sexta-feira, 8 de março de 2013

A Teologia Covarde!

Por Gutierres Siqueira

A chamada Teologia Liberal é uma teologia covarde. Por que tamanha adjetivação? Ora, o teólogo liberal é um sujeito que age com temor diante do público, pois não fala daquilo que realmente acredita. Não é uma teologia sincera. É a teologia do duplo sentido, pois dizem “A” quando realmente acreditam em “B”. Muitas frases dos liberais soam ortodoxas, mas o sentido é completamente outro.


Bultmann, por exemplo, defendeu durante a sua vida que Jesus não era divino, mas não deixava de comemorar o Natal. Muitos discípulos de Bultmann dirão que acreditam em “Jesus como Deus”, mas esse “deus” é um conceito completamente novo, já que na teologia liberal a divindade é o “homem ideal” e não o Ser Supremo, o Criador, o Todo-Poderoso, ou seja, a Pessoa que transcende ao ser criado. “Deus”, portanto, passa a ser o homem completamente ético.

Portanto, quando o liberal fala que acredita na essência do fato -não no fato-  tal afirmação não resiste a cinco minutos de reflexão.

3 comentários:

Ivo Gomes de Lima disse...

É a teologia do duplo sentido, pois dizem “A” quando realmente acreditam em “B”. Muitas frases ...(omissis) soam ortodoxas, mas o sentido é completamente outro."

Se me fôr permitido, gostaria de corroborar estas duas (acima) excelentes citações do irmão. A Igreja de Cristo sabe muito bem que “Teologia de duplo sentido” é erva semeada pelo Inimigo, nos pastos dos rebanhos do Crucificado; aparentemente, está apenas afirmando algo sustentado na Escritura, mas, - em função de sua formulação (proposital ou não) inadequada - dá cabimento a entendimentos espúrios sobre o que esteja sendo dito.

Não é mentira afirmar que "a Bíblia contém a Palavra de Deus" mas, assim faço, abro brecha para que alguém entenda que há partes na Escritura que não são a Palavra de Deus (o que é mentira). Assim, devo afirmar que "a Bíblia ... É ... a Palavra de Deus" (ao invés de que apenas "contém" a Palavra de Deus). E teologias de duplo sentido não são - infelizmente – exclusividade de religiosos "libertinos". Todo filho de Deus deve vigiar.

Jones F. Mendonça disse...

Bultmann não era um teólogo liberal. Ele abandonou o projeto dos liberais que consistia em substituir o mito pela história. Para Bultmann o que importa é o kerigma e não a história.

Luciano Martins disse...

De fato assiste razão ao Jones, mas...

O resultado o pensamento de Bultmann é a transformação do pensamento cristão em simples menções ao visão de mundo contemporânea.

Ele faz que se repense a partir de categorias existenciais a mensagem inteira do Novo Testamento, o que lhe retira a força e o valor. O Evangelho passa a ser mais uma proveitosa filosofia de vida.

Com a sua distinção entre Historie e Geschichte, palavras alemãs que traduzimos por história, ele pode simultaneamente afirmar o Jesus histórico e negar a sobrenaturalidade de sua existência, feitos, morte e ressurreição, e, querendo o kerigma e não o mito, termina com as mãos cheias de mitos.

Então, para os fins a que se destinam a postagem do Gutierrez, ao fim e ao cabo, é mesmo a teologia de duplo sentido que tanto estrago faz à fé.