quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Pentecostal que faz barulho está com defeito de fabricação!

Assim, se toda a igreja se reunir e todos falarem em línguas, e entrarem alguns não instruídos ou descrentes não dirão que vocês estão loucos? (1 Coríntios 14.23)

O barulho ensurdecedor de um culto pentecostal contradiz a recomendação bíblica de um culto racional (Rm 12.1-2) e edificante (cf. I Co 12-14). Não é necessário ser barulhento para exercer os dons espirituais, já que nenhuma manifestação divina anula o livre-arbítrio. A edificação mútua sempre será anulada na grande barulheira. Quem gosta de culto irracional e ensurdecedor então tome consciência que precisa de outra Bíblia para justificar tal liturgia.

E quem disse que esse culto "dinâmico" seja de fato "único" e "não enfadonho"? Os "cultos" barulhentos são uma cópia um do outro. Sempre começa meio devagar e depois com clichês de autoajuda e uma dose de emocionalismo do pregador "animado" o ambiente "pega fogo". Onde Deus está sendo louvado nesse frenesi todo?

Várias pessoas falando em línguas ao mesmo tempo e outras tantas pulando descontroladamente são um indício de um culto cuja carnalidade tomou conta sob forma de espiritualidade. Por que carnalidade? Ora, nesse ambiente ninguém está pensando em edificação mútua, mas simplesmente no prazer da experiência espiritual individualizada. O culto barulhento é um conjunto de pequenos cultos individuais não conectados, ou seja, é um culto sem comunhão. É uma tragédia.

Falar em línguas não é errado. O problema é falar sem interpretação. Não havendo quem interprete, logo fale baixo, como Paulo deixou bem claro em 1 Coríntios 14.27-28: "Se, porém, alguém falar em língua, devem falar dois, no máximo três, e alguém deve interpretar. Se não houver intérprete, fique calado na igreja, falando consigo mesmo e com Deus". Mas claro do que isso? Impossível! Como um dirigente de um culto "pentecostal" pode desprezar tamanha clareza descrita em um capítulo inteiro da Bíblia?

O exegeta pentecostal Gordon Donald Fee observa: "Paulo não condena falar em línguas com um louvor comedido, como alguns têm argumentado, nem reverencia o dom, como os coríntios aparentemente haviam feito- e como fazem alguns defensores de falar línguas. Como com toda atividade fortalecida pelo Espírito, Paulo a tem em alta conta, mas em seu lugar apropriado"(grifo do autor) [1]. Ora, todo pentecostal deveria ter 1 Coríntios 14 decorado.

E Atos 2? Ali os discípulos não foram considerados como bêbados após o derramamento do Espírito Santo e mesmo assim não houve ali milhares de conversões? Sim, é verdade. Mas a conversão não aconteceu porque as pessoas observavam a manifestação coletiva, mas sim porque todos os discípulos calaram e Pedro levantou a voz inteligível e anunciou o Evangelho para aquelas pessoas. Além disso, a manifestação era de xenolalia (línguas estrangeiras) e não contorções corporais. O texto e contexto na língua grega deixam bem claro que os discípulos estavam sentados! A Carta os Coríntios já é uma disciplina no culto coletivo às manifestações espirituais.

O autocontrole (e não o controle da soberania do Espírito Santo) é essencial para um culto onde todos possam sair edificados. "As instruções que Paulo deu no tocante à cortesia, e o amor e as limitações às línguas não fariam sentido se os que falavam não tivessem pleno controle dos seus sentidos e consciência do que acontecia em redor deles"[2], como lembra o teólogo pentecostal Stanley Horton.

Paulo, sob autoridade apostólica, conclui o capítulo com uma fala que soa forte nos dias de hoje: "Se alguém pensa que é profeta ou espiritual, reconheça que o que lhes estou escrevendo é mandamento do Senhor". 1 Coríntios 14.37

Referências Bibliográficas:

[1] FEE, Gordon D. Paulo, o Espírito e o Povo de Deus. 1 ed. Campinas: United Press, 1997. p 185.

