segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Por que a entrevista do Silas Malafaia foi trágica do começo ao fim?

Por Gutierres Fernandes Siqueira


A caricatura diante da secularista. Uma noite ruim!
Tenho inúmeros amigos e colegas que gostaram da entrevista do Silas Malafaia concedida à jornalista e atriz Marília Gabriela. Eles argumentam que, tirando o primeiro bloco, Malafaia defendeu com coragem a moral cristã diante das ameaças à família. Mas eu discordo. Na minha opinião, a entrevista como um todo foi trágica. Eis os meus motivos:

1. O primeiro bloco e a prosperidade. Bom, eu nem preciso comentar as inúmeras bobagens ditas pelo Silas Malafaia a fim de defender a “teologia da prosperidade” que ele chama de “teologia da semente”. Creio que é consenso que essa primeira parte irritou a todos nós.

2. O homossexualismo (ou “homossexualidade” para a patrulha politicamente correta). O grande problema na defesa da “moral cristã” é que o Silas Malafaia representa uma caricatura. Quando Malafaia fala que ama homossexuais como ama bandidos ele ofende de forma desnecessária a essas pessoas. Sim, eu sei que ele não quis comparar uma coisa com a outra, mas a primeira impressão é a que fica. A agressividade de suas palavras, assim como aquela personalidade explosiva, dificilmente convence alguém a reflexão, mas sim para a militância.

3. Falar em valores morais e não falar do Evangelho é palavreado vazio. Nós, cristãos conservadores, precisamos aprender que se alguém abraça a moralidade cristã sem o Evangelho essa pessoa simplesmente continuará distante de Deus. Não é a moral cristã que salva. Não é a uma família tradicional que salva. Não é a a rejeição ao homossexualismo que salva etc. e tal. A salvação é pela graça de Deus. A moral cristã é uma consequência para quem conhece o Evangelho. Portanto, enquanto pregamos moral para quem precisa do Evangelho, logo estaremos condenando tal pessoa a viver em seu estado pecaminoso.

PS: Bom, eu também quero rejeitar certo protesto na web feito por aquela turma do “cristianismo cult”. Ora, são sujeitos que não se preocupam com o Evangelho a ser luz e sal para o mundo, mas abraçam com entusiasmo qualquer novidade dos pressupostos modernos e pós-modernos. Sim, são caras que amam o presente século e vivem como se Deus não existisse, ao mesmo ponto que abominam uma moral cristã como qualquer ser secular. Eu não acho que tais tenham “moral” para falar mal do Malafaia, pois são tão perniciosos quanto aquele!  

33 comentários:

Izabel disse...

Sábias palavras, sem a graça, sem o enfoque no evangelho salvador não adianta moralidade

A coisa da prosperidade de fato irritou a todos kkk

Eu penso que é triste que alguém como ele, é que vá e fale (a mídia só quer fuá, caso contrário convidaria mais pessoas coerentes para falar), por outro lado e que não voem as pedras kk pelo menos ele fala, porque me irrita tmbm a coisa de que várias pessoas que são sábias nunca estarem dispostas a se expor.

Bom tenho sentimentos contraditórios sobre essa entrevista e sobre o próprio Silas.

NAIR disse...

Assim como Izabel já comentou, tenho também opiniões contraditórias sobre o Silas. Aprovo o fato dele defender o evangelho mas DESAPROVO as palavras e principalmente o tom de voz que usa pra isso.

Fiquei feliz com o post, Gutierre, porque concordo completamente. É preciso mais cuidado ao defender o evangelho, tendo em mente que, ao defender o evangelho, nossa própria opinião deve ficar em segundo plano. Nossa defesa é A BÍBLIA, e ela não insulta o pecador. Ela condena o pecado, sem no entanto, XINGAR O HOMEM.

