fazer aquilo que desejamos. A mais elevada forma de oração é a relação de amor entre dois corações (o do crente e o de Deus), que batem como se fosse um. Andar com Deus na mais doce comunhão da oração é uma relação contínua. É certo que Deus ouve o clamor cheio de pânico, pedindo ajuda e livramento do desastre ou da calamidade. Mas livrar o crente da tribulação, a fim de que ele possa voltar à sua rotina apática, não é propósito de Deus ao responder às orações. As aflições podem ser a maneira dEle dizer: “Venha a mim. Eu amo você, e desejo ter um recíproco e contínuo relacionamento de amor com você”.

Desenvolvendo o relacionamento de amor


Mas como é que alguém desenvolve esse amor que forma o alicerce de uma vida de oração eficaz? A pergunta mostra-se especialmente pertinente em se tratando do bem-estar material e das questões relacionadas aos dias de hoje. Os cuidados e os confortos da vida atraem o afeto humano a tudo, menos a Deus. E nem deve esse relacionamento de amor, que almeja a comunhão divina como o próprio Deus, vir apenas para fazer pedidos. Antes, deve ser nutrido e cultivado até chegar à maturidade. Começa com a prática regular das várias disciplinas da oração e cresce, com fiel persistência, até chegar a um belo relacionamento de amor com o Pai celeste. As orações são respondidas quando são enviadas ao céu por meio da linha do amor. É inteiramente inconcebível que um crente comum possa ser identificado com um crente cheio do Espírito, pentecostal ou carismático, sem ter um estilo de vida no qual a oração eficaz desempenhe um papel importante.

[...] Seria tolice edificar os fundamentos de uma obra sem erigir uma construção em cima. Portanto, a busca da teologia e de exemplos bíblicos de orações respondidas são inúteis, a menos que uma prática diária de comunhão em oração seja edificada sobre esse alicerce.

[...] O crente sério deve sempre estar consciente da proximidade de um Deus pessoal, que deseja comunicar-se com seus filhos. E quando a mente e o coração estão livres dos cuidados deste mundo, que ocupam grande parte das horas em que estamos acordados, naturalmente nos voltamos àquEle com quem a comunhão é agradabilíssima.

Reflexão: “Não há nenhum mandamento neotestamentário que requeira um número diário de orações ou um horário preestabelecido para essas orações. Cada crente, por sua própria iniciativa, deveria determinar e traçar um hábito pessoal de oração, pois sem isso é quase impossível que seja desenvolvida uma vida de oração eficaz”.

[1] Texto extraído da obra “Teologia Bíblica da Oração” Rio de Janeiro: CPAD.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Os demagogos dos palanques e dos púlpitos

Os governos de esquerda e populistas, especialmente na América Latina, se colocam como defensores dos pobres e inimigos das elites. Ainda por cima contam com vários “intelectuais progressistas” que defendem esse maniqueismo político dos “bons” contra os “maus”. Mas esses políticos e intelectuais realmente amam os pobres?

Ora, quem defende demandas por um Estado forte não pode negar que essa ideologia resulta altos impostos para a sustentação das políticas paternalistas. Isso é ser a favor dos pobres? Vamos ao exemplo do Brasil: O mesmo governo que dá “bolsa disso e bolsa daquilo” é o mesmo que retira metade da renda do pobre para o pagamento de impostos.

No Brasil, um pai de família que ganha 1000 reais paga 539 reais em impostos! Vou repetir: o pobre pai de família que ganha 1000 reais paga escandalosamente 53,9% do seu salário em impostos! Ou seja, o brasileiro mais pobre trabalha 200 dias para pagar o governo! Ora, por muito menos os romanos eram odiados em Jerusalém na época de Cristo. Isso é amar o povo? E ainda o patrão desse pobre trabalhador paga 900 reais para o governo em impostos, ou seja, o seu funcionário custa quase o dobro!