[2] HORTON, Stanley M. A Doutrina do Espírito Santo. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1993. p 248.

"Lata vazia também faz muito barulho", como dizia o pastor assembleiano Estevam Ângelo de Souza (1922 - 1996) 

22 comentários:

Cleison Brugger disse...

Gutierres, paz!
O fenômeno linguistico que aconteceu em Atos 2 não seria xenolalia?

Anônimo disse...

Gutierrez,deixe -me perguntar e desculpe se estou sendo incoveniente.Mas o amado irmão alguma vez teve a experiencia de interpretar linguas?ou outra experiencia parecida.conte-nos se possivel.fraternalmente em Cristo.

Gutierres Siqueira disse...

Cleison, a paz!

Obrigado pela correção. Eu realmente troquei os termos.

Gutierres Siqueira disse...

Caro anônimo,

Sim, já passei pela experiência da interpretação das línguas.

DEFENDENDO A FÉ QUE UMA VEZ FOI DADA AOS SANTOS!!! disse...

Caro Gutierres,

Você passaria longe da Rua Azuza...

O que acontecia lá deixaria vc e os crentes sorveterianos chocados!

Se tem coisa que eu não suporto é esses pseudoavivalistas que fazem o povo ficar gritando sem parar. Isso são manipulações baratas do poder pentecostal!Mas se vindo espontaneamente...que a igreja desabe de tanto grito e barulho!!!Vc parece que não leu a história de Gunnar Vingren escrita pelo próprio,né?Direto a polícia ia até os cultos dos pais-assembleianos por causa do griteiro...E isso a pelo menos há cem anos atrás!!!Mas vc,como bom-teólogo-frio-e-anti-barulho("como que,um homem culto,com faculdades e vários cursos de teologia nas costas ia gritar em público"?)prefere ignorar a História...

Pra não perder o clichê:"Pentecostal que faz barulho está com defeito de fabricação!"Discordo em tudo com o InFeliciano,mas com isso eu concordo.

Outro clichê clássico:"LUGAR DE SILÊNCIO É NO CEMITÉRIO!"

Barulho não produz Pentecostes,mas Pentecostes produz Barulho!!!

Gutierres Siqueira disse...

Caro Defensor da Fé, a paz!

Entre a história e a Bíblia, logo deve ficar com a Bíblia.

George Gonsalves disse...

Não há dúvida que pode haver muito barulho e nenhuma espiritualidade. Mas, devemos ter cuidado para não querer adequar as manifestações dos crentes ao nosso paradigma de ordem. Nos avivamentos a ordem "normal" das coisas sempre foi quebrada. Convido todos a lerem o artigo: "Culto, Nem irreverência, nem apatia", em http://igrejabatistadoverbo.blogspot.com/2011/09/culto-nem-irreverencia-nem-apatia.html.
Um abraço.

Ev.edson garcia Garcia ( 44) 88 06 11 24 disse...

{fico preocupado com essas ideias de um culto pentecostal na direcao do espirito santo a luz da palvra de Deus ser lata vazia.isso é uma ofensa ao Espirito Santo.nao é atoa que existe um punhado de igrejas frias aonde estao amoitados pecados e outras coisas.quando a poder na igreja de linguas estranhas batismo com espirito santo pecados sao revelados e nao escondidos.entrei nesse site em busc a de um estudo.mas ja estou saindo.purifica essa ideia no sangue do cordeiro Pentecoste.é barulho atos 1e 2}

Anônimo disse...