Nosso objetivo não é humilhar as pessoas, e sim GANHAR ALMAS. Não ganharemos almas xingando ninguém, e nem querendo ser maiores e melhores que ninguém. Ganhamos almas falando do evangelho da cruz tal como ele é UMA MENSAGEM DE AMOR!

jurandir alves disse...

Caro Gutierres,

Ainda penso que muitas vezes a exposicao evangelica eh mais para compor o ego do palestrante do que esclarecer principios Biblicos. Nao sera com cara feia, linguajar chulo e vociferacao em pontos discordantes que daremos a conhecer nossa cristandade. Em tempo, acredito que a chamada Igreja Crista tem vindo muito a publico para se defender....precisamos ser um pouco mais sal e luz ou podemos virar apenas, estatuas de sal.
abcs

Wesley disse...

Saiba que este blog não é um anti-Malafaia. (Gutierres Fernandes Siqueira)

Imagine se fosse !!!

Gutierres Siqueira disse...

Caro Wesley,

Parece que eu estava adivinhando que você faria um comentário nesse sentido sobre o referido post. De fato, este blog não é anti-Malafaia. Eu até relutei a escrever esse texto, pois o Malafaia foi pauta recente neste espaço. Mas, infelizmente, a entrevista saiu pior do que eu imaginava.

Anônimo disse...

ridiculo esse blog

João Emiliano Neto disse...

Nietzsche e Kant, certamente tiveram pais evangélicos como o Malafaia, por isso apostataram da fé.

É preciso muito sal de frutas para encarar o nosso pietismo protestante que muitas vezes se esquece do fruto do Espírito que exige paciência, temperança e nem sempre (o bom e velho irai-vos, mas não pequeis) gritaria.

De qualquer forma quem não tem um um manso padre católico piedoso com aquela bagagem cultural e tradicional típica do Catolicismo, que vá, então, caçar com um irmão pobre evangélico como o Malafaia. Acho que melhor do que nada.

JOÃO EMILIANO MARTINS NETO

Nágila Souza disse...

Eu não descordei total do que ele disse, mas ele caiu no jogo dela, onde estão os frutos do espirito? Acho que a vontade de provar pra todo mundo alguma coisa, fez com que ele pensasse em sair em sua própria defesa e acabou perdendo a oportunidade de anunciar e ser apedrejado por algo que realmente valha a pena, um homem que outrora eu dava muito crédito não por causa de seu bigode que impunha mais respeito rsrs, mas pela pessoa que ele aparentava ser e agora, com essa mistura toda, é só Jesus na causa.

Pr. Josias Almeida disse...

Gostaria muito que esses blogueiros que, se arvoram como apologéticos, fossem lá, e ficassem de frente com a "carniceira" Gabriela,e tentasse defender o evangelho como se arrogam aqui na net. Ficar em uma sala com ar condicionado e suco de laranja escrevendo, e falando mal do alheio, a despeito de defender a fé, é fácil. Será que essa "suposta" defesa da fé, que vocês vivem aqui bradando, é uma forma de pregar o evangelho? ou dividir mais ainda do que está dividido o Corpo de Cristo? Por que exigem isso do Malafaia, quando vocês poderiam fazer aqui também pela net? Pensem nisso...

Anônimo disse...

Acho que falar, criticar é fácil, quero ver é fazer igual ao Silas, falar a verdade,pois amar é falar a verdade.Ora cada um entenda como quer e interprete como bem entender,mais dizer que a entrevista foi trágica do começo ao fim... aí já é falta de bom senso.

Wesley disse...

Então vc relutou por escrever esse post, sem essa Gutierres, o Malafaia é garantia de audiência em qualquer, blog ou página da web, e vc não é bobo nem nada, aproveitou pra continuar com sua cruzada anti malafaia...

Talvez isso te surpreenda, mas não posso deixar de dizer-lhe:

Você é bem mais feliz quando escreve algo que eleve o nível de conhecimento dos cristãos e faz isso bem, entretanto utilizar seu escasso tempo pra criticar o Malafaia, não é uma boa ideia, até porque neste caso específico sua argumentação é bastante fraca.

