segunda-feira, 14 de março de 2011

Matemática Teológica


Questões matemáticas que não encontrei respostas. Abaixo está a soma de verdades bíblicas que não encontram uma lógica.

a) Deus é Soberano + Deus é Amor + Tragédias = ?

b) A liberdade humana + Soberania de Deus = ?

c) Jesus plenamente homem + Jesus plenamente Deus = ?

d) Deus uno + Três Pessoas = ?

e) O homem é mal + Imago Dei = ?

f) Versículos monergistas + Versículos sinergistas = ?

Vocês percebem nessas contas que a Bíblia ensina uma série de verdades que não se encaixam na nossa cabeça? Elas parecem contradizentes. Por exemplo, aprendemos sempre que um ser é homem ou deus. Quando homem não é um deus. Quando deus não é um homem. Mas a Bíblia ensina que Jesus é tanto homem como Deus. Mas como? Há lógica nisso? É evidente que não há lógica! Mas não deixa de ser verdade.

Deus é Soberano? É claro. Ele sabe de tudo? Fato. Ele ama a todos? Sim, perfeitamente. Ele tem todo o poder? Evidente. Mas então por que acontece tragédias? Tchau, minha mãe está me chamando...

Hum. A Bíblia é o livro mais contrário à autoajuda. O homem sempre é apresentado como mal, perverso, depravado, ignorante etc. A mesma Bíblia diz que o homem é a Imago Dei (Imagem de Deus). Como? Não entendi. Até o sábio Pascal comentou tal fato. Mas no fundo ele apresenta uma resposta:

O cristianismo é estranho; ordena ao homem que se reconheça como vil e até abominável, e lhe ordena que queira ser semelhante a Deus. Sem esse contrapeso, esse elevação o faria horrivelmente vaidoso, ou esse rebaixamento o faria horrivelmente abjeto. [Pensamentos de Pascal]

A liberdade humana e a Soberania Divina estão nas Escrituras. Mas como casar as duas verdades?

Muitos livros ainda serão escritos procurando esse casamento.

Será que esquecemos que a fé cristã é uma fé? Fé exige crença. Crença não é lógica. Não é testada em laboratório. Não é resolvida numa equação. Creio, logo existo.

A Bíblia é cheia de paradoxos. Será que não vemos isso? Não confunda com contradições. Paradoxo são duas verdades aparentemente contradizentes, mas que no fundo não são. James Packer lembra:

É preciso atribuir a aparência de contradição à deficiência da nossa própria capacidade de compreensão; encarar estes dois princípios não como duas alternativas rivais, mas como algo que, de alguma forma, você não consegue compreender no presente momento, mas que são mutuamente complementares.

Entendeu. Como casar Soberania de Deus e Amor de Deus? Não tente um casamento. As respostas não são suficientes. Vamos fazer mais silêncio. A Bíblia apresenta inúmeras respostas, mas deixa questões em aberto.

6 comentários:

charles disse...

Cada vez me convenço que ser cristão é para quem tem guts! Ateus são muito sentimentais, e eles que falam que são racionais!

Por exemplo, as tragédias, querendo ou não, Deus é dono da vida, e ele tira ou coloca nesse mundo seres vivos todos os dias, nesse exato momento Deus está finalizando a vida de milhares de pessoas, e não temos como exigir que seja sem dor. Daí que só lembram de Deus quando ocorrem as tragédias...

Não é de se pensar que foi castigo divino, pois sempre que Deus castigou ele enviou um profeta antes, mas nada, absolutamente nada pode surpreendê-lo.

Há um problema, se vc disser que nosso Deus não é lógico ou possível, ele é impossível e portanto, ele não pode existir, assim como quadrado redondo, é uma rota suicida, acho que existe essa possibilidade e não é ilógica, a água é por exemplo um elemento só em três formas. Já Jesus como homem e como Deus é demonstrado todo o tempo na bíblia, quando o mesmo escolheu ser fraco em vez de forte.

Mas posso estar errado... não tenho problema de encontrar um Deus que esteja acima da lógica humana, apesar de que isso só o tornaria ainda mais difícil de dar as razões da nossa esperança...