E pior. Quando mais pobre é o brasileiro, mas ele paga imposto! E o que recebe em troca? Transporte mega-lotado, hospitais em péssimas condições, educação de quinta categoria etc. Isso é amar o pobre? Esso é o governo defensor dos oprimidos como muitos evangélicos progressistas proclamam por aí? Amigo assim é melhor ter inimigos. Em Israel da época de Cristo esses cobradores de impostos eram detestados, mas já no Brasil são tratados como salvadores.

Ah, mas o governo dá as bolsas... Sei! E ainda se porta com o messias salvador do povo enquanto dá 90 reais e toma metade do valor do quilo de arroz em impostos, por exemplo.

Sabe como podemos chamar esse discurso? DEMAGOGIA! Os políticos são mestres nessa arte.

Demagogia é o uso do discurso popular para fins nada nobres.

Nos púlpitos

Pego esse exemplo da política e passo agora para os púlpitos das igrejas pentecostais. Cansei de ouvir demagogos dizendo que não estudaram teologia com ar de anti-intelectualismo e ainda posam como coitadinhos. Gente que não estuda porque não quer, mesmo tendo condições financeiras para tal. Se portam como mais “espirituais” por possuírem a “virtude” da ignorância. Isso é discurso baixo e sem vergonha daqueles que têm preguiça de estudar. E em uma sociedade que não dá valor aos estudos, esses discursos soam como música em muitos ouvidos.

Demagogia engana duplamente, pois usa o discurso mentiroso e mostra virtudes que o demagogo não possui.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

O Oriente Médio como sempre foi!

Infelizmente a perseguição aos cristãos (protestantes e católicos) continua forte no Oriente Médio. Em parte é culpa dos medrosos governos ocidentais (EUA, União Europeia, Brasil etc.) de pressionar tais países pelos direitos humanos mais básicos, como a liberdade de culto. Infelizmente existe “intelectual” idiota no Brasil que afirmará: “devemos respeitar a cultura deles”. Ora, para mim a vida está acima de qualquer cultura, religião, crença ou vontade. E ontem uma igreja católica foi invadida por radicais islâmicos no Iraque resultando em dezenas de mortes.

Qual o meu e o seu papel? Simplesmente orar e sempre defender, quando possível, os diretos humanos. Muita oração pela igreja perseguida e pelos milhões de pessoas que sofrem com governos autoritários.

Youcef Nadarkhani, pastor iraniano, enfrenta execução

http://www.portasabertas.org.br/noticias/noticia.asp?ID=6644

E infelizmente Sakineh pode ser executa amanhã

http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,ira-planeja-executar-sakineh-na-quarta-feira--afirma-ong,633699,0.htm

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Que Deus abençoe o Brasil, o seu povo e os seus novos governantes

Pronto. Acabou as eleições. Agora vamos voltar para a nossa tarefa do fazer teológico. Mas antes, um detalhe: nós cristãos somos cidadãos deste país e temos o direito de fazer nossa voz ser ouvida, independente de quem senta na cadeira do Planalto.

A nossa tarefa é orar pelos detentores do poder, mesmo discordando fortemente do governo:

Em primeiro lugar peço que sejam feitos orações, pedidos, súplicas e ações de graças a Deus em favor de todas as pessoas. Orem pelos reis e por todos os outros que têm autoridade, para que possamos viver uma vida calma e pacífica, com dedicação a Deus e respeito aos outros. Isso é bom, e Deus, o nosso Salvador, gosta disso. (I Timóteo 2. 1, 2)

Que Deus abençoe a 40º presidente do Brasil e que ela cumpra as promessas do seu discurso de vitória proclamado na noite do domingo. Que Deus abençoe o Brasil como uma terra que progrida e avance rumo a estabilização institucional, econômica e social. Que possamos ver mais educação e menos corrupção, mais emprego e menos violência, mais saúde e menos contrabando... Sim, o Brasil nunca será uma Suíça, mas não podemos nos conformar que a oitava economia do mundo ainda tenha tanta miséria. Vamos orar e trabalhar pela nação.

Que Deus abençoe Dilma Rousseff. Não votei nela, como sabem, mas cabe a nossa intercessão pela presidente do Brasil e que seu governo não cumpra nossas previsões mais pessimistas baseadas no realismo político nacional. Que sejamos frustrados, pois será uma boa surpresa!