terça-feira, 12 de abril de 2011

Hereges de Chesterton

O livro Ortodoxia (Editora Mundo Cristão) do escritor inglês G. K. Chesterton foi um verdadeiro sucesso entre os evangélicos brasileiros. Se você leu e gostou do livro não pode deixar também de ler o livro Hereges (Editora Ecclesiae) do mesmo autor, que foi lançado na semana passada. O livro já começou a ser comercializado na Livraria Cultura.

Podemos falar que Chesterton escreveu uma trilogia: Hereges (em 1905), Ortodoxia (em 1908) e O Homem Eterno (em 1925), esse último também lançado pela editora Mundo Cristão. O primeiro livro é uma provocação contra as filosofias do modernismo inglês, enquanto que o segundo livro é uma contra-argumentação das contestações que foram levantadas contra Hereges. Portanto, um livro é o complemento do outro.

Se você consegue ler muito bem em inglês, já que as edições são antigas e a linguagem é erudita, você tem o privilégio de baixar tais livros sem a necessidade de comprá-los, já que estão em domínio público no Brasil. Acesse:

http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.do?select_action=&co_autor=233

Como sei que poucos têm essa facilidade com um inglês mais clássico, inclusive este blogueiro, então é melhor comprar as traduções em português. A edição de Hereges vem com muitas notas de rodapé que explicam o contexto histórico dos escritos, algo que falta nas edições pela Mundo Cristão.

Nesse tempo em que alguns apologistas respondem as perguntas que ninguém faz, ler Chesterton é ser desafiado a entender e responder as perguntas do nosso tempo. Fica a dica!

15 comentários:

Robson disse...

Mas explique melhor como um teólogo católico vai conseguir me convencer a comprar um livro dele sobre ortodoxia.

L. H. Dessart disse...

Legal cara! Já li os outros dois. Agora, fiquei com água na boca para ler este...

Abraço!!!

Gutierres Siqueira disse...

Caro Robson,

Não estando convencido é melhor não comprar, pois acabará gastando dinheiro à toa em livros que você não irá gostar. O que é uma pena, já que são ótimos livros para cristãos em geral. Que o diga C. S. Lewis...

Robson disse...

Eu queria é que você falasse como a convicção romanista do Chesterton não compromete a apreciação por leitores protestantes, ainda mais quando se sabe que para ele os protestantes são hereges, e a ortodoxia só pode ser encontrada no Vaticano.

Gutierres Siqueira disse...

Caro Robson,

Se você ler os três livros indicados verá que é de um ponto de vista cristão sobre as ideias modernas. Como eu disse no post: É uma resposta de Chesterton para as teses iluministas. A questão catolicismo versus protestantismo não está em questão nesses livros.

Matias Heidmann disse...

agente sempre acha que todos os pensadores e teólogos católicos não prestam (é comum em um país onde o catolicismo, como o protestantismo, é extremamente místico e idólatra). Até o livro do papa sobre Jesus é excelente e recomendado nos círculos protestantes. Chesterton como C.S. Lewis estavam "nem aí" com a igreja a qual oficialmente pertenciam e preocupavam se em refletir sobre o cristianismo e sua época.

Gutierres Siqueira disse...

Matias,

O anti-catolicismo entre os evangélicos do Brasil é um fenômeno engraçado. Isso porque os evangélicos se comportam igualmente como o catolicismo popular.

Na minha denominação, por exemplo, temos papa. O que o pastor-chefe diz, os demais pastores falam "amém".

zwinglio rodrigues disse...

Gutierres,

estou lendo o Homem Eterno. Estou empolgado com a leitura.

O anti-catolicismo protestante-evangélico é um erro, a meu ver.

Claro que existem divergências sensíveis entre nós. Porém, "de Nazaré brota alguma coisa boa".

Estou ansioso para ler o livro de Bento XVI sobre Jesus, citado pelo Matias.

Se alguns irmãso de fé tomarem conhecimento da afinidade de Lutero com a "Virgem Maria" -como ele mesmo denomina-a- amaldiçoam-no.

Gutierres Siqueira disse...

Eu também estou ansioso pela tradução do segundo volume do livro "Jesus de Nazaré".

Anônimo disse...

Lamento que nós não tenhamos amadurecidos no que díz respeito à convicção doutrinária.Sim,digo isso por conta de que (mesmo líderes)não leem livros por medo.Ora,será que se acostumaram a livros de auto-ajuda e daqueles tipo como orar em sete lições;como pregar em três lições;como prosperar em pouco tempo e outros lixos que vicejam por aí no arraial evangélico. - Sim,(
sem ofensa) me parece que sim.Sou daqueles que pensam que se não tivermos nada para ler,devemos ler até bula de remédio.
Graça e paz irmão Gutierres!

Vosso em Cristo:José Nascimento Rodrigues

Prof. Luis disse...

Caros senhores,

sou católico e fico muito feliz de encontrar protestantes/evangélicos que sem preconceitos, buscando a verdade acima de tudo, não receiam em ler autores católicos. Também eu não tenho medo de ler autores protestantes. Li pouca coisa de C S Lewis, pretendo ler mais. Quanto aos livros do Papa sobre Jesus posso assegurar que há ali apenas a busca da verdade, nada além disso. Recomendo e aceito recomendações de autores evangélicos/protestantes.

Prof. Luis disse...

Caros senhores,

sou católico e fico muito feliz de encontrar protestantes/evangélicos que sem preconceitos, buscando a verdade acima de tudo, não receiam em ler autores católicos. Também eu não tenho medo de ler autores protestantes. Li pouca coisa de C S Lewis, pretendo ler mais. Quanto aos livros do Papa sobre Jesus posso assegurar que há ali apenas a busca da verdade, nada além disso. Recomendo e aceito recomendações de autores evangélicos/protestantes.

Prof. Luis disse...

Caros senhores,

sou católico e fico muito feliz de encontrar protestantes/evangélicos que sem preconceitos, buscando a verdade acima de tudo, não receiam em ler autores católicos. Também eu não tenho medo de ler autores protestantes. Li pouca coisa de C S Lewis, pretendo ler mais. Quanto aos livros do Papa sobre Jesus posso assegurar que há ali apenas a busca da verdade, nada além disso. Recomendo e aceito recomendações de autores evangélicos/protestantes.

Gutierres Siqueira disse...

Caro professor Luiz,

Recomendo esses livros...

http://www.teologiapentecostal.com/2012/12/leituras-para-2013.html

alemão disse...

Sou Protestante evangélico pentecostal, e não vejo nenhum problema em ler Chesterton ou C. S. Lewis já que o cristianismo deste último era bem diferente do que eu creio. O fundamento é o mesmo, o que difere ou o é construído sobre este fundamento é o que C. S. Lewis chama de de "Os Pontos Altos da Teologia" podemos aprender muito com as diferenças mas isso não significa que devemos aceita-las.