sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Lição 05 - Sinais e Maravilhas na Igreja

Subsídio escrito pela equipe de educação da CPAD

INTRODUÇÃO

I. Sinais e Maravilhas, a ação sobrenatural da Igreja
II. O milagre na Porta Formosa
III. O milagre abre a porta da Palavra


MILAGRE: UM SINAL ATUAL

Professor, o sobrenatural é um dos pilares da doutrina cristã. A vida ministerial de Jesus Cristo foi permeada pelos eventos sobrenaturais: o seu nascimento virginal; seu ministério com variedades de milagres; sua ressurreição física dentre os mortos; e sua ascensão corpórea ao céu. Estes são alguns dos numerosos eventos sobrenaturais do verdadeiro cristianismo bíblico.

O Cristianismo histórico, sem o elemento sobrenatural, não passaria de uma religião vã. Sobre esta questão o apóstolo Paulo assevera: E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. [...] E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E também os que dormiram em Cristo estão perdidos (1 Co 15.14,17,18).

A nossa denominação é considerada hoje a maior Igreja Evangélica do Brasil porque os seus pineiros creram no sobrenatural de Deus e, com autoridade, pregaram ousadamente a atualidade dos milagres divinos.

Por isso, prezado professor, desenvolva o conceito bíblico de MILAGRE na introdução da lição.

O que é Milagre

No Antigo e em o Novo Testamento, há três termos que descrevem um “milagre”. São eles: Sinal, Maravilha e Poder. Nessa oportunidade nos deteremos ao termo Sinal.

No Antigo Testamento, esse termo apresenta algo ordenado por Deus com uma significação especial, como por exemplo: a libertação de Israel através de Moisés (Ex 3.12). Deus prometeu que libertaria o povo israelita das mãos dos egípcios através de seu servo Moisés. Este O serviria no Monte Horebe.

Em o Novo Testamento o termo “sinal” se refere aos milagres de Jesus, tais como uma cura (Jo 6.2), a transformação da água em vinho (Jo 2.11) e especialmente o milagre mais significativo do Novo Testamento: a Ressurreição de Jesus Cristo.1

Estudando meticulosamente os termos que descrevem o evento do milagre, saberemos que cada um deles revela um aspecto do milagre. Ainda, veremos que o milagre é um evento incomum. Ele comunica a confirmação da mensagem divina, através, de uma habilidade poderosa concedida pelo Espírito Santo.

Portanto, professor, você pode definir milagre dizendo que se trata de “uma intervenção divina no curso regular do mundo, que produz um evento objetivo que não ocorreria de outra forma”, Ou seja, é a ação poderosa de Deus intervindo no mundo natural.

Para enriquecer as suas aulas você pode consultar a Teologia Sistemática Vol. 1 de Norman Geisler e a “Teologia Sistemática: Uma perspectiva Pentecostal”; ambas editadas pela CPAD.

Desejamos uma aula edificante a você e aos seus alunos!

_________________________________________
1 GEISLER, Norman. Teologia Sistemática. Vol. 1. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, 42.

Um comentário:

Fábio José Lima disse...

Graça e Paz irmão Gutierres,

Parabéns pelo post, um excelente comentário, como o irmão é professor da EBD, gostaria de fazer um comentário, percebo que as últimas lições os temas têm sido uma bênção, porém os comentários trilham caminhos assim que fico a me perguntar: onde eles queriam chegar?
O comentarista deixa de abordar outros aspectos, que a meu ver seria muito mais interessantes, cabendo ao professor colocá-los dentro da lição, veja o assunto deste trimestre, não esquecendo que é o ano do Centenário da AD, livro de Atos, poderia sempre dar uma pincelada sobre a expansão da Igreja, sua chegada aqui ao Brasil, derramamento de poder, fotos que foram deixados para lá...
Veja está lição n.° 05, o comentário, oficial, é permeado de sarcasmo, "tirando uma casquinha" com inúmeras denominações. O que acho interessante é quando ele cita Marcos 16.17,18. Muitos Pastores devem ter décadas que não se deparam com uma pessoa endemoninhada, isso para não falar de oração para que os doentes recebam a cura.
E quando fala de Igrejas Ricas e Poderosas, será que não estão esquecendo de olhar para dentro de nossa própria denominação?
Perceba que dentro de nossa denominação há sim igrejas onde se vê o derramamento do poder de Deus, sobretudo nas mais afastadas, nas periferias, onde não há, muitas vezes, estacionamento, heliponto, os membros vêm a pé, de bicicleta, no seu carro simples, de ônibus, etc (não que entre os mais abastados não tenha manifestação do Poder de Deus, mas...). Se vê uma hipocrisia, a meu ver nos comentários, oficiais, de forma bem sutil.
Parabéns pelo seu comentário, foi uma boa abordagem.
Fique na Paz.