Anderson Cruz disse...

Discordo de suas colocações.

O debate em si não foi totalmente ruim, e serviu para algumas coisas e esclarecer-las.
É claro que se olharmos o Malafaia através das lentes "evangélicas" iremos condená-los por causa da falaciosa Teologia da Prosperidade.
Mas eu duvido muito que ele receberia muitas críticas como tem recebido se não tivesse falado sobre a TP.
Vejo que a 'perseguição' a ele é devido seus envolvimentos com a teologia da semente.

Gutierres Siqueira disse...

Caro Wesley, aliás, esse é o seu verdadeiro nome? Cadê o sobrenome?

Peço que você pesquise quantas vezes o nome do seu ídolo foi citado neste blog para fazer acusações levianas. Certo vez fui perguntado por um leitor porque eu nada escrevia sobre as escandalosas declarações do Malafaia, como aquele que ele chama de idiotas os que ofertam a Deus sem esperar recompensa.

Gutierres Siqueira disse...

Caro Josias,

Talvez devamos rasgar as cartas paulinas, joaninas etc. Você sabe, eles tinham uma mania feia de apontar problemas...

Pr Alessandro Garcia disse...

Não podemos condenar totalmente a entrevista do pastor Silas Malafaia. A questão é:
O entrevistado não dispõe de tempo suficiente para responder perguntas que às vezes são complexas.
A apresentadora toma partido contra o entrevistado, e aí ele tem que lutar contra espectadores e apresentador.
A todo momento o entrevistado é interrompido.

Não concordo com a interpretação do Silas quanto a teologia da prosperidade divulgada em seus programas de televisão. Mas nem por isso vou jogá-lo na lata do lixo.

O fato é que o Silas Malafaia é o pastor mais bem preparado e disposto para falar sobre os temas que tramitam em nosso cenário político.

Hélio disse...

Guitierres,

Chamar aquilo de entrevista é demais. Não foi uma entrevista e sim um debate onde a suposta entrevistadora resolveu contestar de forma incisiva as considerações de seu entrevistado.

Ora! Mas nem quando se entrevista criminosos os jornalistas agem dessa maneira.

Bem, mas como a mídia esta repleta de gente da esquerda "progressista" na hora em que eles "entrevistam" um cristão deixar a imparcialidade de lado é uma regra pétrea.

O resultado foi esse. Uma suposta entrevistadora que a todo momento interrompia o seu entrevistado para contestá-lo.

Não digo a parte da tentativa de justificar a Teologia da Prosperidade, mas acredito que o Silas Malafaia se saiu bem no debate (debate e não entrevista).

Só não se saiu melhor pela falta de tempo e de ética da suposta entrevistora que acredita que o cristão deve considerar o comportamento homossexual como algo sacrossanto.

Wesley Viana disse...

"...Há algo de errado quando "tudo está errado" ao redor desse "apologeta". E, normalmente, esse errado é ele mesmo."
(Gutierres Fernandes Siqueira)



Sua postura é bastante arrogante, quando se depara com alguém que pensa diferente de você. Seu argumento é bastante reducionista tendo em vista que enquadra o Pastor Silas Malafaia e todo seu ministério ao longo de décadas ao simples adjetivo "pernicioso" que quer dizer nocivo, perigoso e prejudicial. É o ápice da sandice.

Eu tive a oportunidade de ler diversos comentários na web, como por exemplo, o do Renato Vargens e de seu amigo Pr Ciro Sanchez, e confesso a você Gutierres que mesmo eles discordando em alguns pontos do Pr Silas, de forma unanime todos o enalteceram quanto a defesa da família e de sua postura firme quanto ao pecado. Até mesmo os calvinista, críticos ferrenhos do Silas, enxergaram pontos positivos na entrevista.