Esse assunto entre pentecostais é polêmico demais.
Sabemos que sobre tal assunto há os prós e contras,e sempre haverá.
Ora,há os que nasceram no mais barulhento ambiente pentecostal,outros não.Os primeiros são movidos mais a emoções,os segundos pela razão.
E observe que os barulhentos "tão nem aí" para a mensagem pregada de acordo com a homilética ou exegese usada pelo pregador.Aliás,dizem até que tais pregadores são frios.O que querem mesmo os barulhentos é pular,rodopiar,cair,serem "arrebatados no Espírito",sair para o "re-tê-tê"(é assim que se escreve?),afora isso,jesus não estar lá.
-Vamos provocar o poder de Deus,dizem.Eu me pergunto:poder de Deus se provoca?
Bem,parece que sim sob a ótica dos "avivalistas" do momento,os da aeróbica evangélica-pentecostal:Movimente-se,dê um abraço no seu irmão,diga eu te amo,você é um vencedor,abra a mão e segure sua bênção,levante a mão direita,agora a esquerda,as duas e dê três glórias bem alto e fale em linguas.E por aí segue.Não me sinto confortável em um ambiente assim,mas os que gostam,não os execro.Na maioria das vêzes quando perguntamos a um desses qual a mensagem pregada?Como foi o culto?respondem:Não sei,mas o culto foi uma bênção,irmão.É???
Quanto aos pentecostais não barulhentos,não os chamo de frios,mas um tantinho mais reflexíveis.Como diria Stot: "Crer também é pensar".
Quanto a mim,respeito ambos ficando entre os moderados.
Quanto aos comentaristas que visitam este blog,respeito a todos.
Irmão Gutierres,graça e paz e um abração(mesmo virtual)em Cristo.

Vosso em Cristo:José Nascimento Rodrigues

André "Pé" disse...

A gente deve se preocupar com a verdadeira adoração a Deus... cada um tem seu jeito.
Acho que essas analises de como fazer e etc são grandes sinais de religiosidade !!!(minha opinião, ninguem deve concordar e sim ter a sua propria)

Gutierres Siqueira disse...

Aos amantes do barulho, eu insisto que I Co 12 a 14 seja lido com muita atenção!

pretinha disse...

Vejo que muita gente se irritou com o artigo. Vou aproveitar que o texto foi muito lido e comentado, para fazer uma pergunta:

Se a Bíblia ORDENA que toda profecia seja julgada, por que razão QUASE TODAS as igrejas pentecostais recusam-se a cumprir essa ORDEM DIVINA?

Milhares (talves milhões) de pessoas tem sido prejudicadas gravemente por profeteiros que se levantam dizendo mentiras, fazendo fofocas (falando o que ouviram de terceiros como se fosse revelação), inventando sandices, fazendo previsões que nunca se cumprem. Quando mais tarde revela-se a vida desses profeteiros, descobre-se que eles é que estavam vivendo uma vida podre. Que fazem os pastores? Ficam quietos, nunca calam a boca dos falsos profetas, mesmo quando já sabem de sua vida de pecado.

No tempo dos reis, a maioria dos profetas eram falsos profetas, que levarmam Israel e Judá ao desastre. Jesus nos advertiu gravemente que viriam MUITOS falsos profetas e falsos mestres que ENGANARIAM A MUITOS. Porque a maioria dos pastores penttecostais é conivente com isso?

No tempo de Moisés, falso profeta era apedrejado. Falou e não se cumpriu...morte a pedradas. Isso não quer dizer que devemos sair matando falsos profetas. Mas certamente quer dizer que deveriamos levar isso a sério.

Aprendiz disse...

Gutierres

Era meu o comentário. Novamente saiu no nome de minha esposa. Mas ela concorda cem por cento.

Aprendiz disse...

Sinceramente penso que na maioria das igrejas brasileiras o que há é fogo estranho.

Fosse no tempo de Moisés, sairia fogo do Senhor e queimaria a maioria, como queimou a Itamar e seu irmão.

Edinei Siqueira disse...

Não adianta Gutierres, os crentes do "retete" e "sapatin de fogo" não querem aprender. Até os que frequentam EBD não conseguem colocar em prática os ensinos que lhes são ministrados, pois no primeiro "culto" de emocionalismo lá estão eles rodopiando e fazendo aviãozinho. Quanto a 1ªCo. 14 está lá na Bíblia deles, mas só de enfeite porque estudar e compreender o texto para pô-lo em prática não querem.
E os que mais promovem as meninices são os "grandes conferencistas" que pregam em grandes eventos.

