domingo, 27 de fevereiro de 2011

Rob Bell saiu do muro?

Eis que um grande debate surgiu no Twitter sobre o suposto universalismo de Rob Bell. No final próximo mês será lançado, nos Estados Unidos, o novo livro do líder emergente. A obra Love Wins: A Book About Heaven, Hell, and the Fate of Every Person Who Ever Lived (“O Amor Vence: Um livro sobre céu, inferno e o destino de cada pessoa que já viveu”, em tradução livre) promete polêmica. Mediante a leitura sabemos a posição de Rob Bell sobre um assunto importante para a fé cristã.

Como lembra Justin Taylor, ainda não é possível afirmar, sem a leitura do livro, se Rob Bell é universalista ou não. Vamos esperar este mês. Mas não será surpresa se ele assumir essa posição. Aliás, Taylor lembra que a posição mais transparente de Bell é melhor do que Brian McLaren que sempre fica em cima do muro quando questionado sobre uma posição mais firme nos assuntos evangélicos.

Existem dois tipos de igrejas emergentes:

Igrejas emergentes de tendências liberais- São igrejas com uma liderança sintonizada com o pós-modernismo e posições abertas em relação ao homossexualismo, por exemplo. É o velho liberalismo teológico e o progressismo social com roupagem teen. Rob Bell é o maior nome dos emergentes liberais.

Igrejas emergentes reformadas- O maior representante dessa tendência é Mark Driscoll. Eu já recomendei e recomendo vários livros e vídeos desse pastor. Sua teologia é reformada, mas sem o cessacionismo dos antigos calvinistas. Falam a língua pós-moderna mas com teologia antiga. Na minha opinião é a melhor expressão evangélica da atualidade.

Quantos líderes brasileiros são obscuros nas posições que acreditam? Quantas vezes já ouvi pregações antigas de famosos pastores e me perguntei: “Será que ele acredita nessa verdade hoje?”.

Que Rob Bell seja de fato transparente e que os seus defensores assumam no que realmente acreditam. Que saiam do muro!

9 comentários:

Luciano disse...

Parafraseando o Gutierrez, a pergunta que se deve fazer a partir do testemunho de alguns pastores e líderes cristãos com que nos daparamos é: "Será que ele ainda acredita EM VERDADE hoje?"
No passado nos debatemos contra o modernismo por causa do embate entre verdades, as dos filósofos daquele período histórico - o malfadado século XIX - e a VERDADE que o Cristianismo apresenta. Agora, com o advento do pós-modernismo, a luta me parece mais complicada - a VERDADE contra um fantasma, uma sombra, uma névoa que se dissipa ao vento, a saber, a negação de qualquer verdade - o relativismo.
Então, olhamos ao nosso redor, e o que vemos? Cristãos de todas as estirpes dirigindo-se para lá, para o meio da névoa, de onde não podem ser vistos nitidamente e não sabemos mais se vemos um cristão ou um... bom, sei lá o que se parece, a névoa dificulta muito a visão.
Foram citados aqui Rob Bell e Brian D. MacLaren, e os conheci através do site do Pr. Ricardo Gondim, onde são indicados esses e outros autores das mais diversas orientações religiosas para a construção de um outro cristianismo, um outro deus, e não sei mais que outro o quê. Não foi uma experiência de muitos bons frutos - ainda jogo concreto nas minhas colunas hoje.
Vamos voltar aos fundamentos, irmãos, vamos nos instruir, saber com base em que pilares nossos irmãos do passado se mantiveram firmes diante do embate do século XIX - a atuação de Spurgeon é um bom indicativo, como também a mente cativa a Cristo. Certamente não foi se fechando para o intelectualismo, para a filosofia, para a teologia, adotando uma postura escapista ou bovinamente acomodada ao som de "agora é só vitória, é só vitóriaaa".
Instruamo-nos, na Palavra de Deus, na teologia, na filosofia, que névoa só se vence com sol forte, e o nosso brilha acima de tudo isso, basta-nos descartar os óculos escuros.
Soli Deo Gloria.

Diego disse...

É indescritivelmente triste quando os que são chamados para serem ministros da Palavra pervertem o evangelho e enganam o povo de Deus com falsas doutrinas.
Justin Taylor

É como disse John Piper, “Adeus Rob Bell”...

Diego disse...

Aliás eu não sei como um estudioso ou teólogo cristão, pode abraçar ou defender o Universalismo.

É jogar a Pessoa, os Atributos e a Obra de Cristo no lixo, aliás de toda Trindade.
Produz mais dúvidas do que certezas, desconfiança do que confiança e etc.

Sobre a igreja emergente desprovida de vida espiritual sadia, ou liberal, eu recomendo o livro "Igreja Emergente- O movimento e suas implicações" de D. A. Carson, das editora Vida Nova.

Anônimo disse...

Olá irmãos, paz!
Acabei de ouvir Uma palavra do Caio Fábio muito interessante onde ele fala que no fim o último mandamentos era o amor, mas, no meio da mensagem ele fala que todo universalista é veado, cabritinho safadinho, o que pode ser uma alfinetada no nesse pastor aí.

http://www.caiofabio.net/conteudonews.asp?codigo=21

Só a título de informação.