Mas pra você foi trágica. Fazer o que né ? Você tem todo direito de escrever qualquer coisa e eu, de discordar de você.

A propósito, o temperamento do Silas não está em questão, e se a forma como ele fala incita a militância, sugiro que tirem as novelas do ar, os filmes violentos, os jogos eletrônicos e etc.

Neemias Fagundes disse...

Alguns estão discutindo eloquência, outros idéias e outros pessoa. Seria mais edificante se atentássemos apenas as idéias pois para isto temos muitas bases bíblicas. Tenho minhas discordâncias com o Pr. Silas na área de prosperidade, admiro sua firmeza de idéias no que tange a homossexualidade ou homossexualismo (como bem queiram) mas a minhas observações não diferem do Gutierres o Evangelho poderia sim ser pregado como a real proposta de Deus para a regeneração do homem. E não existe essa de pressão do momento pois quando o evangelho está na veia do crente pode corta-lo que só fluirá a escritura. "Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós," 1 Pedro 3:15 Não sou conhecido na mídia mas já participei de debates em TV e em Cristo afirmo. Não fui desamparado.

João Emiliano Neto disse...

Malafaia é histérico, mas é útil talvez como um político cristão, jamais como um cristão dos mais dignos de serem ouvidos e seguidos: os santos.

Wesley Viana, o temperamento deve estar em jogo, sim, se é um cristão que fala publicamente não só como cidadão, mas como cristão e o que é mais temível como um oficial da Igreja: pastor, bispo, diácono, presidente ou secretário de alianças, convenção ou conferências de igrejas ou presbítero. Afinal, o fruto do Espírito é temperança nesse temperamento ou não é?

Verdadeiramente, que mal fez o Solus Christus para nós, os evangélicos, porque se na Idade Média a Igreja amontava noções humanísticas antes das divagações teológicas, era para servir de estupefaciente tranquilizante para evitar todo essa euforia do Malafaia que só depõem contra o Evangelho.


JOÃO EMILIANO MARTINS NETO

Gutierres Siqueira disse...

Caro Wesley,

Minha postura é arrogante? Bom, todos os que discordam de mim tem espaço para falar. Exemplo disso é o próprio post. Ninguém aqui é censurado, mesmo que as opiniões me adjetivem. Como eu disse no início do texto, vários amigos gostaram da entrevista, mas eu não. Eu tenho direito de discordar e coloquei os meus motivos. Aliás, pregar moralismo no lugar do Evangelho não é exclusividade do Malafaia, mas é um mal do evangelicalismo.

Bom, ao que parece você não contou o número de vezes que o Silas Malafaia é citado diretamente neste blog. Até hoje eu postei 1356 textos, sendo que o referido pastor é “o” assunto em cinco deles, ou seja, ele é objeto de atenção em 0,3% dos posts. Sendo assim, eu vivo no pé do Malafaia em busca de audiência?

Anônimo disse...

Entendo que Silas defendeu com vigor a ética cristã, e merece nosso apoio. Fico triste em perceber que alguns preferem focar nas imperfeições do que na coragem de dar a cara a tapa perante milhões de brasileiros em defesa da Bíblia e de Cristo.

Marcelo Silva disse...

Caro Gutierres,
em primeiro lugar, o Pr. Silas não pronuncia em momento algum da entrevista, a frase: “teologia da semente” e sim "lei de recompensa" e cita o texto de Filipenses 3:13,14 que diz: Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim,
Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.

A sua "moral cristã" está baseada em que princípio bíblico?

Você pode até discordar da opinião de um pastor, mas não deve caricaturalizá-lo, porque você estaria ferindo a moral do mesmo.
Veja o que as escrituras fala sobre autoridade: Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus.
Romanos 13:1.

Se você é defensor de um conservadorismo cristão e propõe que a moralidade cristã deve ser acompanhada do evangelho de Cristo, aonde estão os fundamentos bíblicos da sua opinião sobre a entrevista?

