sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Síntese!

Fonte: VoltemosAoEvangelho.com

4 comentários:

Anônimo disse...

A Religião está tão inpregnada na alma humana que mesmo os que dizem não ter religião sabem que é falaciosa tal afirmação.O problema é que aqui temos religião demais e Evangelho de menos.É só observar.A religião exige tanto de seus "consumidores" que estes andam curvado sob o peso do medo,angústia,preocupação e estresse por nunca se sentirem em paz com Deus,embora o tentem "sangrá-lo" com obras e ações humanas.Não,não,não estou falando do catolicismo - religião da maioria.É entre nós evangélicos mesmo.Mas o nosso povo se sente bem assim,gosta de ser manipulado,explorado,"arrebanhado".Em assuntos transcedentais, outros que pensem por eles.Bereanos... fora! Para que se preocupar em examinar.Muito trabalho!Quanto ao Evangelho da graça,é so observar que quando se prega a Graça em Jesus sem exigência religiosa,muitos não aceitam,vêm nisso liberdade para pecar,ou "graxa" para deslizar no pecado.Ora, a graça nos impulsiona é a uma comunhão mais profunda e amorosa com Jesus e ao desejo de obedecê-lo.Encerro dizendo que na religião eu sempre faço;no Evangelho da Graça,Ele fêz por mim,e por mais que eu tente pagá-lo,não consigo,então me deixo conduzir por Ele.E é o suficiente.
Gutierres,abração e um Felíz Natal e Ano Novo deste "anônimo" com nome.
Vosso em Cristo: José Nascimento Rodrigues.

Gutierres Siqueira disse...

Feliz Natal, meu irmão!

Anônimo disse...

Obrigado Gut,a recíproca é verdadeira.Graça e paz e um beijão no coração.
Vosso em Cristo:José Nascimento Rodrigues

pretinha disse...

Gutierres

Noto que o uso da palavra religião como sinônimo de legalismo é extremamente recente, acho que coisa do século XX. Se os maiores pregadores, teólogos e mártires, até tempos bem recentes, fossem perguntados se eram pessoas religiosas, responderiam "claro, sou sim".

Mas estamos no século XX, quando até mandatários de cargos eletivos dizem que não são políticos. Demonizar uma palavra e projetar nossos defeitos nela, isso não tirará de nós os nossos defeitos. Por isso, eu conscientemente evito esses truques semânticos.