sábado, 23 de fevereiro de 2013

Eureka!

Por Gutierres Siqueira

Hoje peguei um ônibus onde um estudante de psicologia explicava para o colega de turma sobre o porquê da fé. Em um monólogo e com um timbre de voz típico de um pregador em busca de prosélitos, o jovem estudante dizia que a fé é a “terceirização da responsabilidade”.

Esse é o típico raciocínio simplificador da mentalidade presente no jardim de infância. Era até engraçado o tom triunfalista do pregador secular, pois na "aula do busão" só faltou o acompanhamento da exclamação "eureka", tamanho era o entusiasmo com a "descoberta"!

Nesse papo todo, eu lembrei da história hebraica sobre a prostituta Raabe. Essa mulher acolheu dois estrangeiros espiões na sua própria terra, isso porque ela enxergava nesses homens o chamado divino. O autor aos hebreus diz que Raabe fora um exemplo de fé (Hb 11.31). E por que não dizer que era um exemplo de baita coragem? Raabe queria simplesmente “terceirizar responsabilidades”? Ou mostrou em sua terra que uma mulher sozinha poderia salvar toda a sua família por um ato de fé?

Simplificar a fé em Deus como coisa de criança mimada e/ou covarde (um casamento de Freud com Nietzsche) não é nenhuma novidade, mas parece que virou dogma com direito a pregador em transporte público.

Um comentário:

Ivo Gomes de Lima disse...

Fé é a certeza de coisas que se esperam e a convicação de fatos que se não vêem- diz a Santa Escritura.

Se - por exemplo - espero "reencarnar" e estou convicto de que viverei "vidas sucessivas" de aperfeiçoamento (até chegar sabe Deus onde!)... é verdade que tenho certeza de coisa que se espera e tenho convicção de fatos que se não vêem. (Isto é: estou negando o juízo de Deus, a responsabilidade humana, a eficácia do Sangue do Cordeiro, a Palavra de Deus, o Evangelho de Cristo, a Verdade, a Vida e a Luz- mas tenho "fé").Que o Senhor tenha misericórdia de todos e que guarde a cada um dos Seus filhos de alguma "fé" diferente e/ou separada daquela fé que "uma vez foi entregue aos santos".

(A propósito: se adoto como verdade algum tipo de "ciência" (ou qualquer outra coisa) que contrarie a Santa Escritura, não significa que eu esteja sendo "racional" e "sem fé". Significa que eu estou sendo tão irracional, a ponto de estar crendo na mentira e supondo ser verdade.)