Só tenho a lamentar por tão grande desperdício de tempo.

Mesmo que você não publique o meu comentário, o mais importante ocorreu: você leu! REFLITA!

Anônimo disse...

Leonardo Afonso

Gutierres quero dizer que acompanho seu blog há muito tempo e tenho admiração pelo que você escreve. Tenho muitas críticas com relacao ao pastor malafaia, principalmente quando comecou seu envolvimento com morris cerullo. No entanto nao achei que foi uma avaliacao justa a que voce fez,, pois se avaliarmos bem o pastor nao disse nenhuma bobagem.
Concordo que ele poderia falar com mais tranquilidade, concordo que ele nao deveria jamais comparar de forma alguma homossexuais e bandidos, mas em termos exegéticos ele nao errou ao falar de prosperidade, pois ela a refutou na sua forma simplista e materialista, e a defendeu na forma mais geral, afinal quem nao concorda que Deus abencoa aquele que da o dizimo, considerando todos aspectos, biopsicossociais?
Com relacāo a homossexualidade, quisera eu que ele estivesse errado, assim nao teriamos problemas com a sociedade, mas a bíblia condena nao é mesmo? Ele deveria ter tratado o tema com mais cuidado, mas ele nao poderia deixar de falar.
Amigo, já existem pessoas suficientes para criticar o pastor malafaia como temos visto nas redes sociais. Nós, evangelicos, devemos pelo menos entendê-lo pois ao meu ver no que ele errou, foi tentando acertar.
O comentario do pastor alexandre garcia acima diz uma grande verdade. Nao é facil passar por uma entrevista como essa especialmente quando a entrevistadora fez o que fez. O mínimo que podemos dizer é que o pastor Silas teve coragem.
Espero que entenda meu ponto de vista, e espero debater muito mais com crentes pensantes como voce.
Abracos.

Rafael Lopes disse...

Se vc dissesse que a maior parte do que Silas falou foi prejudicial foi ruim, vc estaria certo, mas tenho que discordar pq não foi isso q vc fez.

Anônimo disse...

Gutierres,
não gosto do estilo do Silas, mas o amo como irmão em Cristo.
E nessa entrevista não vi nada demais que o desabone.

Crer que as pessoas melhorem de vida com o evangelho é algo errado? chamar isso de prosperidade é ruim?

Pregar moralidade é errado?
Não é dito que antes de pregar o evangelho o incrédulo precisa ouvir a Lei sendo pregada para gerar arrependimento?

E outra: quem de nós prega o plano de salvação o tempo todo?
Ninguém faz isso... há outros temas na fé cristã, embora eu concorde que tudo perde o sentido sem Cristo...

Cleber.

Gutierres Siqueira disse...

Caro Marcelo,

Só faltou usar o argumento "não toqueis nos meus ungidos". Bom, aí é caso de Bíblia urgente.

Wesley Viana disse...

Todos que discordam de vc teem espaço pra falar ? E não deveria ser assim ? Esse me parece ser um ambiente de debate, criticas, e etc.

Embora tenho percebido que não ha um só comentário de alguém que discorde de você, que não seja rebatido de forma desproporcional, explicitando mesmo um ar de superioridade frente aos demais, no que diz respeito a conhecimentos bíblicos, vide o caso do Marcelo Silva por exemplo, resposta irônica, típica de calvinista, com raras exceções ou no seu caso um "CALVIARMINIANO" expressão minha mesmo utilizada pra apontar aqueles que não se posicionam, preferem ficar em cima do muro, quando todos sabemos que isso remete a uma antinomia.

Quanto ao número de posts, a mim não importa muito quanto de seu tempo você dedica a criticar os outros, o que me preocupa mesmo é a influência que você pode exercer sobre leitores desavisados.

DEFENDENDO A FÉ QUE UMA VEZ FOI DADA AOS SANTOS!!! disse...

