domingo, 25 de dezembro de 2011

Natal desperdiçado!

Cantatas de Natal: Cada vez mais raras!
Em 2068, se Deus permitir e o mundo existir, eu farei 80 anos. Ora, poucas coisas eu posso prever de um ano tão distante, mas vejo que no Natal de 2068 continuaremos ouvindo cristãos reclamando que o Papai-Noel substitui Jesus Cristo e que o Natal virou a celebração do consumismo. As reclamações são legítimas e também partilho dessa lamentação, mas o que estamos fazendo para mudar? Nada!

Na semana que passou eu visitei o Parque Trianon, na Avenida Paulista, onde existia lindos enfeites de Natal e um pequeno coral. O que me chamou a atenção naquele parque foi a concorrência para ouvir um coral pequeno com som sofrível. As músicas cantadas falavam em “Glórias a Deus nas alturas” e “O nosso Salvador nasceu” etc. e naquele momento vi que nós, cristãos evangélicos, desperdiçamos o melhor momento do ano para falar a respeito de Jesus Cristo.

Quantas de nossas igrejas farão Cantatas de Natal e convidarão os seus parentes descrentes para ouvir? Infelizmente são cada vez mais raras, mesmo em igrejas mais tradicionais. A Palavra pregada e cantada em um culto como esse pode produzir muitos frutos. Como podemos esperar uma postura secular adequada do Natal se nós o desperdiçamos?

É momento de pensar, se Deus permitir, o Natal de 2012. Não vamos desperdiçar mais um!

Feliz Natal.

6 comentários:

jurandir alves disse...

Felicitacoes Natalinas Gutierres,

Sua exposicao como sempre, poe em cheque nossas atitudes e nosso discurso. Aqui nos EUA o Natal e comemorado semanas antes com belissimas e ricas cantatas. No dia de Natal, temos varias igrejas cuja pregacao do Evangelho de Boas Novas, relembra acerca do nascimento de Cristo. Ficam lotadas, recebendo muita gente que so vem nesta epoca do ano...

Mario Sérgio disse...

Feliz Natal e um próspero Ano Novo!

Filho de Jacó disse...

Natal, Celebração ao Poder do Deus Dinheiro
Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará o outro, ou dedicar-se-á a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao Dinheiro. (Mateus 6, 24)


É bom primeiramente lembrar que ninguém sabe qual foi o dia e o mês do Nascimento de Jesus Cristo. A Igreja Católica escolheu o dia 25 de dezembro como data do nascimento de Jesus e todos aceitaram como verdade. E assim, a grande força econômica e envolvente criou o Grande Império do Comércio e a Celebração ao Poder do Deus Dinheiro neste dia tão esperado do ano.
Muitos Cristãos acreditam que na época de Natal estão comemorando o nascimento de Jesus Cristo, mas na prática, celebram mesmo o Poder Econômico do Deus Dinheiro. No Natal, a preocupação é como se fartar com um banquete cheio de guloseimas, peru e uma mesa farta de Alimentos e bebidas. O poder da Gula, neste dia é muito grande e o poder das bebidas embriagam os homens até derruba-los ao chão ou faze-los perderem a razão. Os caríssimos presentes são dados neste dia para alegrar mais os entes queridos, e todos ficam felizes pelo grande consumo que o Deus Dinheiro lhes oferece. A felicidade é geral entre os Ricos e empresários que ganham fortunas nesta época tão festejada. Quase todos saem ganhando muito nesta época, principalmente as igrejas com as tão amadas ofertas e fartos dízimos. Quanto aos pobres, nescessitados e oprimidos, só lhes restam esperar que os Verdadeiros Cristãos se lembrem deles e ter o prazer de ver a grande festa que acontece entre os fiéis servos do Dinheiro. Os Verdadeiros Cristãos se encontram em extinção, mas, para alegria dos nescessitados, aparecem alguns caridosos que lhes oferecem um pouco de sopa e algumas cópias de brinquedos para seus filhos. Quando aparece algum nescessitado pedindo comida ou ajuda aos atuais religiosos, quase sempre ouve o que parece verdade mas não é; Dizem os religiosos: - Não devemos dar o peixe para o nescessitado comer, temos é que ensinar ele a pescar seu próprio peixe, senão, ele fica no costume de só pedir. Mas, quem se oferece para ensinar o nescessitado a pescar seu próprio peixe? Ninguém tem tempo para isso, e quase todos dizem: - Isso é dever do Governo e não nosso. E assim, o Natal é uma grande tristeza e tambem um dia de grande sofrimento para os miseráveis que apenas assistem o desfrutar dos que estão financeiramente seguros e que são fiéis servos do Poderoso Deus Dinheiro. O frio, a fome e a miséria esmagam os cansados e abandonados pela Sociedade Consumista nesta época. E a grande alegria da festa de Natal entre os Orgulhosos Consumistas e entre os Ricos Empresários, provoca uma grande revolta e um desesperado sofrimento entre os esquecidos e oprimidos, que ainda esperam um conforto no amor do Verdadeiro Deus. Assim, com a boca louvamos e adoramos ao verdadeiro Deus, mas, o nosso coração está grandemente empenhado em servir e idolatrar ao Poderoso Deus Dinheiro.



Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam;

Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.

Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.
(Mateus 6:19-21)

Valter Borges disse...

A resposta está na gênese da Reforma Protestante: o anti-catolicismo! Ou seja, tudo que o catolicistmo comemora, os protestantes não comemoram.
Isso vale para o Natal, para casamentos, e até para a Páscoa!

Enquanto tivermos essa mentalidade, nos tornamos mediocres, hipócritas e irrelevantes como comunicadores do Evangelho!

George Gonsalves disse...

Excelente. Faço um programa de rádio aqui em Fortaleza e fiz reflexões semelhantes. Em resposta, ouvi crentes apontando para origens pagãs do natal, consumismo, etc, etc, etc. De minha parte continuarei me alegrando com o nascimento de Jesus, e dia 25 de dezembro não será exceção. Um abraço e feliz ano novo! www.igrejabatistadoverbo.blogspot.com

wallace disse...

O texto é ótimo, também compartilho essa opinião, e afirmo que essa postura contra o dia do natal é falta de discernimento - desperdiçamos esta oportunidade de pregar o Evangelho!

Sobre dias de comemoração, vejamos:

E Jesus? Era Judeu praticante! (qualquer um que negue isso estará dizendo que ele pecou) Se Ele praticava o judaísmo, logo, comemorava as festas judaicas(Páscoa, Pentecostes e Tabernáculos); (oras) o que inclui a festa da colheita(pentecostes no AT), por que não comemorar a fartura que Deus nos dá?

Podemos confirmar em Mt.26:30 quando Jesus e Seus discípulos celebram a Páscoa Judaica cantando e participando da última ceia no monte da chamado da Oliveiras. Por ocasião da Páscoa, eram entoados os Salmos 113 e 114, antes da refeição pascal, e os Salmos 115 a 118, após a mesma(Segundo a tradição).

Se nós não temos caridade com os pobres no dia do Natal, faltamos em amar o próximo(assim como em todos os outros dias do ano) e se não evangelizamos o próximo cometemos o mesmo erro, a culpa não é do dia do Natal, a culpa sempre foi nossa mesmo(salvo as raras exceções)!

(Observação: Nós sabemos que o dia é simbólico!)

Sobre a Cantata de Natal:

Eu testemunho o sofrimento do maestro do coral da minha igreja(do qual sou componente, além de tocar na orquestra), que apesar de ser muito abençoada na área instrumental, encontra-se relutância para "recrutar" membros para fazer parte do coral de vozes (tradicional também nas Assembleias) ou até mesmo em aprender a tocar um instrumento para formação de uma orquestra adequada para uma cantata. O problema é que não é nem um pouco fácil, exige esforço, ensaios, dedicação e sacrifício(e esse assunto dá muito "pano pra manga").

Agora, eu ainda tenho esperança, já fizemos uma cantata e foi benção, oportunidades de louvar a Deus em público não faltaram, tocamos na praça principal da cidade, muita gente ouviu! Espero que em 2012 seja diferente!

Abraço Ir.Gutierrez.

Obs.: Valter Rodriguez, para haver Reforma é preciso que haja algo anterior para ser reformado, e a nossa bíblia? foram copiados por quem durante os séculos que precederam a reforma?