sábado, 24 de março de 2012

O racismo, a cruz e o cristão

2 comentários:

Anderson Cruz disse...

Grande testemunho!

Emocionante, maravilhoso isso que o Evangelho de Cristo faz com o mais vil pecador!

Há algumas semanas escrevi sobre o Orgulho no meu blog, e dialoga com este testemunho.

Blog Palavra e FÉ
http://anderscrz.blogspot.com.br/2012/03/quando-o-desespero-bate-porta.html

Anônimo disse...

Prezado Gutierres,

1. O vídeo é comovente. O RACISMO é um daqueles assuntos que raramente são abordados, sob a perspectiva cristã. Ainda que o combate ao crime de racismo esteja nas leis do País, somente o Espírito Santo, pela Bíblia, é capaz de revelar toda a HEDIONDEZ desse pecado.

2. O RACISMO é um daquelas coisas que saem “do interior do coração do homem” e o contamina, mortalmente (Mc 7.21-23). É uma atitude de coração, consequência, da natureza decaída. Herança adâmica. Coisa da velha natureza. Bem, pelo menos deveria ser.

3. Quem abriga tal sentimento no coração permanece ou voltou (?) a “fossa de pecados” onde se encontram, dentre outros, o “miserável e completo racista” enganando e sendo enganado com falsos discursos (2Pe 2.22).

4. A expressão do autor: “... apesar de ter crescido em um lar cristão, via em mim inconsistências reais e profundas...” mostra que é possível ser religioso segundo curso desse mundo – mas, jamais um CRISTÃO AUTÊNTICO. DEUS - sem discriminação alguma - busca os que se desviam ou, como no caso, nunca entraram pelo o caminho!

5. Por quanto tempo alguém que tenha esse tipo de “inconsistência” (RACISTA) será capaz de ostentar uma identidade cristã até que seu ministério, seu relacionamento com Deus e, por fim, sua salvação, sejam completamente perdidos? O cumprimento da Lei de DEUS não consiste em AMAR a DEUS e ao PRÓXIMO como a si mesmo?

6. A Palavra de Deus diz que quem confessa os seus pecados e os deixa alcança Sua misericórdia. Mas, dá para imaginar o RACISTA RELIGIOSO (um verdadeiro paradoxo!) suplicando a misericórdia do Justo Juiz, tendo consciência de que ele mesmo impediu que um sem número de pessoas por causa da cor da pele, conhecesse o Evangelho!...

7. Enquanto, não chega o tempo em que “os que têm fome e sede de justiça” (Mt 5.6) sejam fartos devemos acionar as leis dos homens contra esse crime covarde e miserável, em suas várias manifestações, esteja onde estiver.

Abraço fraterno,
Paulo Ceroll.