A Paz do Senhor.

Quem me conhece sabe que eu não concordo quase em nada com o atual evangelho que o Silas prega, que se tornou capitalista e triunfalista.

Também não concordo com ele em achar que os usos e costumes são coisas de crentes legalistas e retrógrados.


Mas QUANTO A ENTREVISTA:

Silas Malafaia arrebentou!!!Meus sinceros parabéns a ele!Tirando as bobagenes que ele falou sobre prosperidade no primeiro bloco, o resto do programa foi magnífico!

Digam o que quiserem falar mas nas questões de ABORTO, HOMOSSEXUALISMO E DEFESA DA FAMÍLIA nenhum outro pastor no brasil tem as credenciais dele nesses assuntos!

PARABÉNS, SILAS!

SILAS MALAFAIA PARA PRESIDENTE, MAS SE O LULA CONCORRER, EU VOTO NO LULA!

Anônimo disse...

Moralidade de fato não salva, então vamos fazer leis para matar os cristãos evangélicos e vamos continuar vendo poster como esse de que para mim não tem credibilidade nenhuma. Por mais que achem que o cara não está teologicamente correto, pelo menos ele está em ação a favor de nossa liberdade cristã, isto dá credibilidade, coisa que os críticos não tem!

Alexsander disse...


Uma coisa que está "passando batida" de todos os comentários é a apropriação indevida por Silas de conceitos científicos inexistente e estatísticas mentirosas para sustentar o que a bíblia já faz dentro da ótica cristã.
Ao sofismar ogramente ele assina o atestado de burrice e ignorância e chama todos de idiotas ao afirmar com vêemencia, incoerências científicas e ao usar termos inventados e desconhecidos pela ciência. Ele, claramente, quiz fazer as pessoas de idiotas. Isso é grave.

Aprendiz disse...

Jeu não era um seguidor perfeito de Deus. Ele era tradicionalista, e tinha ódio daquilo que reconhecia como novidades heréticas (os cultos vindos dos sidônios) e estava 100% certo nisso. Mas os elementos falsos do culto judaico, como os bezerros de ouro, isso não o incomodavam. Era um erro antigo, que já havia, pela tradição, adquirido ares de prática aceitável. Haviam várias gerações que esse erro era praticado. Aqueles que se firmavam apenas nas tradições não percebiam o erro, mas aqueles que se firmavam na Lei de Moisés, compreendiam facilmente.

Mas, em que pese a sua compreensão incompleta, Jeu era extremamente corajoso. Jezabel sozinha fazia tremer de medo os mais corajosos profetas. Jeu não teve medo de matar com o próprio arco os heréticos e assassinos reis de Israel e Judá, atropelou Jezabel, e foi comer, como se tivesse passado a manhã a fazer jardinagem. Desafiou os anciãos a escolherem um dos filhos do rei morto como seu sucessor, e virem fazer guerra contra ele. Apavorados, eles matam os filhos do rei, para aplacar a ira de Jeu. Depois, com ardilesa, Jeu mata os sacerdotes dos deuses estrangeiros, para vingar os profetas mortos por Jezabel. Fazia bom par com o profeta Elizeu, que provocou a morte dos rapazinhos seguidores de deuses estranhos, e mandou descer fogo do céu sobre capitães e tropas.

Porque digo isso? Às vezes nãos são os de doutrina mais pura aqueles que se levantam para lutar contra o mal, com força suficiente para vencer a batalha. Malafaia tem o seu bezerro de ouro (teologia da prosperidade) mas é mais corajoso que os seus críticos. Qual destes se levanta contra o plano em curso, que visa colocar todos os crentes na ilagalidade, e entregar as crianças aos abusadores? Muitos não só são covardes, mas até fingidos. Há supostos "apologetas calvinistas" trabalhando em conluio com os inimigos de Deus.