Pb. Edinei, Th.B

Debora Machado disse...

Nossa, gostei muito da forma em que você colocou as palavras para explicar, este assunto ao qual vem sendo polemico, o que alguns não entende é isso mesmo, que quando um fala em linguas que o outro se cale, ou se levante para que entregue o que lhe foi entendido! Gostei muito de sua matéria.

Consultora em Educação disse...

Hinos, louvores e barulho.

Ivone Boechat

Antigamente, quando alguém passava na rua poderia ser alcançado pelo poder de Deus, ao ouvir a Igreja cantando um hino inspirado, com letra simples e profunda. Sempre a Igreja usou instrumentos musicais: violino, órgão, piano, ou acordeom... Quantas pessoas se converteram... ouvindo um hino, um coral, a música inspirativa ? Hoje, quem passa pela rua ou por fora do templo, não consegue ouvir nem a igreja cantando, coitada, ela até se esforça, grita, fica na ponta do pé, se esgoela, mas não vence o som altíssimo da bateria, estrondando e balançando lustres e vidraças, com 90 decibéis. Quem sabe até despencando o telhado.

Os educadores andam sobressaltados com tanta coisa que se esbarra na formação da futura igreja. Ela está aí e não venham dar a desculpa que não convence: “para conquistar os jovens é preciso liberar tudo, heresia na letra, barulho ensurdecedor, dança, som de danceteria, coreografia, porque o mundo está perdido e é preciso ceder”. A educação tem recursos para ajudar a por as coisas em ordem. Não precisa se contaminar com o mundo nem adoecer todo mundo com tanto barulho.

Os evangélicos têm hinos perfeitos, lindíssimos e inigualáveis e alguns “cristãos modernos” ficam esnobando esse acervo, chegando ao cúmulo de discriminarem e até substituírem os maravilhosos e inspirados hinários por “louvores” mal feitos, sem pé nem cabeça. Acham que louvar é fazer muito, mas muito barulho...! Quando se usa o som acima da capacidade auditiva, desequilibra, irrita e...pode até matar. Quem usa marca passo não pode ir à igreja. Os idosos estão sendo expulsos, as crianças, coitadas, sofrem..., e haja tímpano. Os cultos ultrapassam a 80 decibéis! Muitos irmãos não agüentaram e desapareceram dos barulhões que antecedem ao culto. Chegam mais tarde! Ou nem chegam.

“A minha casa será chamada casa de oração”. Mt 21:13

O ambiente na igreja deve ser próprio para a comunhão, para a oração, sim, para o louvor e não para um show que desarmoniza, incomoda, desprepara o cérebro para receber a mensagem. O cérebro desorganizado não está apto para gravar nada.


Por onde andam os corais infantis? Cadê os quartetos que cantavam nas Igrejas? Cadê os hinos lindos tradicionais ? Há igrejas que nem evangélicas são que estão tomando posse dos hinos do cantor cristão, da harpa e outros nossos hinários tradicionais, e afirmando que são hinos deles. Que eles cantem, tudo bem, cantemos juntos ao redor da terra, mas nunca, porque nós os desprezamos ou substituímos o belo pelo desarranjo.

“Parece-vos pouco o fatigares e provares a paciência dos homens? Agora quereis também abusar da paciência do meu Deus?” Isaías 7:13

Consultora em Educação disse...

A música deve ser usada inteligentemente

Ivone Boechat


O cérebro humano está cansado e agredido pelo excesso de informações. A tv se encarregou de saturar, incessantemente, com sons irritantes; nas ruas, os motoristas buzinam estridentemente, e aceleram forte, produzindo barulho excessivo; os ruídos internos empurram o ser humano para o universo interior das cobranças sociais, e assim estressado pelo trabalho, ele se dirige aos templos para buscar a Palavra, a quietude, a reflexão. Quem não gostaria de orar silenciosamente ao entrar no santuário, ao som de uma musica suave? Quem não gostaria de ouvir um coral, ou cantar com a congregação um hino inspirativo, sem necessidade de tentar superar o barulho do que mais parece um “trio elétrico” de 90 decibéis, prejudicando a audição e a saúde?