O homem possui a capacidade de fazer o bem, a imago dei significa os talentos tais como música, etc... mas ao mesmo tempo todo homem possui o pecado original e basta um empurrão para que o mesmo vire um Hitler, todos nós, creio eu, estávamos lá com adão e eva desobedecendo, pq todos iríamos fazer a mesma coisa.

Já deixa essa encrenca monergista/sinergista pra outra hora lol! shaush

Ana Paula disse...

Muito bom!!!!! Quando queremos ir além do que nossa mente finita permite, acabamos expondo uma loucura teológica, que não conquista almas, apenas afasta-as. Temos que compreender que teremos uma eternidade para que Deus nos ensine pessoalmente tais soluções matemáticas.
Deus lhe abençoe!!!

jp_israel disse...

Essa postagem não foi nada instrutiva. Eu não sou perito no assunto. Mas há muitos pastores e teólogos que tentam explicar essas questões. Nem sempre conseguem mas muitas vezes chegam perto pra não dizer que acertam. Agora esse texto só complicou quem tinha um pouco de incerteza.

Gutierres Siqueira disse...

Caro JP, a paz!

Tentativas há para encaixar essas verdades. Mas precisamos?

Cremos que Deus é soberano e também cremos que o homem é livre. Aparentemente são verdades excludentes, mas isso é por causa da nosso limitado conhecimento como homens.

Por que passa ano e vem ano, ou seja, desde Agostinho discutimos essa questão e até agora não houve uma solução final?

É bom tentar essas soluções, mas sempre serão insuficientes.

Creio, logo existo.

Valter Borges disse...

A questão é...
Sempre queremos respostas prontas!
Dá mais segurança!

As questões tornam-se difíceis quando colocamos nosso ponto de vista acima de tudo isso.

Mas, quando deixamos a Bíblia falar e considerar os tempos, épocas, estações, então tudo fica claro!

Veja: Deus é soberano, mas não significa que Ele me obrigue a tomar decisões!!
Isso é simples como um pai orienta seu filho tendo-o ainda sobre sua responsabilidade!

Deus é onisciente, mas não significa que Ele interfira!

A Bíblia mostra um Deus que revelou aspectos do futuro, ocorre que nós o conhecemos porque foi registrado.

Então vem a pergunta: O fato ocorreu porque estava registrado, ou Deus somente revelou de antemão o que já Ele já sabia? Ou seja, poderia ter sido diferente.

Judas traiu Jesus porque estava escrito? Ou porque Deus registrou o que já sabia que ocorreria? Ou seja foi uma escolha ou uma fatalidade? Foi Judas, mas poderia ter sido outro? Deus poderia ter evitado que Judas traísse Jesus ou não interferiria na questão? Não interferiria porque não quis, ou é a conseqüência natural da natureza pecaminosa humana?
Porque Deus cura uns e outros, não??

Será que temos essas respostas neste tempo ou temos de recorrer à época da Igreja Medieval?

Quais as respostas teológicos para um mundo pós-moderno??

As catástrofes são punições de Deus? Ou conseqüência natural da queda, do pecado original? Na queda foi somente o homem quem decaiu da graça, ou,também, toda a criação, incluindo aí a natureza??

Se for assim, portanto, as catástrofes não são castigos de Deus, mas resultado direto de uma criação que está gemendo e muito...

Então o problema não são as respostas, mas sim as perguntas.

Estamos fazendo as perguntas erradas!

Pensemos nisso!

Abraços,

Ev Valter Borges

http://www.teologiaesociedade.com

Juarez Felix disse...

As questões são teológicas, não matemáticas.
Tragédia hoje, origem de boas mudanças amanhã, são as linhas tortas de Deus.
A liberdade decorre do livre arbítrio, de escolher entre o bem e o mal.
Humanidade e Divindade de Jesus é prevista na Bíblia. A Trindade é dogma teológico, não matemático. O mal não existe, é apenas falta do bem pelas escolhas humanas.
Juarez Rogério Felix - católico