Tem gente que fica de bico porque as palavras de Malafaia não são atraentes, não agradam. Mas se a verdade não é atraente para os ímpios, o problema é dos ímpios, não daquele que fala a verdade.

Anônimo disse...

Caríssimos amigos, a cada dia que passa, empresários que se metem a pastores (picaretas) como Siladas Malafalha, vão colocando os nossos pastores contra a parede, exigindo de nós, posicionamentos e nos obrigando a tomar posições distintivas em termos de DOUTRINA e história cristã/denominacional. Se a família Siladas Malafalha colocasse uma melancia no pescoço e fosse desfilar em Copacabana, menos mal causariam ao movimento cristão. Não seria o momento dele se recolher, estudar a Bíblia em algum SPA, colocar esparadrapo na boca e entender que seu desespero por estar na mídia, o leva e os demais ministros, ao fundo do poço?
Sugiro uma pauta para nossas igrejas, ante a ação de Satanás, como vento poderoso, através desse cidadão que faz da causa cristã uma extraordinária fonte de enriquecimento pessoal:

1. Os pastores devem discutir com suas comunidades (eklésia) a doutrina bíblica e que foi fundamental na eclosão da Reforma Luterna, o SACERDÓCIO UNIVERSAL DOS SANTOS, isto é, que no tempo da Graça do Senhor, não há distinção entre leigos e membros da eklésia (congregação), que a separação entre sacerdote e comunidade só existia no tempo antigo, mais precisamente, da LEI de Moisés. Portanto, à luz das Escrituras não há lugar para SUPER pastores, ditadores, autoritários, centralizadores em nossas igrejas locais. O pastor é um homem vocacionado especialmente, mestre que deve ser no ensino das Escrituras (poucos querem ser), mas jamais o proprietário, presidente da assembléia dos santos. 1 Pe. 2:5-9; Isa. 61:6; Ef. 4:11. Desta forma, mostraremos como o Sr. Siladas Malafalha segue de perto o modelo papista de governo da igreja local e essa prática, anti-bíblica, traz malefícios ao crescimento e a qualidade das igrejas (3 João 9-11) visto que ao cair em erro um pastor, toda uma congregação é levada, porque intimidade e impedida de se manifestar. Siladas Malafalha, menciona alguns possíveis erros de um pastor, mas se levado a sério seu conselho, jamais uma igreja disciplinará um ministro que cometa pedofilia, prostituição, adultério e outras coisas.

2. Formas de governo eclesiástico. Como ao longo da história do cristianismo foram surgindo os modelos episcopais, presbiteriano, congregacional. E quais as modernas denominações identificadas com estas formas e as consequências doutrinárias nestes grupos;

3. Incentivar a importância de todos os crentes buscarem desenvolvimento intelectual pelo estudo doméstico, pela aquisição de bons livros, pela educação cristã, pela escola dominical, cultos de ensino, como responsabilidade de todos.
Uma comunidade que cresce espiritual e intelectualmente, não fica refém de demagogos e oportunistas como Siladas Malafalha (exemplo do que é, em terra de cego quem tem um olho é rei). Atos 17:11; Gál. 2:4-5,11.
Segue um texto para reflexão, http://www.ipfarol.com.br/downloads/EBD/EBD.IPF.ESTUDO3-SACERD%C3%93CIO.UNIVERSAL.DOS.CRENTES.pdf
Abraços a todos, que Deus nos guarde do papismo neopentecostal Siladiano que escolheu o Brasil para semear a confusão doutrinária.




--------------------------------------------------------------------------------

A mais nova descoberta teológica do empresário Siladas Malafalha.
Provavelmente para se blindar já que seu telhado é de vidro.
Rasgou os dez mandamentos.
http://olhardireto.com.br/videos/exibir.asp?video=Pastor_Silas_Malafaia_intimida_Fieis_para_N%c3%83O_denunciarem_PASTORES_LADR%c3%95ES&id=3167

Acir da Cruz Camargo, acir.hcs@hotmail.com

Anônimo disse...