Ainda há tempo de reverter o horror que se instalou nos templos durante o culto. Autoridades especializadas no estudo dos efeitos do som indicam que ruídos em níveis elevados alteram o comportamento humano e não preparam o cérebro para ouvir a mensagem, pelo contrário, interferem na química cerebral, que fica muito alterada. Com toda essa adrenalina a pessoa torna-se incapaz de gravar a mensagem.

A música é um poderoso fixador da memória: sensibiliza; emotiza (cria entusiasmo); prepara o cérebro para arquivar as mensagens; consola; tranqüiliza; desperta a atenção; estimula a produção dos hormônios que formam o padrão químico das inteligências.
A música deve ser usada inteligentemente, como recomenda um dos maiores músicos da antiguidade, Rei David:

“ Pois Deus é o Rei de toda a Terra; cantai louvores com inteligência.” Sl 47:7 .

Consultora em Educação disse...


Ministro de música


1. Toda pessoa tem o direito sagrado de frequentar os cultos e atividades da igreja e de sentir muito feliz, sereno, confortado, em qualquer idade.

2. O ouvido tem alta sensibilidade e suporta confortavelmente, por uma, duas horas, no máximo, 50 decibéis. Passou disso, além do mal que faz à saúde, incomoda muito.

3. Todo instrumento pode ser usado no louvor, mesmo sabendo que há aqueles próprios para o culto.

4. Culto não é show.

5. Não existe hino ou música velhos.

6. É preciso selecionar hinos próprios para cada ocasião, com mensagem, poesia, melodia, harmonia, ritmo. Ritmos assincrônicos desorganizam a química cerebral. Derrubam pessoas e até muros. Josué 6:20 Juízes 7:18

7. Fundo musical durante o culto não pode interferir, desconcentrar, incomodar; use-o com muita inteligência. Ninguém suporta um teclado dedilhado pra lá e pra cá, aleatoriamente.

8- A música tem o poder de mobilizar as estruturas mentais.


9- Culto animado não é sinônimo de barulho. Reverência, participação, adoração, comunhão, consagração, apontam para o equilíbrio. O templo não é um lugar sombrio, triste, com silêncio sepulcral, é um espaço de alegria, louvor, transformação, decisões.


10- Se você faz parte da equipe de músicos, nunca fique se distraindo e brincando com os instrumentos no altar, após o culto.

“E Quenanias, príncipe dos levitas, tinha cargo de entoar o canto; ensinava-os a entoá-lo, porque era entendido nisso.” 1º livro de Crônicas 15.22.


Ivone Boechat

carlossilvasf disse...

A cada dia que passa, me sinto com nojo de vocês, ridículo essas discussões. Agora faço uma pergunta.. vocês estão dando frutos para o reino doa CÉus??? Olha o mundo em que vivemos, quantas almas vocês conseguiu almejar para Deus? Ao invés de se ajuntar, estão comendo suas próprias ovelhas. Lamentável isto!! Fico triste por isso.

carlossilvasf disse...

Ridículos essa discussão, sobre quem dcomo se devem se comporta. Pegar um versículose criar esse julgamento. E coisas de fariseus me dá nojo disso tudo. Agora eu epergunto quantas almas cada um ganhou nesse tempo perdido ??? Ao invés de ganhar almas , estão matando elas engolindo com essas discussões nada edificante.

carlossilvasf disse...

Ridículos essa discussão, sobre quem dcomo se devem se comporta. Pegar um versículose criar esse julgamento. E coisas de fariseus me dá nojo disso tudo. Agora eu epergunto quantas almas cada um ganhou nesse tempo perdido ??? Ao invés de ganhar almas , estão matando elas engolindo com essas discussões nada edificante.