Ednaldo disse...

A Paz do Senhor, Gutierres, faz tempo que não apareço por aqui.

Acho que ainda não é hora de descer a madeira, o mais sábio, seria esperar o livro sair e então conferir qual o real posicionamento do Rob, ainda que as atuais "suspeitas" se confirmem verdadeiras. Aí sim, poderíamos descer a madeira.

Em Cristo,

Ednaldo.

Gutierres Siqueira disse...

Ednaldo,

Quanto tempo, hein? Realmente ainda é necessário esperar para saber a posição de Rob Bell.

Aprendiz disse...

Melhor o Rob Bell dizendo a que vem do que os incoerentes, como Caio Fábio. Ninguém agüenta mais essa patuscada toda desses pastores que ficam coxeando entre dois pensamentos.

Há liberdade de religião. Quem quiser, abandone de vez o cristianismo, torne-se budista, espírita, agnóstico, ateu, satanista. Apenas não fiquem perturbando a Igreja de Cristo com fingimentos e firulas.

Ficam nos púlpitos, nos seminários, nas revistas "cristãs", sempre de namorico com todas as idéias e doutrinas "bonitinhas", "contemporâneas", "afinadas com o nosso tempo". E descem a lenha nos simples cristãos, que querem apenas servir a Deus e ao próximo, e viver corretamente. Se esses pastores forem "machos", que se tornem mestres espíritas e vão lá aos Terreiros de umbanda falar mal do espíritismo. Ou tornem-se mestres budistas e vão lá aos mosteiros budistas falar mal do budismo. Ou tornem-se mulçumanos, e vão lá nas mesquitas falar mal de Maomé, e vejam o que acontece.

Irmãos, não há outro povo como os cristãos ocidentais, que pagam salários para que líderes venham aos seus locais de culto, falar mal de sua própria doutrina, de seu próprio Livro Sagrado, do seu próprio Messias. Nós, os cristãos do ocidente, somos um povo covarde, e os covardes não entrarão no Reino dos Céus.

Não bastasse isso, aínda há aqueles que difamam o evangelho verdadeiro nos seus atos, praticando a simonia. Nossas igrejas tem sido locais de roubo, tanto quanto as igrejas católicas eram no tempo de Lutero. Qualquer um que queira construir um império financeiro e bem-vindo para roubar-nos.

Não bastasse isso, toleramos em nosso púlpitos manipuladores psíquicos, que lançam os irmãos uns contra os outros, ouvem suas fraquezas nos gabinetes e saem espalhando fofocas. Destroem famílias, quebram amizades, levam as pessoas à loucura. Quantos evangélicos há internados ou tomando remédios fortes, por terem sido prejudicados? Quantas pessoas perderam carreiras, ministérios, família, saúde?

Não bastasse isso, toleramos ser dirigidos por falsos profetas, que falam as maiores barbaridades, jogam verde, suas profecias não se cumprem e ninguém lhes lança em rosto que são falsos e enganadores. Quantos milhares ou milhões de pessoas tem sido prejudicadas? Jesus nos advertiu contra falsos mestres e falsos profetas, mas nós temos tapado os ouvidos para não ouvir essa advertencia de Jesus.

Não bastasse isso, toleramos que agitadores políticos se façam passar por pastores, e nosso povo tem sido vendido aos partidos, e isso não nos escandaliza.

Não bastasse isso, desprezamos aqueles nossos irmãos que são cristãos verdadeiros, e que no mundo todo tem sido perseguidos. Na verdade, nos tornamos cumplices dos que os martirizam, pois temos acordos políticos com os seus perseguidores.

Irmãos, se é pecado e blasfêmia ser um falso mestre, um lobo vestido de cordeiro, então é pecado e blasfêmia apoiar um falso mestre. Não pensem que Deus nos considerará vítimas inocentes. O Diabo terá total liberdade para agir em nossos púlpitos se nos lhe dermos essa liberdade. Aparentemente, temos dado um cheque em branco para o Diabo. Se permitirmos que o diabo escolha "pastores", "profetas" e "mestres" para nossas igrejas, ele escolherá.

A história se repete: como Adão entregou o mundo ao Diabo, nós temos entregue nossos púlpitos a lobos devoradores. Não seremos tidos como inocentes, mas como traidores que somos.

Se você não tem sido conivente com nada disso, não se ofenda, essa palavra não é para você. Mas certamente é verdadeira para muitos.

Aprendiz disse...

Gutierres

Gostaria de ler algum comentário seus sobre o ministro paquistanês cristão que foi assassinado por defender os cristãos.

A imensa maioria dos "evangélicos" brasileiros não tem um centésimo dessa coragem.

Luiz Carlos Ferreira disse...

Cara, voces sao muito chatos. Alem de arrogantes, e julgadores do proximo.
''NÃO julgueis, para que não sejais julgados.
2 Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.
3 E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?
4 Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu?"
Luiz CS Ferreira