A questão de esclarecer a problemática causada em torno da homoafetividade e suas relações com a religião demoram porque falta ao nosso povo disposição para o estudo, faltam nas faculdades de teologia e nos seminários, profundidade em conhecimento histórico-cultural do mundo e do pensamento bíblico.
Ainda nossas comunidades acreditam que a Bíblia é um livro que caiu do céu, encadernado, com os livros todos na ordem como estão, sem trabalho ardoroso, sem dúvidas sobre palavras, textos e livros inteiros.
Os membros das igrejas acreditam que estamos vivendo nos tempos em que foram escritos os textos bíblicos, que ainda necessitamos atravessar o Mar Vermelho a pé, que as pessoas são arrebatadas como Elias foi. Na contrapartida, fornecemos informações deturpadas, a propósito ou por ignorância, da realidade cultural em que os povos e líderes bíblicos estiveram envolvidos.
Por exemplo: a maioria dos cristãos não é informada sobre os motivos pelos quais a Bíblia condena a homoafetividade. Os pastores não possuem condições intelectuais, sua formação é deficitária, extremamente deficitária. Por outro lado, não contamos ao povo outras permissões que a Bíblia outorga ao comportamento moral, porque forçamos as passagens a dizerem as nossas preferências. Vou exemplificar:
1. O mundo bíblico, em nossos dias, só tem comparação com a cultura dos países muçulmanos. São eles que vivem com maior rigor e coerência a cultura dos tempos bíblicos. o em Mas são o objeto estranho mundo democrático, dos direitos humanos, na civilização ocidental.
A sociedade dos tempos bíblicos, os ensinamentos do Antigo Testamento, pertecem a um mundo que era patriarcal, povos nômades, primitivo, não existiam nações, leis civis. Como Israel estava sendo constituido como nação, necessitava se estabelecer como povo saindo da escravidão rumando para uma terra desconhecida e cercada de inimigos. Por isso, precisava de muita população, de uma política demográfica que incentivasse a procriação. Por isso a ênfase da Bíblia na utilização do sexo apenas para PROCRIAÇÃO. Nenhum pastor, felizmente, defende esse princípio bíblico em nossos dias. Acompanham eles, as descobertas da psicologia e da medicina a respeito do sexo como fonte de prazer e melhoria de vida. Estão contra o ensino bíblico e dizemos, felizmente. Como o sexo na Bíblia é apenas para procriação, qualquer relação que não permita isto é considerada como PECADO, mesmo que seja heterossexual - Caso de Gênesis 38/Onã. Como o homem/macho é quem possui a semente, ao homem, nas páginas da Bíblia está permitido possuir várias mulheres e concumbinas, dizendo inclusive a Escritura, que quando Deus se agrada de um homem, dá-lhe como bênção muitas mulheres e concumbinas.
Essa é a razão comportamental dada pela Bíblia e em em nossos dias, não praticada pela civilização ocidental, que optou por seguir o modelo dado pela Revolução Francesa, pelos Iluministas ateus, da monôgâmia, do casamento civil e que no Brasil só tivemos acesso em 24 de fevereiro de 1894. Os países árabes seguem o modelo bíblico. Para sermos coerentes, não basta condenar a homoafetividade. É preciso defender o sexo para procriação e a poligamia. Essa é a Bíblia.
Ninguém observa a distinção de sexos preconizada pela Bíblia. Basta levar em conta o mandamento para manter essa diferença na roupa (Deut. 22:5); nos cabelos (1 Cor. 11:1-16) e na cama (Lev. 18:22).
A Bíblia desconhece ainda casamento civil. Portanto, sem teologia gay, sem teologia da monogamia, sem teologia do sexo como prazer.
(acir.hcs@hotmail.com)
Acir da Cruz Camargo